Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Janeiro 18, 2022

Obscenidades

José Pacheco
Educador e aprendiz de utopias.

Os pais dos alunos optaram pelo ensino doméstico, o agrupamento de escolas deu luz verde ao processo e as crianças foram acompanhadas por duas professoras.

Porém, no primeiro dia de aulas do ano lectivo seguinte, os pais foram informados de que o ministério não reconhecia a avaliação positiva aos alunos, atribuída pelas docentes.

O ministério considerava ilegal a situação dos alunos, enquanto a Comissão de Protecção de Crianças afirmava que o alegado “abandono escolar” não fora provado.

Os pais dos alunos pediram nova transferência dos seus filhos para o ensino doméstico, pedido que, garantem, foi aceite. E, enquanto o caso não se resolve, uma escola recém-inaugurada e que custou cem mil euros, está fechada.

As crianças são transportadas para a sede do município, que dista trinta quilómetros de Monsanto. São duas viagens diárias impostas por burocratas, que “acham” que as crianças devem estar fechadas no interior de um edifício a que chamam escola, numa sala de aula com x metros quadrados de área, durante x número de horas em x dias ditos lectivos.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

In fraudem legis

Crise avança com Bolsonaro

Clube Bilderberg

Titãs cantam: “Comida”

- Publicidade -