Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Julho 22, 2024

O Ocidente e Xi

Paulo Casaca, em Bruxelas
Paulo Casaca, em Bruxelas
Foi deputado no Parlamento Europeu de 1999 a 2009, na Assembleia da República em 1992-1993 e na Assembleia Regional dos Açores em 1990-1991. Foi professor convidado no ISEG 1995-1996, bem como no ISCAL. É autor de alguns livros em economia e relações internacionais.

 O sul da Ásia fora de perspectiva

A obra-prima de Pierre Ryckmans (sob o pseudónimo literário de Simon Leys), originalmente escrita em francês (1971) sob o título ‘As roupas novas do Presidente Mao’ (a edição inglesa não referiu especificamente o nome de Mao) foi amplamente desprezada pela intelligentsia francesa na academia, imprensa e política quando da publicação. Fundamentalmente isso deveu-se à contradição da obra com a política ocidental dominante da época – idêntica nos EUA sob a direcção do Secretário de Estado Kissinger e em França sob a direcção do Presidente D’Estaing – de elogiar o comunismo da China em desfavor do paradigma soviético (A cadeia pública de radio ‘France Culture’ dedicou um excelente programa ao tema pouco depois da morte do autor em Dezembro de 2014, disponível aqui.

É por isso que a descrição mais bem documentada e pesquisada da Revolução Cultural Chinesa disponível no Ocidente fez com que o seu autor, Pierre Ryckmans, fosse ostracizado em França e fosse ‘exilado’ para Camberra, na Austrália onde viria a falecer. (France Culture, 2014).

Meio século depois, a situação é diferente. A coroação de Xi do Presidente como  governante vitalício no Congresso do Partido Comunista Chinês desta semana não é vista com a mesma boa vontade no Ocidente como foi a do Presidente Mao. Ao alterar a Constituição (e perseguir todos os rivais) para permitir a perpetuação do seu poder, o Presidente Xi arruinou as esperanças de uma transição democrática chinesa; organizando um genocídio contra os povos autóctones do Turquestão Oriental, ele mostrou a sua falta de respeito por princípios humanos; ameaçando Taiwan, desrespeitando os acordos anteriores em relação a Hong Kong e promovendo o expansionismo através do Mar do Sul da China e dos Himalaias, fez saber o quão perigoso é o seu governo para o mundo.

A imagem, no entanto, ainda está desfocada e leva os líderes ocidentais a algumas incoerências e mal-entendidos.  Durante as últimas duas décadas, a China tornou-se o principal Estado investidor do mundo, uma realidade para a qual o G-7 só recentemente acordou (Casaca, 2022-a).  A China tem, de resto mostrado grande capacidade para desafiar o Ocidente em numerosos domínios (BBC, 2022.07.28).

A abertura chinesa às forças de mercado, iniciada em 1978, foi invertida pela atual liderança chinesa – que se baseia cada vez mais em mecanismos de controlo humano por parte do Estado em nome da correção social e da pureza sanitária.  Como nos ensinou o exemplo soviético, com um papel cada vez menor das forças do mercado, a lógica da acumulação de capital não leva a lado nenhum. É isso que penso que acontecerá na China se continuar a seguir o presente rumo – o que, à luz da coroação de Xi esta semana, parece provável.

No âmbito geopolítico, a atenção do G-7 continua a ser dominada pela Rússia, após a sua invasão total da Ucrânia.  A tentativa de Putin de recriar a União Soviética está, no entanto, comprometida. O seu único trunfo credível, a ameaça nuclear, pode provocar muita destruição; no entanto, se for efetivamente utilizado, vai selar o colapso do seu projeto expansionista. A China tem sido um aliado fiável da Rússia na medida em que a sua agressão centra as atenções e as energias ocidentais, mas dificilmente pode ser vista como um parceiro no sentido convencional da palavra. A China ocupa alegremente o espaço deixado vazio na Ásia Central pelo colapso diplomático da Rússia (Casaca, 2002-b). Apresenta-se em oposição ao regime de sanções russas, mas adapta  essa oposição aos seus próprios interesses (Chimits e Hmaidi, 2022.08.20) – a China não corre o risco de se opor sem rodeios aos mecanismos básicos da ordem internacional; em vez disso, investe com sucesso na conquista das instituições internacionais por dentro.  Em contraste com a ampla condenação da Rússia pelos seus abusos em matéria de direitos humanos, a China obteve recentemente impunidade no seu genocídio no Turquestão Oriental (BBC, 2022.10.07).

A agressão da Rússia é, portanto, a preocupação urgente dos dias de hoje, mas não deve esconder o desafio estratégico colocado por uma potência totalitária e expansionista que provou ser capaz de ser bem-sucedida em vários domínios – certamente melhor sucedida do que a Rússia. Os EUA – mais do que a Europa – têm vindo a compreender gradualmente esta realidade nos últimos quinze anos, o foco no Indo-Pacífico e a aliança com a Índia é um dos principais símbolos dessa crescente preocupação.

No entanto, no que diz respeito à expansão chinesa através dos Himalaias, e em particular à sua utilização do Paquistão como um ponto fulcral na sua ofensiva contra a Índia, os EUA assumem a posição oposta – e recentemente associaram-se à  China na montagem dos sistemas de radar e de caças aéreos paquistaneses para responder à mais recente aquisição da aviação francesa pela Índia (Wolf, Wolf, 2022).

A alegação dos EUA de que o objetivo é apoiar a suposta luta do Paquistão contra o terrorismo não pode ser levada a sério, uma vez que o contrário é, obviamente, o caso.  Na verdade, jatos fornecidos pelos EUA foram usados para cobrir a retaguarda das bases terroristas que atacam território indiano.

Este apoio dos EUA ao jihadismo no sul da Ásia – espelhado no domínio comercial pelo GSP+ da UE que escrutinámos em diferentes artigos anteriores – é irracional (Wolf, 2022). Com efeito, é impossível compreender se consideramos o processo de tomada de decisão como função dos interesses nacionais e globais. No entanto, torna-se mais claro se tivermos em devida consideração o poder dos lobbies inimigos profundamente infiltrados nas estruturas de poder ocidentais.

Num livro (Casaca, 2008) – complementado por vários artigos – mostrei como os EUA e os seus aliados mais próximos foram profundamente infiltrados  pelo jihadismo imperial iraniano, e como esta infiltração influenciou a decisão de invadir o  Iraque: um outro acto irracional à luz dos interesses nacionais e globais ocidentais.

Num artigo mais recente (SADF, 2011) mostrámos como o ‘Eu DisinfoLab’, um grupo de desinformação alimentado por motivações jihadistas, se infiltrou com sucesso tanto nos EUA como na UE, mascarando-se  de ‘anti-russo’ – numa operação orientada para destruir a aliança das democracias mundiais e promover a agressão jihadista; uma operação com impactos específicos tanto no Sul da Ásia como no Médio Oriente.

A principal ameaça estratégica à liberdade e aos valores humanos no mundo é improvável que saia do sucesso económico da lógica capitalista sob um sistema totalitário, mas sim da incapacidade daqueles que valorizam estes valores para os proteger eficazmente.

Uma avaliação racional e objetiva da situação e dos seus desafios, aliada a disposições eficazes contra os lobbies de desinformação, é sine qua non para que os poderes do G-7 trabalhem eficazmente na contenção de ameaças imperiais – no Indo-Pacífico, no Médio Oriente e noutras partes do mundo.

 

Versão portuguesa de um comentário em língua inglesa disponível aqui.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -