Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Novembro 27, 2021

OMS alerta para mais 700.000 mortes por covid na Europa até março

A agência de saúde da ONU projeta que as mortes de covid na Europa ultrapassarão os dois milhões até março, enquanto o continente vê um aumento nas infecções.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou que a Europa continua “sob controle firme” da pandemia do coronavírus e que o número de mortes no continente pode chegar a 2,2 milhões neste inverno, se as tendências atuais continuarem.

Outros 700 mil europeus podem morrer até 1º de março, informou a OMS na terça-feira, além dos 1,5 milhão que já sucumbiram ao vírus.

Ela espera “estresse alto ou extremo em unidades de terapia intensiva (UTI) em 49 dos 53 países entre agora e 1º de março de 2022”.

O retorno da Europa como epicentro da pandemia foi atribuído à lenta absorção da vacina em alguns países, à variante Delta, altamente contagiosa, ao clima mais frio levando as pessoas para dentro de casa novamente e à redução das restrições.

O aumento fez a Áustria retornar ao lockdown esta semana, enquanto a Alemanha e a Holanda estão prestes a anunciar novas restrições.

Na União Europeia, 67,7% da população está totalmente vacinada.

Mas as taxas variam amplamente entre os países, com níveis baixos em muitos países orientais. Apenas 24,2 por cento dos búlgaros estão totalmente vacinados, em comparação com 86,7 por cento em Portugal.

De acordo com dados da OMS, as mortes relacionadas à covid em sua região europeia de 53 países aumentaram na semana passada para quase 4.200 por dia, dobrando de 2.100 mortes por dia no final de setembro.

Ela disse que as evidências de que a proteção induzida pela vacina contra infecções e doenças leves estão diminuindo.

Vários países, incluindo Grécia, França e Alemanha, estão exigindo uma terceira injeção para que alguém seja considerado totalmente vacinado.

A Áustria, por sua vez, fechou lojas, restaurantes e mercados festivos na segunda-feira, as restrições mais drásticas vistas na Europa Ocidental em meses.

A chanceler Angela Merkel advertiu que a Alemanha não está fazendo o suficiente para conter sua “altamente dramática” quarta onda da pandemia.

Com leitos de terapia intensiva enchendo rapidamente e sua taxa de incidência semanal em um recorde histórico de 399,8 novas infecções por 100.000 pessoas, as regiões mais afetadas da Alemanha ordenaram novos fechamentos, incluindo o fechamento de mercados de Natal.

O país já ultrapassou o marco dos cinco milhões de casos desde o início da pandemia. Nos próximos dois dias potencialmente a Alemanha vai superar as 100.000 pessoas mortas pela doença. O número de mortes por covid no país atualmente é de pouco menos de 99.000, mas com 300 pessoas morrendo todos os dias de covid.

‘Inverno desafiador à frente’

A OMS disse que um grande número de pessoas não vacinadas, bem como a “redução da proteção induzida pela vacina”, estão entre os fatores que alimentam a alta transmissão na Europa, juntamente com o domínio da variante Delta e o relaxamento das medidas de higiene.

O diretor regional da OMS para a Europa, Hans Kluge, disse que a Europa e a Ásia Central “enfrentam um inverno desafiador pela frente”.

Ele pediu uma abordagem “vacina plus”, que consiste em uma combinação de vacinações, distanciamento social, uso de máscaras faciais e lavagem das mãos.

A OMS disse que as máscaras reduzem a incidência de covid em 53%, de acordo com um estudo recente, e “mais de 160.000 mortes poderiam ser evitadas (até 1º de março) se a cobertura universal da máscara de 95% fosse alcançada”.

Mas a perspectiva de um inverno com novas restrições gerou inquietação em vários países.

Bélgica, Holanda e França, nas ilhas caribenhas de Guadalupe e Martinica, ainda estavam sofrendo na terça-feira com os violentos protestos contra as novas medidas anti-covid.

A polícia holandesa prendeu pelo menos 21 pessoas durante a quarta noite de confrontos, que o primeiro-ministro Mark Rutte rotulou de “violência pura” por “idiotas”.

O número de infecções por coronavírus holandeses atingiu um novo recorde semanal na terça-feira, subindo 39 por cento, enquanto as internações em hospitais e unidades de terapia intensiva também aumentaram drasticamente, levando o governo a tornar o distanciamento social obrigatório novamente para todos os adultos.

O governo holandês também introduziu legislação que abriria o caminho para restringir o acesso de pessoas não vacinadas a locais fechados como bares, restaurantes e museus se as infecções continuarem aumentando. O projeto deve ser debatido no parlamento na próxima semana.

O fato surpreendente é que 84% das pessoas na Holanda estão vacinadas.


por Cezar Xavier  |  Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -