Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Maio 28, 2024

O que Marine Le Pen quer mudar na escola francesa?

São pouquíssimos os programas de financiamento da educação nos programas da Frente Nacional. As obsessões da extrema-direita continuam sendo, desde 1968, a doutrinação marxista, e o estímulo ao patriotismo e nacionalismo antiestrangeiros. Apesar disso, Le Pen começa a atrair professores e sindicalistas com seu discurso trabalhista.

por Ismail Ferhat, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Se a escola mudou profundamente desde os anos 1970, o discurso da Frente Nacional, agora Comício Nacional, sobre o assunto permanece bastante constante, como explica Ismail Ferhat, professor universitário de ciências da educação na Universidade Paris-Nanterre. O ponto em seis perguntas poucos dias antes do segundo turno das eleições presidenciais de 2022.


Que lugar a escola ocupa nos programas da Frente Nacional?

Ismaël Ferhat: A Frente Nacional se interessou pela questão escolar desde muito cedo. Desde seu primeiro programa, escrito em 1973 por Gérard Longuet, futuro funcionário público sênior, algumas páginas são dedicadas a ele. Se o assunto está presente – seria complicado um partido não falar de escola em um país como a França, que tradicionalmente investe politicamente na educação – ele representa apenas 2% a 5% dos programas da FN quando consideradas suas propostas a nível nacional (seja no âmbito das eleições presidenciais ou legislativas) que permanece marginal em seu discurso em relação a temas como imigração, segurança ou ruralidade.

A situação mudou hoje?

IF: Do ponto de vista quantitativo, as coisas mudaram pouco: a tomada do poder por Marine Le Pen não deu mais lugar à escola nos programas. Mas observamos uma virada simbólica na medida em que toda parte de seu livro programático Pour que vive la France, publicado em 2012, é dedicado à escola. Ela teoriza o fato de (mais) falar sobre esse assunto, em particular sobre escolas públicas apresentadas de forma mais positiva, o que é uma verdadeira novidade.

O que a Frente Nacional pensa da escola? Quais são seus principais objetivos educacionais?

IF: Em termos de programas, podemos distinguir três períodos. Durante os primeiros anos do partido, a Frente Nacional diferia da direita parlamentar em toda uma série de questões, mas não apresentava grandes diferenças com ela no que dizia respeito às escolas. Ela faz um discurso denunciando uma subversão do sistema educacional pela extrema esquerda, uma obsessão comum a grandes setores dos partidos de direita depois de maio de 1968.

A década de 1980 abriu um segundo período. Foi aqui que a Frente Nacional deu uma virada radical liberal. Importa o conceito de “vale-educação”, promovido por Reagan nos Estados Unidos, que consiste em pagar aos pais uma certa quantia no início do ano letivo para deixá-los escolher o estabelecimento de seu filho, público ou privado, considerando a educação como mercado escolar. A Frente Nacional é o único partido a defender tal ideia; à direita, nem a RPR nem a UDF – com exceção de alguns executivos, como Alain Madelin – nunca foram tão longe em seus programas.

Essa visão anda de mãos dadas com uma defesa absoluta da escola privada – a Frente Nacional também se manifestou em 1984 contra o projeto de lei Savary que visava mudar a relação entre a escola privada e o serviço público de ensino – e um discurso contra os sindicatos que doutrinariam a escola, onde os livros didáticos estariam infestados de doutrina marxista.

A obsessão pelo declínio da escola francesa surgiu na década de 1980 e se consolidou na década de 1990, quando Bruno Mégret adquiriu uma posição mais central. Promove-se assim uma visão orgânica da escola, elemento central da nação, cujo patrimônio estaria em perigo pela imigração extraeuropeia – caso dos véus de um colégio de Creil em 1989 sendo amplamente explorado.

Este ciclo termina com a realização da festa por Marine Le Pen, para dar lugar a um discurso mais favorável às escolas públicas que dispensa o “cheque da educação”.

Em que medidas concretas este programa se traduziria no terreno?

As medidas defendidas pela Frente Nacional e depois pelo Comício Nacional têm sido bastante estáveis ​​ao longo do tempo. Eles primeiro clamam, como nos lembra Jean-Michel Barreau, pela “restauração da autoridade” na sala de aula, argumentando que a escola funcionaria melhor se os professores fossem mais respeitados. Isso exige o estabelecimento do uniforme nas escolas públicas, o que nunca existiu na França. Então, a educação prioritária é vista como injusta – favoreceria os subúrbios e as minorias em benefício das áreas rurais em particular –, a reflexão se resume a apontar o papel das crianças imigrantes no declínio escolar e enfatizar algumas matérias (francês, história-geografia, etc.)

Se muitos alunos usavam blusas no passado, o uniforme nunca foi imposto na escola primária em nível nacional

A democratização da escola é vista como algo ruim, o que distingue radicalmente a FN, depois o CN, de todos os partidos políticos. Da direita gaullista à extrema esquerda, nenhuma outra organização política está defendendo uma queda no número de graduados ou estudantes. A abolição do colégio único não aparece mais no programa presidencial para 2022, o que pode ser visto como um elemento da atual lógica de demonização do Comício Nacional. Mas a seleção precoce de alunos, com orientação pós-CM2, permanece no centro de seu discurso.

O Comício Nacional está mais interessado hoje em um eleitorado docente considerado mais à esquerda?

Até os anos 2000, a Frente Nacional mantinha um discurso muito hostil aos professores, ou pelo menos aos seus sindicatos. Embora tradicionalmente bem estabelecida entre a polícia e os militares, a Frente Nacional não atraía os servidores públicos em geral. Mas em 2015, a situação mudou e o voto a seu favor experimentou um avanço entre os agentes do serviço público , até se tornar uma força do lado dos agentes das categorias B e C.


Surge, assim, uma nova questão eleitoral e a Frente Nacional inventa um papel de defensora do estatuto dos funcionários públicos e do seu poder de compra. A Frente Nacional, depois o Comício Nacional de Marine Le Pen, moveu-se então para um discurso menos divisivo em relação ao corpo docente. A defesa da escola privada desaparece de seu programa, o que é uma verdadeira revolução, pois o apoio aos estabelecimentos católicos tem sido tradicionalmente forte em grandes setores da extrema direita francesa.

Uma vitória do Comício Nacional marcaria o fim da escola republicana como a conhecemos?

IF: Embora haja continuidade nos temas que a Frente Nacional e depois o Comício Nacional apreendem em relação à escola, seus programas raramente são exaustivos: é difícil delinear com precisão a escola que seria implantada na medida em que apenas algumas disciplinas são superinvestidas. Entre as disciplinas principais, encontramos, como mencionado acima, a ênfase nas disciplinas “patrióticas”, história-geografia ou francês, a rejeição da inovação pedagógica (em particular na formação de professores), ou a questão da violência escolar. Por outro lado, nada é dito, por exemplo, sobre desigualdades pré-elementares ou socioeconômicas ou de gênero nos resultados escolares.

Se a escola mudou profundamente desde a década de 1970, a Frente Nacional permanece apegada aos seus fundamentos, atribuindo à escola três grandes funções: a de estabelecer uma seleção precoce de alunos, a maioria sem vocação para fazer longos estudos, a de gerar uma elite, a de formar patriotas. É uma continuidade notável, embora o sistema educacional francês tenha sido interrompido no mesmo período.


por Ismail Ferhat, Professor Universitário em Ciências da Educação, Universidade de Paris Nanterre – Universidade de Paris Lumières   |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -