Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Dezembro 8, 2021

Os candidatos ‘preferidos’ das televisões

Os candidatos 'preferidos' das televisões

O reinado de Cavaco Silva na presidência está no fim e não faltam candidatos a quererem ocupar o seu lugar em Belém.

As presidenciais são eleições unipessoais, as únicas em que, teoricamente, os partidos políticos não põem a mão na massa. Mas, na prática, as coisas não são bem assim, uma vez que, na maior parte dos casos, apoiam declaradamente um candidato, o qual acaba por ser visto pelo eleitorado, de alguma forma, como uma extensão do próprio partido. Para os promoverem, usam a sua máquina, os seus militantes e simpatizantes e, sobretudo, os seus meios financeiros.

Também há a percepção empírica de que a comunicação social dá aos candidatos um tratamento mais ou menos proporcional ao que daria aos partidos que os apoiam. Para tentar perceber se esta é uma ideia que tem correspondência prática, passámos a última semana a ver os principais blocos informativos das televisões generalistas – que, juntos, atingem praticamente três milhões de portugueses – para verificar qual a cobertura que fazem das acções dos potenciais sucessores de Cavaco.

Televisões com pouco interesse por Henrique Neto e Paulo Morais

O Telejornal, da RTP, emitiu pequenas reportagens ao longo de cinco noites. Todos os sete candidatos tiveram direito a aparecer nos ecrãs da televisão pública, embora com diferentes destaques. A que teve mais tempo de antena foi Marisa Matias, que consumiu um total de 3 minutos e 48 segundos, tendo surgido no Telejornal durante quatro emissões. Igual número de aparições teve Marcelo Rebelo de Sousa, mas contou com um tempo ligeiramente inferior: 2m.54.

Sampaio da Nóvoa (2’53”), Maria de Belém (1’59”) e Edgar Silva (1’26”) passaram pelo Telejornal ao longo de três noites. Henrique Neto (1’07”) apareceu em duas e Paulo Morais (1’45”) apenas teve direito a uma presença. E, neste caso, porque a RTP tem vindo a fazer entrevistas aos candidatos, no seu canal por cabo, colocando no Telejornal do dia seguinte uma pequena reportagem. Nesta semana, as entrevistas couberam a Marisa Matias e Paulo Morais.

No total, o principal serviço informativo da RTP dedicou, ao longo da semana analisada, 15’52” aos candidatos presidenciais.

O que teve mais espaço disponível no Jornal das 8, da TVI, foi Marcelo Rebelo de Sousa, com 2’16”, e presença em três edições diferentes. Sampaio da Nóvoa andou lá muito perto no tempo total (2’13”) e até teve direito a mais presenças (esteve em quatro edições). Maria de Belém (2’03”) e Marisa Matias (1’31”) apareceram no Jornal das 8 em três noites e Edgar Silva (53”) em duas. Henrique Neto (com uns fugazes 13”), passou apenas uma vez e Paulo Morais ficou de fora.

Ainda mais selectiva tem sido a cobertura noticiosa dos candidatos pelo Jornal da Noite, da SIC. As atenções têm estado concentradas em Marisa Matias (1’41”, em quatro edições), Marcelo Rebelo de Sousa (1’20”, em 3), Sampaio da Nóvoa (1’19”, em 4) e Maria de Belém (51”, em duas noites). Pelo menos ao longo da semana analisada, Henrique Neto e Paulo Morais não entraram nas contas do Jornal da Noite.

Mourinho vale mais do que os candidatos

Um dos dados algo surpreendentes, tendo em conta a importância destas eleições, é o pouco tempo disponibilizado por estes espaços informativos à cobertura da pré-campanha. No total, ao longo de sete dias, apenas dedicaram aos candidatos 31 minutos. Para ter um termo de comparação, por exemplo, a SIC, só na Quinta-feira, deu mais tempo ao despedimento de José Mourinho do Chelsea (7’15”) do que à cobertura informativa de todos os candidatos ao longo da semana (5’56”).

Provavelmente, como forma de compensação, aquela estação emitiu, também na Quinta-feira, em pleno Jornal da Noite, uma grande reportagem de 43 minutos e meio relacionada com as presidenciais que, no entanto, apenas teve como protagonistas três dos candidatos: Marcelo Rebelo de Sousa, Maria de Belém e Sampaio da Nóvoa. A justificação para esta opção tinha sido previamente dada no spot promocional, em que se referia que são estes os candidatos a que as sondagens atribuem maiores probabilidades de chegarem a Belém.

No total dos espaços informativos principais das três televisões, pode concluir-se que Marisa Matias (7′:00” e 11 presenças), Marcelo Rebelo de Sousa (6’30” e 10 aparições) e Sampaio da Nóvoa (6’25”, 11 presenças) tiveram vantagem em relação a Maria de Belém (4’53”  em 8), Edgar Silva (3’04”  em 7), Henrique Neto (1’20” em 3) e Paulo Morais (1’45” em apenas 1).

No entanto, se incluirmos na contabilidade a reportagem da SIC – que teve a ver com o perfil dos três candidatos mencionados e não propriamente com as suas acções de pré-campanha – no pódio ficam Marcelo Rebelo de Sousa, Sampaio da Nóvoa e Maria de Belém. Depois, aparece destacada Marisa Matias, com mais do dobro do tempo de Edgar Silva. Todos estes candidatos contam, como se sabe, com fortes apoios junto dos principais partidos políticos. O único que, oficialmente, se colocou à margem foi o PS, mas a maior parte das suas figuras principais têm andado activamente a fazer campanha por Maria de Belém ou Sampaio da Nóvoa.

Praticamente sem expressão nos principais espaços informativos das televisões generalistas ficaram os candidatos Paulo Morais e Henrique Neto, que são outsiders e não têm apoios partidários, uma situação que, aparentemente, tem consequências negativas ao nível da cobertura feita das suas acções de pré-campanha, por parte dos grandes meios de comunicação nacionais.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -