Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Setembro 29, 2021

O suicídio de escravizados e a lenda do africano voador

Como um suicídio em massa de escravos fez com que a lenda do africano voador decolasse.

por Thomas Hallock, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Em maio de 1803, um grupo de escravos africanos da atual Nigéria, de ascendência Ebo ou Igbo, saltou de um navio de um mastro para Dunbar Creek, próximo à Ilha de St. Simons, na Geórgia. Um agente escravista concluiu que os africanos se afogaram e morreram em um aparente suicídio em massa. Mas as tradições orais continuariam afirmando que os Eboes voaram ou caminharam sobre as águas de volta à África.

Por gerações, os residentes da ilha, conhecidos como o povo Gullah-Geechee, contaram a história. Quando os folcloristas chegaram na década de 1930, o desembarque igbo e a história do africano voador assumiram um lugar mitológico na cultura afro-americana.

Embora o local não tenha placa de bronze e permaneça sem marcas nos mapas turísticos, ele se tornou um símbolo do legado traumatizante da escravidão transatlântica. Poetas, artistas, cineastas, músicos de jazz, griots, romancistas como Toni Morrison e estrelas pop como Beyoncé contaram versões da história.

Freqüentemente, eles mudam os detalhes da história para refletir diferentes épocas e lugares. No entanto, o cerne da história original, de anseio por liberdade, bate em cada uma dessas versões. As histórias continuam a ressoar porque esses anseios – sejam eles do porão de um saveiro ou dos confins de uma cela de prisão – continuam tão intensos hoje.

 

Obtendo a história

Como um acadêmico formado em história literária, sempre procuro as razões por trás das origens de uma história e como as histórias viajam ou mudam com o tempo. Variações do mito africano voador foram registradas do Arkansas ao Canadá, Cuba e Brasil.

No entanto, mesmo com as muitas versões atravessando a diáspora negra, a lenda se aglutinou em um único lugar: São Simons. Uma entrada na Enciclopédia da Geórgia faz uma correlação direta entre o suicídio em massa da rebelião de 1803 e a tradição folclórica literária posterior.

Porque? Um dos motivos é geográfico.

St. Simons, parte do arquipélago que se estende da Flórida à Carolina do Norte, há muito permaneceu separado do continente dos Estados Unidos. Esse isolamento permitiu que os costumes africanos sobrevivessem, onde em outros lugares eles foram assimilados ou desapareceram. A historiadora Melissa L. Cooper descreve o povo Gullah-Geechee como conservadores culturais, incumbidos na cultura popular dos deveres de preservação.

Um adesivo celebrando a herança Geechee é visto em uma caminhonete enquanto os passageiros embarcam em uma balsa. Os Gullah-Geechee são descendentes de pessoas escravizadas que residem na costa sudeste dos EUA.

O acaso também desempenhou um papel importante no cenário da história. Quando uma ponte de Brunswick para St. Simons foi construída em 1924, os folcloristas literalmente seguiram uma rota pavimentada para o passado. Durante o New Deal, a Works Project Administration financiou um projeto de história oral que envolvia entrevistar pessoas anteriormente escravizadas, e a história do africano voador foi gravada em “Drums and Shadows” , o volume clássico que publicou entrevistas do projeto.

O entrevistador da One Works Project Administration gravou o contador de histórias de St. Simons, Floyd White, perguntando: “Heahd about Ibo’s Landing. Das duh place Weah dey traz duh Ibos obuh em um navio slabe. ”

Eles “staht singing and de mahch right down in duh ribbuh” [“ficam cantando e marcham direto pra baixo do barco”] – Dunbar Creek – e “mahch back tuh Africa” [“marcham de volta à África”]. Mas eles nunca chegam em casa, acrescenta White: “Dey gits drown.” [“Os idiotas se afogam”].

Floyd White é uma fonte-chave sobre o africano voador, embora, como sugere a transcrição escrita de sua entrevista, as perguntas permanecem. Os Ebos, segundo ele, andam, em vez de voar, pela água. White admite que não acredita pessoalmente no mito; ele diz que eles se afogaram.

 

As histórias mudam, a música continua a mesma

O africano voador, apesar de uma genealogia enraizada em St. Simons, não tem um único ponto de origem. Um presente mutante continua a reescrever o passado. Essas diferenças entre as versões apenas sublinham a força do núcleo central do mito.

Veja como a música é usada. Em quase todos os relatos do desembarque igbo, os africanos cantam antes de voar. Eles cantam em um dialeto de Bantu, uma das 500 línguas da África: “Kum buba yali kum buba tambe, / Kum kunka yalki kum kunka tambe.” Essas palavras não têm uma tradução direta; as palavras, com mais frequência, são descritas como secretas, mágicas ou perdidas.

Mas desde 1960, em muitas versões, o Bantu foi atualizado para o hino “Oh Freedom”, um hino gravado pela primeira vez após a Guerra Civil e mais tarde popularizado durante o movimento pelos direitos civis.

A contadora de histórias Tia Zya reconta a lenda de Igbo Landing em um post no YouTube. Para tornar a história mais relevante para as crianças de hoje, ela começa o conhecido refrão: “E antes de ser uma escrava”, usando o hino para fazer a ponte entre o mito e uma longa luta pelos direitos civis.

E também há o romance “Canção de Salomão” de Toni Morrison, cujo próprio título liga música e vôo. Na história, o personagem principal do romance, Milkman Dead, junta letras misteriosas para recuperar um passado oculto. Depois de entender a música, ele salta de um penhasco da Virgínia e voa para longe. Ou é suicídio? O final é notoriamente ambíguo.

 

Cura através do vôo

Como todos os mitos poderosos, Igbo Landing e o africano voador transcendem as fronteiras de tempo e espaço.

A cineasta experimental Sophia Nahli Allison percebe as memórias de Dunbar Creek como um “mapa ancestral”. Em uma narrativa poética, ela apresenta uma montagem de dança, ela reflete: “Os sonhos são realidade, o tempo é relativo e o passado, o presente e o futuro estão se fundindo”. Allison sugere que a continuidade intergeracional do mito a nutre, sustentando sua voz durante séculos de violência.

A autora infantil Virginia Hamilton, da mesma forma, oferece o africano voador como um roteiro de cura. Sua história mais famosa, “The People Could Fly” (As pessoas poderiam voar), aborda o difícil assunto da Passagem do Meio, a etapa do comércio de escravos em que africanos, fortemente embalados em navios negreiros, eram transportados através do Oceano Atlântico.

Hamilton explica por que alguns africanos tiveram que deixar suas asas para trás quando forçados a ir para a América. “Eles não podiam cruzar as águas com as asas nos navios negreiros”, escreve ela. “Muito lotado, você não sabe.”

Como uma cultura consegue essas asas de volta?

Igbo Landing e o africano voador

Onde alguns contadores de histórias se demoram em imagens assustadoras, como as correntes ainda ouvidas em Dunbar Creek, artistas como Morrison, Allison e Hamilton olham para frente. Suas histórias estabelecem as bases para a recuperação.

Hamilton apresenta “The People Could Fly” como uma forma direta de esperança. Em um prefácio à sua coleção desse título, ela explica como contos “criados a partir da tristeza” levam a América negra adiante. Ela lembra aos leitores: “Mantenha perto de tudo o que foi bom e que continua cheio de promessas”. Um passado doloroso deve ser convocado para ser redimido.

Igbo Landing ilustrou nitidamente, em 1803, como a escolha entre a escravidão e a morte não era uma escolha. A escravidão, escreveu o sociólogo Orlando Patterson, também era morte social.

Mas é importante lembrar que a alegria funciona também como uma forma de descolonização. A música percorre todas as versões da lenda africana voadora. Palavras mágicas impulsionam os pesquisadores de campo para o céu, “Kum yali kum buba tambe”. Na música, nosso espírito se eleva.

E quem entre nós não sonha em voar?


por Thomas Hallock, Professor de inglês na Universidade do Sul da Florida   |   Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -