Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Junho 16, 2024

Por que os discursos de derrota são (muitas vezes) bons discursos

Eles podem anunciar o ponto de partida de uma próxima campanha (como Marine Le Pen em 2017) ou ser um instrumento de mobilização levantando esperanças de um futuro melhor e da manutenção da luta militante.

por Julien Robin, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Com 58,5% dos votos, Emmanuel Macron venceu a eleição presidencial francesa contra Marine Le Pen. Esta última tomou a palavra pouco depois das 20h00 para aceitar a sua derrota mas também para fazer um discurso combativo. Destacando a pontuação mais alta já alcançada por seu campo político, ela anunciou que deseja continuar seu compromisso político, especialmente durante as próximas eleições legislativas. Seu discurso de derrota rapidamente se transformou em um discurso de lançamento de campanha, com o objetivo declarado de fazer da “corrente nacional a verdadeira oposição”.

Antes de Marine Le Pen, o discurso de Jean-Luc Mélenchon no final da primeira rodada também chamou a atenção. “Faça melhor, obrigado. Foi com emoção que o candidato da França rebelde fez seu discurso de derrota. Um discurso que se destacou pela sua qualidade e que ficará (talvez) na nossa memória política.

Para Mélenchon, essa derrota eleitoral teve quase o sabor de uma vitória política , a de disputar o segundo lugar com Marine Le Pen (com 421.420 votos) e de ter arrecadado o maior número de votos entre os candidatos de esquerda.

O candidato da União Popular sentiu então que “uma nova página da luta se abre” e desafiou a jovem geração militante a fazer melhor para as próximas eleições. Isso parecia, à primeira vista, pronto para assinar uma despedida política . Por fim, Jean-Luc Mélenchon anunciou alguns dias depois que agora ambicionava o cargo de primeiro-ministro nas eleições legislativas de junho próximo.

Discurso de Jean-Luc Mélenchon na noite dos resultados da primeira volta das eleições presidenciais

 

Marcadores e lugar das emoções na ciência política

Os relatos eleitorais destacam os discursos de vitória como marca do início do mandato do candidato eleito, onde ele encarna a função presidencial por meio dos símbolos e conteúdo da mensagem, como Emmanuel Macron em 2017 no Louvre.

Por outro lado, a derrota eleitoral é uma ferramenta analítica interessante para os políticos, destacando as emoções do candidato diante de uma provação real.

Então, por que discursos de derrota formam eventos políticos?

Observar a derrota política pela dimensão discursiva e emocional permite compreender o exercício retórico como uma avaliação pessoal e uma passagem de bastão onde marcará o fim de um período político.

A observação das emoções na política não é nova, pois desde a Antiguidade, Aristóteles (sobre a Retórica) ou Platão (na República) já refletiam sobre a necessidade de compreender a emoção para explorar a natureza humana e as capacidades políticas dos indivíduos.

As emoções ocupam todo um campo da ciência política que se divide em duas grandes categorias de análise. A primeira constitui a visão mais antiga da disciplina e explica que a emoção ancora comportamentos e atitudes. Ela está interessada na emoção como personalidade e os pesquisadores concentram seu trabalho em líderes políticos.

A segunda categoria de análise explora outra compreensão da resposta emocional. Em vez de acreditar que as emoções surgem de percepções cognitivas, elas podem ser explicadas por um processo mental distinto e independente. Esta análise sustenta que a percepção cognitiva surge separadamente das vias neurais emocionais que realizam a avaliação. Além disso, procura explicar por que os indivíduos reagem às circunstâncias contemporâneas imediatas que os cercam.

É com essa segunda abordagem que podemos entender por que os discursos políticos podem despertar emoções em seus públicos. De fato, uma reação contemporânea a uma situação política oferece uma visão de como os indivíduos entendem sua situação. Por exemplo, os cientistas políticos americanos Joanne Miller e Jon Krosnick fornecem evidências de que uma sensação de ameaça despertada pela antecipação de medidas políticas às quais se opõe pode motivar ações como engajamento militante ou doação. Essa abordagem faz parte de uma longa tradição da psicologia segundo a qual o afeto está intimamente ligado à memória, possibilitando recordar experiências passadas de acordo com sua valência emocional e sua importância estratégica.

A função do discurso político

O discurso político ocorre em um “palco político”, ou seja, no espaço público onde a expressão tem uma dimensão persuasiva. O linguista Patrick Charaudeau explica que esta cena “se caracteriza por um dispositivo que se coloca a serviço de uma aposta do poder” onde se situa a tensão entre uma autoridade política (o candidato) que tem vocação para “agir sobre o outro”, que quer dizer, na autoridade cívica (o eleitorado).

Para conseguir isso, o discurso político deve produzir um efeito emocional em seu público. Novamente, existem duas categorias de análise em ciência política: estudos sobre a análise do efeito de mensagens emocionais sobre os eleitores (a interferência do discurso nas decisões dos eleitores); e estudos observacionais da “persuasão emocional” dos candidatos (discurso como estrutura discursiva).

Por fim, acrescentemos a dimensão coletiva do discurso político, que se reforça durante o período eleitoral. O discurso tem uma função de representação e afirma o pertencimento partidário. Em um relatório duplo, o candidato deve ser visto como porta-voz de uma doutrina e portador de uma visão.

A conversa da derrota como um rito de passagem

Mas então, por que os discursos de derrota podem parecer bons discursos? A resposta pode estar no processo do rito de passagem e precisamente no rito de saída.

Primeiro há o contexto. Os candidatos chegam ao final da corrida, após uma intensa provação. Conduzir uma campanha presidencial é um exercício dispendioso física, humana e materialmente. Os candidatos são submetidos a inúmeras solicitações (entrevistas, debates, reuniões públicas) que levam ao estresse e ao cansaço. Ao mesmo tempo, são chamados a reduzir a manifestação de suas emoções (com o risco de serem desacreditados por seus adversários). Agora derrotados, os candidatos até agora encarnavam um projeto coletivo (o partido, o programa) agora assumem o fracasso eleitoral individualmente (como Lionel Jospin em 2002 ou Nicolas Sarkozy em 2012).

Discurso de Lionel Jospin após sua não qualificação no segundo turno da eleição presidencial de 2002

 

Depois, há a qualidade retórica e o registro linguístico. O sociólogo Michel Cattla analisou os discursos de derrota dos candidatos e mostra uma recorrência de palavras de benevolência, agradecimento ou mesmo portador de esperança para com os simpatizantes. Esses candidatos caídos se dirigem a si mesmos com “certa fala real […] sem desvio ou jargão emoções expostas”. A partir de agora, os candidatos não se dirigem mais a todo o eleitorado, mas aos seus eleitores, de forma mais pessoal e natural.

Por fim, o discurso da derrota constitui um marcador emocional único para a história política. Faz parte de um ritual político composto por símbolos (o único no palco, a plateia de ativistas, os longos aplausos) carregados de emoção. Os candidatos fazem um balanço de sua campanha e uma projeção pessoal e política. Eles podem anunciar o ponto de partida de uma próxima campanha (como Marine Le Pen em 2017) ou ser um instrumento de mobilização levantando esperanças de um futuro melhor e da manutenção da luta militante. Em resumo, não existe um formato específico, “esses discursos são únicos” para o Sr. Cattla.

Quando o discurso de derrota é acompanhado por um afastamento da vida política (como Lionel Jospin), o efeito do luto acentua a carga emocional. O candidato desaparece da nossa vida política, enquanto ocupava o espaço midiático, ainda mais em tempo de campanha. “Falta um único ser e tudo está despovoado” (Lamartine).


por Julien Robin, Doutorando em Ciência Política, Universidade de Montreal   |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -