Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Setembro 27, 2021

Os Estados Unidos e a América Latina após o “11 de setembro”

A América Latina é a única região do globo onde há um questionamento generalizado da política imperial e econômica da Casa Branca.

Até 2001 na América Latina, a data de 11 de setembro esteve associada ao golpe contra Salvador Allende em 1973. Sua imagem com capacete e metralhadora, os aviões que bombardeavam o Palácio de la Moneda e a foto do general Augusto Pinochet, cruzado da braços, com óculos escuros e desafiando o mundo a impor o terror, estavam gravados na memória coletiva. Até hoje. No entanto, há vinte anos, em 11 de setembro, os Estados Unidos sofreram uma série de ataques terroristas que chocaram o mundo por sua magnitude. A primeira potência mundial foi atacada no coração de Nova York.

Em menos de um mês, os Estados Unidos invadiram o Afeganistão para derrubar o Taleban e em 2003 suas tropas entraram em Bagdá para derrubar Saddam Hussein.

Na época, muitos avaliaram que havia uma virada na política externa dos Estados Unidos e que a Casa Branca voltaria todas as suas atenções para o mundo árabe e islâmico. De forma superficial e sob a pressão da conjuntura das invasões do Afeganistão e do Iraque, inúmeros artigos foram escritos assegurando que a América Latina se tornava secundária e / ou marginal no interesse dos Estados Unidos. Como argumenta a brasileira Lívia Peres Milani – em extenso e aprofundado estudo – repetia-se nauseante que os Estados Unidos haviam negligenciado e até abandonado a América Latina por se concentrar no Oriente Médio e deixar de lado o interesse pela região . Depois de analisar vários autores e estudos que apoiaram esta posição e contrastá-la com os fatos.

28 anos separam o bombardeio ao Palácio La Moneda, no Chile, e atentado à Torres Gêmeas, nos Estados Unidos, ocorridos no dia 11 de setembro

Um olhar menos superficial sobre a política externa de Washington permitiu-nos ver então – e agora – que os Estados Unidos podiam travar duas guerras simultaneamente na Ásia sem descurar os seus interesses no seu “quintal”, de acordo com a sua famosa “doutrina Monroe”. Na verdade, enquanto os Estados Unidos bombardeavam o Afeganistão em 2001, o Departamento de Estado interveio ativamente nas eleições presidenciais de 4 de novembro na Nicarágua para impedir a vitória de Daniel Ortega. Ao mesmo tempo, avançava com o projeto da ALCA (Área de Livre Comércio das Américas), continuava com o bloqueio a Cuba e investia milhões de dólares no “Plano Colômbia” desenhado em Washington. Em abril de 2002, um golpe liderado por civis e militares derrubou Hugo Chávez na Venezuela. A grande mídia – como o New York Times e o Washington Post – que saudou o golpe relatou as numerosas visitas de membros da oposição à embaixada em Caracas na esperança de obter ajuda para derrubar Chávez. Não há dúvida de que o golpista Pedro Carmona – que durou tanto quanto um galo canta – teve o apoio dos Estados Unidos. No mesmo ano, antes das eleições gerais na Bolívia, o embaixador Manuel Rocha convocou abertamente o voto contra Evo Morales sob pena de suspender toda a ajuda econômica e fechar os mercados à Bolívia. Em 2004, o presidente do Haiti foi derrubado por um golpe de Estado e o New York Times revelou a trama, afirmando que tinha sido resultado de uma “pressão aberta do governo Bush para permitir que eles removessem um líder de quem não gostavam e de quem ele desconfiava ”. O ex-embaixador dos Estados Unidos em El Salvador e Paraguai, Roger White, assegurou publicamente que Roger Noriega – funcionário que ocupou vários cargos importantes relacionados à América Latina – dedicou anos à tarefa de derrubar Aristide.

Embora essas intervenções não tenham a marca das do século XX, quando os fuzileiros navais foram enviados diretamente para derrubar um governo e ocupar um território, o famoso Comando Sul (SOUTHCOM) não parou de patrulhar as costas da América Latina e do Caribe. A história mostra que os Estados Unidos nunca abandona seus projetos de influência na América Latina, considerada sua área “natural” de influência. Nesse sentido, ele nunca relega ou abandona a região, mesmo que esteja envolvido em guerras muito distantes ou não apareça no discurso dos dois principais partidos durante as campanhas eleitorais. A continuidade dessas políticas pode ser distinguida dos discursos de John F. Kennedy em 1961 quando ele promoveu a famosa – e falhou – Alliance for Progress, e falou de “um plano de dez anos que será um vasto esforço cooperativo, incomparável em magnitude e nobreza de propósitos para atender às necessidades dos povos latino-americanos ”até a iniciativa da ALCA -que nasceu em 1994-, passando pelo já conhecido“ Consenso de Washington ”no final do século passado. Todos os projetos fracassaram, entre outros motivos porque a América Latina é a única região do globo onde há um questionamento generalizado da política imperial e econômica da Casa Branca.

Embora muita coisa tenha mudado no mundo nos últimos vinte anos desde os ataques às Torres Gêmeas, em essência a política dos Estados Unidos em relação à América Latina não sofreu grandes mudanças. Por esta razão, “11 de setembro” ainda é o Chile. É Pinochet no lixão da história e Allende é enorme na história.


por Pedro Brieger | Texto em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -