Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Julho 19, 2024

Os retratos fantasmas de um sistema em decomposição

Marcos Aurélio Ruy, em São Paulo
Marcos Aurélio Ruy, em São Paulo
Jornalista, assessor do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo

O documentário Retratos Fantasmas, de Kleber Mendonça Filho, já está na Netflix, mas não chega ao ABC Paulista, tão perto da capital paulista, tão longe da cultura. Se isso acontece na Região Metropolitana de São Paulo, que se dirá nos rincões deste enorme país.

Essa triste realidade de o cinema brasileiro sempre perder por prevalecer em grande parte, exibidoras, distribuidoras e divulgadoras multinacionais que privilegiam produções estadunidenses, já é um pouco a temática do documentário, candidato brasileiro ao Oscar de melhor filme estrangeiro.

Mas o filme de Kleber Mendonça vai além e apresenta, com rara sensibilidade a destruição, o abandono e a decadência causados por um sistema que desumaniza todas as relações por causa do vil metal, que corrói corações e mentes e tenta destruir a cultura de resistência.

Degradação da vida pública

Além disso, o filme mostra também a degradação da vida pública e, por isso, o fechamento de todos os locais que servem para juntar pessoas por quaisquer interesses. É a selva de pedra vazia, por isso os retratos são fantasmas. Os capitalistas querem ser donos de tudo: Das construções, das terras, das águas, das florestas e de tudo o que puder lhes proporcionar lucros, sem se importar com a vida de ninguém além deles próprios.

O cineasta pernambucano atinge o universal, partindo de suas particularidades, e do particular de Recife com os seus principais cinemas sendo fechados pelo insensível capital, que transforma tudo em mercadoria. Mesmo com essas especificidades – entre as quais, a maior parte do centro antigo da capital pernambucana virou bairro fantasma –, o que acontece em Recife é similar ao que ocorre em todas as grandes cidades, principalmente dos países pobres e emergentes.

Cinema Paradiso

Retratos Fantasmas remonta à emoção da obra de ficção Cinema Paradiso (1988), de Giuseppe Tornatore, na qual predomina o sentimento de a cultura ser essencial para a humanidade. E, nos dois casos, o cinema é o espelho da vida e da alma humana.

Também em comum as duas obras, tão singulares e diferentes, têm a crença em um futuro com valorização da arte como fundamental para a expressão humana em favor da vida, do amor e da inteligência.

Para além da memória, o documentário de Kleber Mendonça mistura linguagens cinematográficas e funde o seu olhar específico ao interesse coletivo de valorização da cultura, do conhecimento e da vida. Quiçá um dia essa obra, junto com todas as produções nacionais e de outras nacionalidades, possa chegar a todos os recantos deste país tão diverso.

E para quem não tem assinatura do streaming nem mora perto de alguma grande capital, importante uma sugestão do amigo Antônio Carlos Queiroz, o ACQ: que os agentes culturais espalhados por este país, aliados ao movimento sindical e aos movimentos sociais e populares, possam exibir Retratos Fantasmas e outros filmes de diversas nacionalidades no Brasil inteiro.

Veja o trailer de Retratos Fantasmas:


Texto em português do Brasil

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -