Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Outubro 5, 2022

Os estreitos laços militares, diplomáticos e energéticos entre Índia e Rússia

A relação estratégica entre Índia e Rússia, em detrimento das tentativas americanas, revela que vai ser difícil entender o cenário asiático olhando para as decisões tomadas em Washington.

por Sumit Ganguly, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Enquanto as democracias globais se alinharam para condenar as ações da Rússia na Ucrânia, um país foi menos aberto em suas críticas – e foi uma das maiores democracias: a Índia.

Ao longo da crise em curso, o governo da Índia evitou cuidadosamente tomar uma posição inequívoca. Ele se absteve em todas as resoluções das Nações Unidas que tratam do assunto e se recusou a se juntar à comunidade internacional em medidas econômicas contra Moscou, provocando um alerta dos EUA sobre sanções potencialmente contornadas. Mesmo as declarações da Índia condenando o assassinato em massa de civis ucranianos não chegaram a atribuir a culpa a qualquer parte, em vez disso, pediram uma investigação imparcial.

Como estudioso da política externa e de segurança indiana , sei que entender a posição da Índia sobre a guerra na Ucrânia é complexo. Em parte considerável, a decisão da Índia de evitar uma posição clara decorre de uma dependência da Rússia em uma série de questões – diplomáticas, militares e relacionadas à energia.

Moscou como parceiro estratégico

Essa postura não é inteiramente nova. Em uma série de questões globais preocupantes, a Índia há muito evita adotar uma posição firme com base em seu status de estado não alinhado – um dos vários países que não é formalmente aliado a nenhum bloco de poder.

Do ponto de vista estratégico, hoje, os tomadores de decisão em Nova Délhi acreditam que não podem se dar ao luxo de alienar a Rússia porque contam com Moscou para vetar qualquer resolução adversa do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre a preocupante questão da disputada região da Caxemira. Desde a divisão do subcontinente em 1947, a Índia e o Paquistão travaram três guerras pela Caxemira , e a região continua sendo uma fonte de tensão.

Voltando aos dias da União Soviética, a Índia confiou no veto da Rússia na ONU para se proteger de qualquer declaração adversa sobre a Caxemira. Por exemplo, durante a crise do Paquistão Oriental de 1971 – que levou à criação de Bangladesh – os soviéticos protegeram a Índia da censura na ONU, vetando uma resolução exigindo a retirada das tropas da região disputada.

Ao todo, os soviéticos e a Rússia usaram seu poder de veto seis vezes para proteger a Índia. A Índia não dependeu da Rússia para vetar desde o fim da Guerra Fria. Mas com a tensão sobre a Caxemira ainda alta em meio a combates esporádicos, Nova Délhi vai querer garantir que Moscou esteja do seu lado caso seja apresentada novamente ao Conselho de Segurança.

Em grande parte, a estreita relação da Índia com a Rússia decorre de lealdades à Guerra Fria. A Índia entrou na órbita soviética principalmente como um contraponto à aliança estratégica dos Estados Unidos com o Paquistão, o adversário subcontinental da Índia.

A Índia também espera apoio russo – ou pelo menos neutralidade – em sua longa disputa de fronteira com a República Popular da China. A Índia e a China compartilham uma fronteira de mais de 2.000 milhas (cerca de 3.500 km), cuja localização é contestada há 80 anos, inclusive durante uma guerra em 1962 que não conseguiu resolver a questão.

Acima de tudo, a Índia não quer que a Rússia fique do lado da China caso haja novos confrontos no Himalaia, especialmente porque a disputa fronteiriça voltou à tona desde 2020, com escaramuças significativas entre o Exército indiano e o Exército Popular de Libertação da China.

Rússia como fornecedor de armas

A Índia também depende muito da Rússia para uma série de armamentos. De fato, 60% a 70% do arsenal convencional da Índia é de origem soviética ou russa.

Na última década, Nova Délhi procurou diversificar significativamente suas aquisições de armas. Para esse fim, comprou mais de US$ 20 bilhões em equipamentos militares dos EUA na última década. No entanto, ainda não está em condições de se afastar da Rússia no que diz respeito às vendas de armas.

Para complicar as coisas, a Rússia e a Índia desenvolveram estreitos laços de fabricação militar. Por quase duas décadas, os dois países coproduziram o altamente versátil míssil BrahMos, que pode ser disparado de navios, aeronaves ou terra.

A Índia recebeu recentemente seu primeiro pedido de exportação para o míssil, das Filipinas. Essa ligação de defesa com a Rússia só poderia ser cortada com um custo financeiro e estratégico considerável para a Índia.

Além disso, a Rússia, diferentemente de qualquer país ocidental, incluindo os Estados Unidos, está disposta a compartilhar certas formas de tecnologia de armas com a Índia. Por exemplo, a Rússia alugou um submarino nuclear da classe Akula para a Índia. Nenhum outro país está disposto a oferecer armamento equivalente à Índia, em parte devido a preocupações de que a tecnologia seja compartilhada com a Rússia.

De qualquer forma, a Rússia é capaz de fornecer à Índia armamento de alta tecnologia a preços significativamente mais baixos do que qualquer fornecedor ocidental. Não surpreendentemente, apesar da significativa oposição americana, a Índia optou por adquirir a bateria russa de defesa antimísseis S-400.

Dependência de energia

Não é apenas a indústria de defesa da Índia que depende de Moscou. O setor de energia da Índia também está inextricavelmente ligado à Rússia.

Desde que o governo de George W. Bush acabou com o status de pária nuclear da Índia – uma designação que mantinha para testar armas nucleares fora do âmbito do Tratado de Não-Proliferação Nuclear – a Índia desenvolveu um programa nuclear civil.

Embora o setor permaneça relativamente pequeno em termos de produção total de energia, está crescendo – e a Rússia emergiu como um parceiro fundamental. Depois que o acordo nuclear civil EUA-Índia de 2008 permitiu que a Índia participasse do comércio nuclear civil normal, a Rússia rapidamente assinou um acordo para construir seis reatores nucleares no país.

Nem os EUA nem qualquer outro país ocidental se mostraram dispostos a investir no setor civil de energia nuclear da Índia por causa de uma lei de responsabilidade nuclear bastante restritiva, que determina que o fabricante da usina ou qualquer um de seus componentes seria responsável em caso de acidente .

Mas desde que o governo russo disse que assumirá a responsabilidade necessária no caso de um acidente nuclear, ele conseguiu entrar no setor de energia nuclear na Índia. Os governos ocidentais, no entanto, não estão dispostos a fornecer tais garantias às suas empresas comerciais.

Longe da energia nuclear, a Índia também investiu em campos russos de petróleo e gás. A Comissão de Petróleo e Gás Natural da Índia, por exemplo, há muito está envolvida na extração de combustíveis fósseis da Ilha Sakhalin, uma ilha russa no Oceano Pacífico. E dado que a Índia importa cerca de 85% de suas necessidades de petróleo bruto do exterior – embora apenas uma pequena fração da Rússia – dificilmente está em posição de fechar a torneira russa.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, observou recentemente que “o relacionamento da Índia com a Rússia se desenvolveu ao longo de décadas em um momento em que os Estados Unidos não eram capazes de ser um parceiro da Índia” e sugeriu que Washington estava preparado agora para ser esse parceiro. Mas, dadas as considerações diplomáticas, militares e energéticas, é difícil ver a Índia se desviando de seu ato de equilíbrio sobre a Rússia tão cedo.


por Sumit Ganguly, Professor distinto de Ciência Política e ocupa a cadeira Tagore em Civilizações e Culturas Indianas, Indiana University   |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -