Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Junho 14, 2024

Observadora norueguesa expulsa do Sahara Ocidental

Isabel Lourenço
Isabel Lourenço
Observadora Internacional e colaboradora de porunsaharalibre.org

A Sra. Tone Sørfonn Moe, observadora norueguesa foi expulsa ontem às 12h50, hora local de El Aaiun, capital do território não-autónomo do Sahara Ocidental pelas autoridades marroquinas.Tone é uma estudante de direito norueguesa e foi observadora internacional no julgamento Gdeim Izik, realizado no tribunal de recurso em Salé, Marrocos entre 2016/2017, e é credenciada pela Fundación Sahara Occidental, uma organização que monitoriza os Direitos Humanos e a situação dos prisioneiros políticos saharauis. Tone deveria observar um processo judicial contra um grupo de prisioneiros políticos em Marraquexe em 12 de Dezembro, que foi adiado.

Ela viajou de Agadir para El Aaiún, capital do Sahara Ocidental, no domingo passado, 10 de Dezembro.

Às 12h50 de ontem a Sra. Moe enviou o seguinte texto:

De acordo com a polícia, os observadores internacionais não são bem-vindos. De acordo com a polícia, não cheguei de forma legal. Expliquei ao agente civil que cheguei a El Aaiun de táxi de Agadir, e que sou observadora internacional. Fui abordado no meu hotel por cerca de 20 a 25 policiais não uniformizados. 10 desses agentes à civil estavam a filmar-me e  a tirar fotografias.

Como afirmei, sou uma observadora internacional que trabalha com prisioneiros políticos. Não recebi uma decisão por escrito ou mais informações por parte das autoridades apesar da minha insistência.

Perguntei se poderia ter uma reunião com um oficial da MINURSO antes de sair do território, mas não foi permitido, uma vez que não sou bem-vinda.”

Tone pretendia contactar activistas de direitos humanos do Sahara Ocidental. Ela também pretendia encontrar as famílias dos prisioneiros de Gdeim Izik, o que fez até sua expulsão. A situação dos prisioneiros Gdeim Izik é perturbadora – vários deles estão em greve de fome e sofrem sob tortura e tratamento desumano. Estes defensores dos direitos humanos estão detidos arbitrariamente há mais de 7 anos.

A Sra. Moe está já no táxi a caminho de Agadir. Ela foi informada de que os observadores internacionais não são bem-vindos devido a “razões de segurança”. Ela foi expulsa sem uma razão adequada, já que os policias marroquinos se recusaram a explicar o que “razões de segurança “implicam.

Tone disse ao telefone que:

A expulsão impediu-me de continuar a encontrar-me com os activistas dos direitos humanos e de investigar se as violações dos direitos humanos fazem parte da vida quotidiana dos activistas saharauis de direitos humanos.

Eu acho estranho que Marrocos, que em várias ocasiões alegou que a situação dos direitos humanos no território não autónomo do Sahara Ocidental não precisa ser monitorizada pela MINURSO, força de paz da ONU, porque não há violação dos direitos humanos no Sahara Ocidental, sentem a necessidade de expulsar observadores internacionais.

Se a declaração de Marrocos representasse a realidade, não deviam ter nada a esconder.”

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -