Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Outubro 17, 2021

O avanço dos youtubers de extrema direita na França

Sociólogo preocupa-se em analisar o fenômeno não apenas pelo prisma dos movimentos sociais ou com ferramentas quantitativas como a literatura acadêmica contemporânea já faz, mas também com as ferramentas da teoria política e do estudo das ideologias.

por Tristan Fellow, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

A reação de Jean-Luc Mélenchon ao vídeo de Papacito – cujo nome verdadeiro é Ugo Gil Jimenez – deu uma visibilidade sem precedentes ao seu autor, após o dirigente do França Insubmissa ter apresentado uma reclamação. No vídeo agora apagado do YouTube, Papacito e Code-Reinho – outro YouTuber especializado em armas – atiram em um manequim vestido de “gauche” enquanto explicam como conseguir armas legalmente.

Uma semana após a publicação do vídeo do youtubeur Papacito, Jean-Luc Mélenchon participou da “Marcha das liberdades”, contra as ideias da extrema direita, ao lado de várias figuras da esquerda.

Muitos cidadãos descobriram então a existência do personagem, bem como suas opiniões. Se Papacito se apresenta em uma coluna de vídeo de 40 minutos para Valeurs Actuelles como um “polemista profissional” e “humorista”, ele também mostra sua simpatia pelas ideias de Jean-Marie Le Pen e Éric Zemmour , que também nutre simpatia mútua por Papacito.

Apesar da polêmica pública dos últimos dias que se relaciona por um lado ao caráter ilegal ou não do vídeo e, por outro lado, ao alegado uso deste vídeo em benefício da agenda política de Jean-Luc Mélenchon, é interessante não olhar para o vídeo, mas para o contexto geral em que ele é produzido.

Este não é um vídeo isolado, uma piada. O vídeo faz parte de um projeto político que seu autor explica em outras entrevistas dadas para Current Values e Boulevard Voltaire : Papacito se apresenta como um revisor de ideias que busca popularizar ideologias de extrema direita. Ele é um dos atores mais ativos em um fenômeno recente de popularização nas redes sociais em geral e no YouTube em particular de ideologias antidemocráticas e iliberais antes confinadas a pequenos círculos.

Definindo o fenômeno: influenciadores de extrema direita

Como parte de minha pesquisa, por mais de um ano observei cerca de 20 canais do YouTube que desenvolvem ideias políticas de extrema direita. Estudo o conteúdo produzido – a evolução de seus discursos e sua ideologia – mas também o crescimento do número de inscritos, visualizações e também algumas das interações em torno dos vídeos gerados por seus autores no Twitter.

Número de visualizações cumulativas desde a criação do canal de Papacito

Os canais estudados variam muito em termos de visibilidade. Os canais mais vistos acumulam entre 10 milhões e 30 milhões de visualizações desde sua criação. Em termos de assinantes, ou seja, pessoas que querem se manter informadas sobre as atividades do canal por meio de notificações no YouTube, um pequeno grupo está entre 200.000 e 400.000 assinantes, a maioria dos quais supera com dificuldade os 50.000 assinantes. A única exceção notável é o canal Raptor, que é o mais popular com mais de 700.000 assinantes. O canal principal de Papacito atinge 120.000 assinantes e mais de 2 milhões de visualizações em apenas quatro vídeos e três anos de existência.

Número de assinantes em junho de 2021

Se não há um termo preciso para designá-los, parece pertinente falar de influenciadores da extrema direita.

O termo é deliberadamente vago, porque tenta captar uma atividade que consiste, acima de tudo, em influenciar a opinião pública e popularizar ideias heterogêneas. Enquanto a maioria deles concordaria em afirmar ser de direita e conservadores, estudos aprofundados, especialmente os de Samuel Bouron,  Benjamin Tainturier e Eve Gianoncelli, todos os três pesquisadores da Sciences Po, tornam possível fazer distinções mais detalhadas especificando a diversidade de seus projetos políticos que mesclam de forma nem sempre coerente e em diferentes graus mensagens de supremacia branca, masculinista, mas também para alguns que se apresentam claramente racistas e fascistas.

O termo fascista é freqüentemente usado excessivamente para designar esses atores. Também existem controvérsias acadêmicas sobre a relevância de seu uso para designar fenômenos contemporâneos. Portanto, é importante especificar o que designa aqui. A definição de Roger Griffin nos permite melhor compreender os discursos observados recentemente na Internet.

Para o historiador e cientista político oxoniano , a ideologia fascista se apresenta como uma solução para a “decadência” causada pela democracia liberal e pelo comunismo. Hoje é sobre “esquerdismo” em geral – que deve ser erradicado através da mobilização em massa, limpeza nacional e renascimento nacional. A limpeza nacional aqui se refere à ideia de que o corpo da nação foi tornado impuro por “parasitas”. Para os influenciadores estudados, são principalmente imigrantes, muçulmanos, feministas e ativistas de esquerda. Estudos mais recentes mostram como há uma retórica fascista específica para certos discursos contemporâneos disseminados na Internet.

Torne-se popular sem perder a radicalidade e a coerência

A mensagem fascista nem sempre é claramente identificável e existem divergências entre os influenciadores estudados. Por exemplo, Papacito tende a criticar etno-racialistas (representados na França por certos grupos de supremacia branca como “Belvedere: Estado Branco”), relembrando que após a Primeira Guerra Mundial o povo francês passou por “uma seleção genética dos fracos”, contrariando o darwinismo social. Por isso, diz estar mais atento à contribuição do elemento extra-europeu para “fortalecer o povo francês”.

A apropriação da Internet pela extrema direita não é nova, pois estava até agora confinada a sites dedicados – como fdesouche.fr. O que está em jogo, portanto, é que esses influenciadores consigam enviar uma mensagem suficientemente coerente no nível ideológico para convencer, sem tomar posições muito radicais sobre assuntos divisores, mesmo dentro da extrema direita.

Os influenciadores, então, distribuirão o esforço para propagar ideias em um espírito gramsciano: por um lado, influenciadores ideológicos, como Julien Rochedy, que desenvolve mensagens sofisticadas antifeministas e de supremacia branca, e por outro, influenciadores que transmitem ideias como Papacito, que busca capturar o maior número de pessoas possível e depois redirecioná-las aos ideólogos.

Essa estratégia parece estar dando frutos, pois, apenas no ano passado, a maioria dos canais dobrou seu número de assinantes e, para alguns, o triplicou. Junto com o YouTube, esses influenciadores estão aproveitando o Telegram e o Signal para espalhar suas ideias mais radicais sem cair em conflito com a lei. Essas redes, também populares entre as redes terroristas islâmicas, permitem que as mensagens sejam trocadas de maneira criptografada e para um público escolhido.

Os vídeos do YouTube constituem assim uma vitrine que permite direcionar o telespectador para essas plataformas mais discretas, onde a mensagem difundida é muito mais radical porque não é tão controlada como no YouTube.

Em suas “Entrevistas chocantes”, Papacito usa a atualidade e o humor como meio para uma mensagem virilista e conservadora. Papacito / YouTube

Um projeto político alimentado por várias fontes ideológicas

Os influenciadores de extrema direita desenvolvem estratégias retóricas eficazes e sofisticadas para transmitir uma mensagem que muitas vezes chega ao limite do que é permitido pela lei francesa.

Assim, regularmente, alguns deles falarão indiretamente de raça indo e voltando entre várias categorias vagas que designam brancos – ocidentais, europeus, franceses “profundos” – e aqueles que designam não-brancos brincando sobre retórica liberal multicultural – por exemplo “Chances para a França” se referir a imigrantes não europeus.

Apesar de ter uma postura de veiculador de ideias, Papacito desenvolve um projeto político preciso: anti-republicano, monarquista, masculinista e que reúne um certo número de características próprias das franjas mais radicais da extrema direita como a oposição, estado de direito e a promoção da violência. Seu pensamento se baseia em parte nas referências à extrema direita em moda há dez anos: a figura do super-homem em Nietzsche, o conceito de hegemonia cultural do filósofo de esquerda Antonio Gramsci e a ideia da grande substituição por Renaud Camus.

O seu pensamento nem sempre é coerente, o que para ele é lucro, porque esta flexibilidade ideológica permite-lhe convencer um público mais vasto. Assim, enquanto Papacito admira o autoritarismo iliberal de Franco, a ideia de um estado libertário – com um estado mínimo que permite aos cidadãos possuir armas e usá-las livremente em suas propriedades – não parece ruim para ele.

Sua retórica é construída em torno de um campo lexical guerreiro: os adversários políticos são inimigos e seus aliados são colaboradores. Ele regularmente se refere à guerra civil e à figura da purificação do pós-guerra. Quando um membro da Valeurs Actuelles lhe pergunta sobre o estado de seus sonhos, ele menciona a ideia das células para “expurgar os colaboradores”, daí a importância de “desinfetar o corpo francês” com campos de reeducação baseados em uma “pedagogia prisional”.

A dimensão masculinista também é onipresente. Ele descreve a República Francesa como tendo sido fundada por “filhos de puta” bebendo “chás alucinógenos” em meia-calça e fitas. Ao contrário da realeza que, para ele, foi inventada por “grandes reis alemães com espadas de um metro”.

A história da França de acordo com a educação nacional e de acordo com a “porra” dos fatos , em post de Papacito

Um fenômeno difícil de estudar

É importante, como pesquisador, considerar seriamente esse fenômeno que tende a desenvolver um discurso estruturado, argumentado e com referências ideológicas próprias. Não devemos cair na tentação de desacreditar esses discursos, mas sim tentar caracterizá-los e compreender a especificidade do projeto político que eles carregam. Portanto, é importante não apenas considerar esse fenômeno pelo prisma dos movimentos sociais ou com ferramentas quantitativas como a literatura acadêmica contemporânea já faz, mas também é importante abordá-lo com as ferramentas da teoria política e do estudo das ideologias.

No entanto, não se trata também de dar a este fenômeno mais espaço do que já possui, e de não contribuir para a divulgação destas ideias que não são apenas opiniões, mas por vezes infrações à lei quando incitam ao ódio racial ou ao crime.

Não devemos esquecer que estes discursos continuam a ser minoria na opinião pública, embora o contexto político geral francês e europeu veja a direita e a extrema direita institucional ganhando terreno.


por Tristan Fellow, Aluno de doutorado em Ciência Política, Sciences Po  |  Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -