Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Dezembro 5, 2022

Vacinações atrasadas dão asas a eurocéticos e Brexiters

Se o Reino Unido estivesse na UE, não teria sua vacinação tão avançada e passaria pelas mesmas dificuldades e assimetrias que ocorrem nos 27 europeus. Pandemia expôs os problemas e desigualdades da gestão do bloco.

por Alejandro Sánchez Berrocal e Francisco Fernández-Jardón, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

A sequência de abertura de Europa (Lars von Trier, 1991) transforma o espectador no passageiro de um trem que o transporta até o ano de 1945, quando o velho continente havia sido devastado pela Segunda Guerra Mundial. A voz de Max von Sydow é responsável por abrir as portas de um pesadelo em preto e branco através da hipnose:

“Agora ouça minha voz. Minha voz vai te ajudar e te levar para a Europa, cada vez mais profundamente (…) Agora vou contar de um a dez; quando chegar a dez será na Europa”.

Desde a vitória de “sair” sobre “permanecer” no referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia (2016), milhões de pessoas britânicas escolheu o caminho oposto ao da sequência que discutimos, como se tivessem rompido com a “regressão hipnótica” que levou o espectador para a Europa. No entanto, deixar a Europa (na verdade, a União Europeia) parecia o início de outro pesadelo kafkiano ainda mais sombrio.

Por exemplo, perante a perspectiva do Brexit, o então Presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, afirmou que poderia ser “o início da destruição não só da UE mas também da civilização política ocidental como um todo”. Logo depois, começaríamos a ler na imprensa sobre o apocalipse Brexit, que anunciava “escassez de alimentos e drogas, fuga de cérebros e investimentos e perigo de recessão econômica”.

Por fim, em 31 de janeiro de 2020, à meia-noite, o Termo de Retirada entrou em vigor e o Brexit finalmente se materializou. Diante dos piores presságios, – nas palavras de Boris Johnson – “o alvorecer de uma nova era” não desencadeou o apocalipse.

Mas a verdade é que outra catástrofe estava acontecendo: a crise derivada da pandemia de covid-19. Na realidade, essas circunstâncias expuseram o Brexit e europeus e seus defensores mais ferrenhos a um autêntico experimentum crucis: nada mais, nada menos do que o desafio de enfrentar sozinho a pior crise sanitária, econômica e social das últimas décadas.

Então, o que isso nos diz sobre a União Europeia e qual o equilíbrio que o Brexit lança diante da pandemia?

 

Da solidariedade europeia para si mesmo, quem pode … de novo?

estratégia de vacinação apresentada em junho de 2020 pela União Europeia anunciou um esforço coordenado entre os 27 países membros para desenvolver, adquirir e administrar vacinas de acordo com o princípio da solidariedade: todos os cidadãos europeus, independentemente do país em que vivam, teriam acesso à vacina em igualdade de condições.

Pelo menos no papel, restou a vontade de afugentar os fantasmas muito recentes de duas feridas ainda abertas na resposta da UE à pandemia: as tensões entre os chamados “frugais” e os países do Sul sobre a mutualização da dívida e a ruptura da unidade do mercado interno na primeira vaga da pandemia.

Esta última experiência foi especialmente traumática para países como Espanha ou Itália, quando a exportação intraeuropeia de dispositivos médicos como máscaras e respiradores foi bloqueada (a Alemanha conseguiu reter remessas de medicamentos já confiados a empresas espanholas). Ao mesmo tempo que vimos imagens de militares russos e médicos chineses e cubanos prestando assistência médica na região da Lombardia (Itália), os parceiros europeus fecharam suas fronteiras e aceitaram tacitamente uma situação de “para si”.

Diante de uma crise sem precedentes, a famosa “solidariedade europeia” não foi além da retórica; o egoísmo nacional prevaleceu. A primeira vítima política da pandemia foi “a história”.

Na sua formulação e desenho, a estratégia de vacinação ofereceu à União Europeia uma nova oportunidade para compensar os seus erros e revitalizar a história de uma ação eficaz e ao mesmo tempo solidária. No entanto, como costuma acontecer quando a UE enfrenta um grande desafio coletivo, os problemas não tardaram a surgir. Alguns são devidos a problemas estruturais na UE, outros a erros graves na execução da estratégia.

 

Muito pouco, muito lento: entre a passividade e a guerra de todos contra todos

A Comissão Europeia optou por centralizar todo o processo relacionado com a compra conjunta de vacinas pautada por um objetivo louvável: evitar assimetrias na aquisição entre os estados mais ricos e os mais pobres, já que estes poderiam ser afetados tanto no número de doses obtidas como no preço a pagar por eles.

Coube então ao Community Executive assinar os contratos com as diferentes empresas cujas vacinas proporcionaram resultados promissores (Pfizer e BioNTech, AstraZeneca, Johnson & Johnson e Moderna, entre outras). No entanto, para evitar desigualdades entre os Estados-Membros, pagou-se o preço de ir demasiado devagar e de cometer muitos erros. E, o que é pior, essas desigualdades voltaram a acontecer.

A burocracia não ajudou nisso. As negociações dos diversos acordos e contratos implicaram ter os 27 Estados, cada um com seus orçamentos, planos de vacinação e até relutância em algumas das vacinas; Em segundo plano, a necessidade de oferecer uma campanha de vacinação rápida à população e, com ela, o início da recuperação econômica.

Mas a lentidão não era a única coisa que gerava uma lacuna na estratégia de vacinação. Um erro colossal foi que a União Europeia, ao contrário de outros países, nada fez para garantir um abastecimento prioritário de vacinas quando se tratava de antídotos fabricados em solo europeu.

 

Nacionalismo imunológico

Ora, este absurdo se pretende consertar com uma perigosa proibição da exportação de vacinas com consideráveis ​​efeitos geopolíticos e que, paradoxalmente, colocaria o clube dos 27 numa posição incômoda, nomeadamente o “nacionalismo imunológico” de que teriam acusado o Estados Unidos: Estados Unidos de Trump ou Reino Unido de Boris Johnson.

Assim, quando começaram a surgir “estrangulamentos” na produção e dúvidas logísticas, a UE ficou impotente e literalmente a última na fila para as empresas farmacêuticas, que se sentiram obrigadas a cumprir os seus contratos com outros países, que incluíam cláusulas vantajosas.

O pesquisador do Instituto Real Elcano, Enrique Féas, destacou o seguinte:

“O maior erro estratégico na negociação de vacinas não parece ter estado tanto relacionado ao preço pago quanto à ausência de garantia de abastecimento preferencial em vacinas de fabricação local, algo que os Estados Unidos asseguraram por via legislativa e o Reino Unidos por meios contratuais. Em todo o caso, quer a UE tenha cometido um pecado de falta de jeito ou de ingenuidade, a realidade é que a imagem de ‘uma Europa que protege’ foi danificada ”.

Por sua vez, do think tank Bruegel, eles lamentaram que a União Européia “tenha encomendado poucas vacinas e tarde demais”.

A lentidão e a ineficácia da centralização no Executivo Comunitário passaram a causar sérios problemas na produção, aquisição e distribuição das vacinas, o que se refletiu na velocidade das campanhas de vacinação.

Alguns países começaram a ficar nervosos e a chamada “solidariedade”, quando falhou, gerou um clima de insegurança geral em que salvar vidas implicava sair das margens impostas pela Comissão. Todos os países entraram em uma corrida contra o tempo que ainda não acabou.

Por exemplo, a França e a Alemanha confessaram ter obtido mais vacinas do que suas cotas atribuídas. Para piorar a situação, a Alemanha assinou um acordo com a BioNTech para obter 30 milhões de doses, ao contrário da decisão de Bruxelas que impedia os estados membros de negociar vacinas separadamente e permitir o acesso equitativo a elas.

Com o passar das semanas, a proibição foi aberta para uma maior falta de controle a esse respeito. Se países como Hungria e Eslováquia primeiro compraram a vacina russa Sputnik, agora Áustria e Dinamarca fazem um acordo de vacina com Israel, o que está criando uma atmosfera de divisão e hostilidade entre os vinte e sete.

Até a chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou que poderia haver uma maneira alemã de aprovar a vacina Sputnik se a Agência Europeia de Medicamentos atrasar.

No início do ano, o meio Politico EU publicou um relatório baseado em dezenas de entrevistas com diplomatas, funcionários europeus e representantes de empresas farmacêuticas. Nele, eles se perguntavam sobre os custos da UE em tentar garantir os preços mais baixos do mundo. O texto terminou assim:

“O esforço lento, deliberativo e cooperativo pode ter custado tempo e vidas preciosas.”

Mesmo na mídia profundamente pró-europeia, tem sido apontado que “a crise das vacinas mostrou o pior na UE. Pelo contrário, mostrou o melhor do Reino Unido”.

Um dos maiores especialistas em assuntos europeus , Wolfgang Münchau, ex-editor do Financial Times e agora diretor da Eurointelligence , afirmou:

“A questão mais importante são as conclusões que os cidadãos da UE irão tirar. Para começar, a UE acaba de oferecer um caso retrospectivo para o Brexit. O Reino Unido não teria procedido com a vacinação tão rapidamente se tivesse seguido a mesma política. A última coisa que a UE deseja é dar às pessoas uma razão racional e não ideológica para o euroceticismo. Ele simplesmente fez isso. “

Placa de sinalização para um centro de vacinação em Hackney, Londres

 

Chaves para a estratégia britânica

O Reino Unido, no entanto, parece o espelho invertido da UE. A vacinação está progredindo lá muito mais rápido do que no bloco europeu. Isso se deve em grande parte à implantação capilar de postos de vacinação (cerca de 1.500) em todo o território. Atualmente quase metade da população britânica já recebeu uma dose da vacina.

Como se sabe, de acordo com alguns estudos preliminares, a primeira dose da vacina já fornece um nível de imunização relevante. Portanto, a estratégia britânica se concentrou precisamente em inocular a primeira dose para o número máximo de pessoas possível.

Mas o sucesso do programa de vacinação britânico não se baseia apenas nesta decisão médica. Também em um planejamento meticuloso que remonta a fevereiro de 2020. O objetivo da força – tarefa responsável pelo processo de vacinação, segundo sua diretora, a gestora de ativos de risco Kate Bingham, era atingir o número máximo de vacinas no menor tempo possível, sem fazer do custo de cada dose uma prioridade.

Para garantir esse objetivo, os britânicos procuraram garantir o fornecimento de vacinas priorizando aquelas empresas cuja produção ocorria em solo britânico (AstraZeneca) ou europeu (Pfizer-BioNTech), em comparação com a Moderna, cujas doses foram cometidas pelos Estados Unidos .

Portanto, é uma estratégia que podemos sintetizar em três princípios:

  1. Antecipação em acordos com empresas farmacêuticas (o Reino Unido iniciou negociações com empresas farmacêuticas em maio de 2020, enquanto a União Europeia iniciou em agosto).
  2. Garantia de abastecimento priorizando a produção nacional e o controle da cadeia de abastecimento.
  3. Submissão da negociação do preço de compra às súmulas objetivas.

O raciocínio subjacente a esta estratégia parece óbvio: evitar que uma pandemia se prolongue ao longo do tempo, cujo custo macroeconômico será sempre maior do que a compra de vacinas.

A ambição e determinação da estratégia britânica é precisamente o que faltou no caso do bloco europeu. Como o prestigioso economista Paul Krugman demonstrou recentemente , a União Européia falhou em não ter mecanismos decisórios de tomada de decisão e uma administração ágil. Também reconhece que na esfera política europeia há falta de ambição e desconfiança entre os principais atores, como a Euro Crise revelou na sua época.

 

A campanha de vacinação antes do nosso presente político

A “guerra das vacinas” teve inevitavelmente uma leitura política. Para os apoiadores do Brexit, a importância das dificuldades pelas quais a estratégia de vacinação passou é apenas mais um argumento ex post facto para deixar a União Europeia.

Mas também para os defensores da permanência na UE: “Pensem nos 400 milhões de cidadãos europeus e como se devem sentir agora. Quem está liderando o fornecimento da vacina e a quem eles prestam contas? Quem os nomeou? Quantas vezes eles foram examinados pela imprensa e pelo parlamento?” questiona o analista remainer Steve Moore no portal Reaction.

Certamente, a experiência britânica, como um funcionário da Comissão Europeia afirmou ao meio de comunicação europeu Politico, é “um microcosmo interessante de algumas das oportunidades e riscos do Brexit.” Mas também nos dá a oportunidade de pensar, a partir do concreto, os problemas internos da organização política europeia. Nesse sentido, o Brexit nada mais é do que um espelho no qual nós, europeus, somos inevitavelmente obrigados a nos olhar.

Em relação ao processo de vacinação, os resultados da estratégia europeia confrontam-nos com uma situação paradoxal. A União Europeia, como argumenta Daniel Innerarity, é uma poliarquia em que muitos atores intervêm nos processos de tomada de decisão coletiva com o objetivo de resolver problemas comuns que só por si são inacessíveis aos Estados-Membros.

Assim, a adesão à UE apresenta-se como uma solução eficaz para enfrentar os desafios colocados pela integração sistémica global acelerada das últimas décadas. Uma eficiência que, por outro lado, compensaria o reconhecido déficit democrático das instituições europeias, cuja legitimidade dependeria mais dos resultados da sua ação política (output legitimacy) do que da participação política dos cidadãos, como se argumentou, entre outros, Andrew Moravcsik.

No entanto, o fraco desempenho da estratégia de vacinação da UE, em comparação com sua contraparte britânica, obriga esta tese a ser colocada em quarentena. O caso da vacinação mostra que um Estado pode enfrentar com relativa eficiência um problema global.

Essa conclusão, é claro, deve ser medida em relação à realidade social, econômica e (geo) política britânica concreta. Da mesma forma, seu sucesso circunstancial não garante necessariamente o triunfo do Brexit no longo prazo. Mas, em qualquer caso, permitiu-lhe vencer com sucesso o seu batismo de fogo. E isso, pelo menos, permitiu, como assinala um funcionário britânico, convencer muitos britânicos de que o Reino Unido está melhor fora da UE

A União Européia, ao contrário, parece presa no mesmo trilema Rodrik ao qual, em tese, viria a responder. Segundo o economista turco, a globalização conduziu-nos a uma situação em que não é possível harmonizar a globalização, o Estado e a democracia. A escolha de duas dessas opções exclui necessariamente uma terceira.

No entanto, a construção europeia está a equilibrar-se, como o caso das vacinas mais uma vez demonstrou, entre uma governança não totalmente democrática, interesses nacionais que ainda estão presentes nos jogos de poder do bloco e uma globalização que exige agilidade e determinação na tomada de decisões e na execução de políticas públicas.

O trilema de Rodrik. RODRIK, D. (2011), O paradoxo da globalização. Barcelona, ​​Antoni Bosch, p. 219. Elaboração própria

Em última análise, o presente é muito complexo para recorrer ao dilema confuso entre “egoísmo nacional” e “governança global” como uma estrutura explicativa para os movimentos (geo) políticos de nosso tempo, dos quais o Brexit é apenas o mais significativo no cenário europeu.

Precisamente, os problemas da estratégia europeia de vacinação apenas mostram como, no seio da União, os mecanismos de governança supranacional convivem de forma desarticulada com os diversos interesses nacionais.

No contexto de uma globalização cada vez menos idílica, o Reino Unido resolveu essa tensão retirando-se do clube europeu e, por enquanto, parece que conseguiu se desenvolver sozinho. Obviamente, essa não é a única alternativa possível.

No entanto, o caminho de uma maior federalização europeia que permite ativar verdadeiros mecanismos de “solidariedade” e pôr termo às assimetrias econômicas e sociais entre os Estados-Membros também não parece estar na agenda política. Nestas circunstâncias, optar por um “europeísmo ingênuo” que fecha os olhos à realidade e anula qualquer abordagem crítica ao projeto europeu, pode ser muito mais prejudicial do que o próprio euroceticismo.


por Alejandro Sánchez Berrocal, Francisco Fernández-Jardón   |   Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

  • Alejandro Sánchez Berrocal, Pesquisador Predoctoral (FPU), Centro de Ciências Humanas e Sociais (CCHS – CSIC)
  • Francisco Fernández-Jardón, Pesquisador Predoctoral (FPU) de Filosofia, Centro de Ciências Humanas e Sociais (CCHS – CSIC)

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -