Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Outubro 26, 2021

O Nosso Banco

Rui Amaral
Gestor de Empresas

Rui AmaralA primeira é uma não questão.

Qualquer banco, privado ou público, tem que cumprir com as regras do sector bancário que o obriga a manter determinados rácios. As regras são apertadas porque um banco apresenta, quase sempre, um risco sistémico enorme caso o seu negócio não ande bem.

O caso BPN que, por desleixo e incompetência do regulador e má gestão dos representantes da CGD, se deixou andar até mais não poder ficando o Zé povinho para pagar a conta.

O maior responsável, a nível do regulador, foi “promovido” para o BCE alegando que nada sabia. Era certamente o único português que não tinha percebido o que se passava no BPN.

O responsável pela gestão foi para Madrid re-estruturar a CGD — o resultado está à vista.

O accionista da CGD é, e bem, o Estado que está obrigado a cumprir as mesmas regras e leis que qualquer accionista privado. Está obrigado a aumentar o capital.

A Europa pode-nos obrigar a desrespeitar a lei? Não parece.

O Dr. João Salgueiro foi claro nas suas declarações públicas. O adiar da situação só serve para deteriorar a situação da CGD.

Portugal responsabilizará a Comissão Europeia pelos prejuízos?

Passos Coelho diria amén e António Costa, claramente mais defensor dos nossos interesses, não tem tido vontade ou capacidade para o fazer.

A segunda questão é a da administração do Banco Público.

Segundo o Ministro das Finanças os ordenados serão alinhados pelo mercado e o número de administradores aproxima-se do que existe na banca privada.

Embora pareça pacífico o alinhamento salarial dos colaboradores da CGD podia ocorrer em Janeiro que é quando se procedem a estes alinhamentos.

Já o ordenado dos administradores está sujeito às regras do respectivo mercado a menos que não se queira recrutar alguém competente.

As questões que se colocam são:

Qual o modelo de governação adequado à CGD?

Assente este, quantos administradores são necessários e com que competências.

Relativamente aos administradores executivos, salvo erro em numero de sete, parece adequado. Não suscita qualquer dúvida a escolha do Presidente e a liberdade de constituir a sua equipa.

António Domingues é um gestor competente, experiente e com provas dadas.

Quanto aos não executivos há que saber qual é a sua missão? Que perfis e competências são necessárias? Quantos serão precisos.

Estas são as matérias que é importante discutir e não se são 16, 12 ou 6.

Dos poucos nomes vindos a publico pergunta-se: que experiência ou qualificações bancárias tem Leonor Beleza ou Pedro Norton? A entidade reguladora certificará esta escolha? Como o fez com Armando Vara, Carlos Santos Ferreira ou Francisco Bandeira? Recordo que o PSD questionou a idoneidade deste ultimo para re-estruturar a CGD em Espanha (que a par do BPN é um dos grandes buracos).

O que aqui está em causa não é a sua competência na área bancária.

cgd-2
Edifício Sede da Caixa Geral de Depósitos

A terceira questão prende-se com o inquérito Parlamentar.

A CGD foi um banco inovador em Portugal. Recordo que o actual funcionamento das agências (front office) foi introduzido em Portugal pela CGD. As máquinas da Olivetti para tratar cadernetas, primeiras a nível mundial, foram desenvolvidas segundo um projecto da CGD.

As administrações da CGD foram, no passado, compostas por grandes profissionais e conhecedores do negócio bancário.

Depois vieram as nomeações políticas, os objectivos do bloco central e a utilização da Caixa para resolver o caso dos políticos desempregados.

António Guterres “estacionou” na CGD. Para fazer o quê? Nada!

A lista é grande.

Armando Vara e Santos Ferreira certamente para protagonizarem o assalto ao BCP que é uma história ainda por contar.

Faça-se o inquérito a apure-se a verdade. Quanto mais não seja para eliminar as suspeitas que todos temos.

No entanto, há que o fazer de forma a não prejudicar a CGD. A proposta do PSD é desastrada, inoportuna e não tem em conta o interesse nacional. Não vai permitir apurar responsabilidades nem punir os eventuais culpados. Nenhum dos inquéritos parlamentares o fez.

Faça-se uma auditoria forense que integre os reguladores, o Ministério Público e empresas de auditoria que não tenham nem venham a ter interesses na CGD. E, terminada a auditoria forense, informe-se o público das conclusões.

Só assim teremos acesso aos factos, não distorcidos por questões partidárias, e se poderá punir quem tiver de ser punido.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -