Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Outubro 22, 2021

O Lenhador, Kazimir Malevich

Guilherme Antunes
Licenciado em História de Arte | UNL

“O Lenhador”, de Kazimir Malevich. Malevich foi criador do novo estilo “Suprematismo”.

Criador do novo estilo “Suprematismo” (1913), que no seu dizer não é mais que procurar «a supremacia da sensibilidade pura nas artes plásticas», tinha aderido, anteriormente, à análise volumétrica própria do Cubismo.

É neste contexto que compõe alguns trabalhos de formas cilíndricas e ostentando grande dinamismo, como é exemplo esta figura na acção do trabalho. Perspectiva que abandona um ano depois pela recusa de qualquer exigência figurativa.

O seu pulsar cósmico (suprematista) sobre os volumes não se coaduna, desde logo, com o “Construtivismo Russo” e o seu formalismo revolucionário, que não cairá nas boas graças do chamado Realismo Socialista.

Informação adicional

Artista: Kazimir Malevich
Título: Woodcutter
Criação: 1912
Fotografia: Collection Stedelijk Museum, Amsterdão


Autoretrato Kazimir Malevich

Nota da Edição

Kazimir Malevich 1879-1935

Kazimir Severinovich Malevich foi um pintor abstrato russo de ascendência polaca-ucraniano. Fez parte da vanguarda russa e foi o mentor do movimento conhecido como Suprematismo.

Em 1904 mudou-se para Moscovo, onde estudou na Escola de Pintura, Escultura e Arquitectura de 1904 a 1910 e no estúdio de Fedor Rerberg, em Moscovo. Foi um período de muitas descobertas para o jovem artista, onde, nomeadamente conheceu o impressionismo, o cubismo e o fovismo.

Ao lado de Kandinsky e Mondrian, Malevich é um dos inventores e teóricos da arte não figurativa. Como fundador do Suprematismo, levou o abstracionismo geométrico à sua forma mais simples, sendo o primeiro artista a usar elementos geométricos abstratos. É por sua concepção da relação entre arte pura e arte aplicada que Malevich entra em conflito com os construtivistas.

De 1919 a 1922 o artista viveu e trabalhou em Vitebsk, como professor. Fundou o grupo UNOVIS (afirmadores da nova arte) constituído por alguns dos seus alunos. Nessa época escreveu a maior parte dos seus textos filosóficos e teóricos. A partir de 1923, o artista viveu em Petrogrado, continuando a ensinar. Por volta de 1925, começa a construir os architectons, composições suprematistas espaciais. Em 1927, Malevich expôs suas obras pela primeira vez em Berlim e retornou à arte figurativa. Deixou na Alemanha 70 quadros e um manuscrito “O suprematismo ou o mundo sem objeto”, publicado pela Bauhaus.

Em 1929, foi acusado pelo governo soviético de “subjectivismo” e nos anos que se seguiram foi continuamente atacado pela imprensa. Perdeu suas funções oficiais e chegou a ser preso e torturado. Morreu abandonado e na pobreza, em São Petersburgo, em 1935. Apesar de ter recebido funerais oficiais, a condenação de sua obra e do suprematismo foi seguida de um esquecimento de décadas. O reconhecimento do artista só ocorreu a partir dos anos 1970. Desde então, numerosas retrospectivas pelo mundo consagraram Kazimir Malevitch com um mestre da arte abstrata.

(Wikipédia)


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorStreet art em Sampa
Próximo artigoStreet art em Sampa
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -