Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Janeiro 20, 2022

O perdedor ferido: rejeitar resultado eleitoral estimula violência política

Quando o “consentimento do perdedor” é quebrado, o risco de violência política e terrorismo aumenta pois deixa de ser tabu entre os eleitores do partido derrotado. Estudo do cientista político James Piazza conclui que, quando os perdedores nas democracias rejeitam os resultados eleitorais, a confiança nas instituições políticas diminui, a polarização política e o tribalismo aumentam e a desconfiança prospera.

por James Piazza, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Um participante de um comício político em outubro de 2021 organizado pelo ativista de direita Charlie Kirk perguntou: “Quantas eleições eles vão roubar antes de matarmos essas pessoas?

O participante estava se referindo à alegação infundada de que Joe Biden  roubou a eleição presidencial de 2020 nos Estados Unidos e que negou injustamente a reeleição de Donald Trump.

Kirk, CEO da Turning Point USA, condenou a pergunta. Mas um ano após a insurreição do Capitólio que foi alimentada pelas alegações de Trump de uma eleição fraudada, Kirk, outros comentaristas e políticos – e, é claro, o próprio Trump – continuam a alimentar falsas crenças de fraude eleitoral generalizada. Abraçar a “Grande Mentira” de que Trump realmente ganhou a eleição tornou-se um artigo de fé para muitos políticos republicanos. Também é amplamente aceito pelos americanos conservadores; em uma pesquisa de outubro de 2021, 60% dos republicanos disseram que os resultados das eleições presidenciais de 2020 deveriam ser definitivamente ou provavelmente anulados.

Isso cria uma situação potencialmente perigosa para os Estados Unidos. A aceitação da derrota eleitoral, algo que os cientistas políticos chamam de “consentimento do perdedor”, é essencial para a estabilidade e a ordem nas democracias.

‘Perdedores feridos’ podem levar ao terrorismo

A democracia é baseada em um pacto: os perdedores eleitorais concordam em aceitar os resultados e encorajam seus apoiadores a fazerem o mesmo.

Em troca, os políticos perdedores têm a chance de concorrer e ganhar em uma futura eleição.

No entanto, o consentimento do perdedor é frágil. E quando ele é quebrado, o risco de violência política aumenta. Em um estudo recente que publiquei, concluo que, quando os perdedores eleitorais nas democracias rejeitam os resultados eleitorais, tornando-se “perdedores feridos” , a confiança nas instituições políticas diminui, a polarização política e o tribalismo aumentam e a desconfiança prospera.

Isso produz uma situação em que a violência política não é mais considerada tabu, especialmente entre os partidários do partido político perdedor. Minha pesquisa mostra que quando os políticos derrotados nas democracias se recusam a aceitar os resultados das eleições, os cidadãos começam a ver o terrorismo como mais aceitável e o terrorismo doméstico aumenta.

Aqui nos EUA, a indignação com a Grande Mentira ajudou a alimentar a violência no Capitólio em 6 de janeiro de 2021. Também gerou planos de terrorismo doméstico.

Por exemplo, as autoridades federais anunciaram acusações em julho contra dois homens que planejavam bombardear a sede do Partido Democrata da Califórnia. Os dois homens foram radicalizados pela Grande Mentira e expressaram esperança nas redes sociais de que o ataque “iniciaria um movimento que poderia manter o ex-presidente Donald J. Trump no cargo“.

Compreender os dados

Em meu estudo, examinei dados de ataques terroristas domésticos em mais de 100 democracias de 1970 a 2018. Também examinei a opinião pública para saber se as pessoas consideram o uso do terrorismo justificável em 30 países democráticos de 2017 a 2020. Baseei minha definição de terrorismo doméstico naquele usado pelo Banco de Dados de Terrorismo Global. Por fim, usei dados para medir se os políticos que perderam as eleições nacionais recentes nas democracias se recusaram a aceitar os resultados. Limitei minha análise às democracias livres de irregularidades eleitorais.

Também considerei outros fatores que podem tornar o terrorismo doméstico mais comum ou aceitável em minhas análises. Isso inclui a situação econômica do país, a diversidade étnica e a história de violência política, bem como a força e estabilidade do governo.

Para a opinião pública sobre terrorismo, pesei os efeitos de fatores como idade, sexo, renda, nível de educação, ideologia política e identidade religiosa e étnica do entrevistado e a quantidade de terrorismo no país nos três anos anteriores.

Quando resultados contestados levam à violência

Aqui está o que eu encontrei.

Em primeiro lugar, quando partidos políticos derrotados em democracias rejeitam resultados eleitorais, o terrorismo doméstico aumenta e se torna mais intenso. O quanto depende de quantos e de quais tipos de partidos políticos foram os perdedores.

Recusar-se a aceitar uma perda gera mais terrorismo – Os incidentes anuais de terrorismo doméstico são mais numerosos em lugares onde os partidos perdedores se recusam a aceitar os resultados das eleições.

Os países onde todos os partidos políticos, incluindo os perdedores, aceitaram os resultados das eleições, experimentaram apenas um ataque doméstico a cada dois anos. No entanto, os países onde um dos principais partidos políticos perdeu a eleição, mas se recusou a aceitar os resultados oficiais – a situação mais parecida com a que os EUA enfrentam atualmente – sofreram posteriormente cerca de cinco ataques terroristas domésticos por ano. Por fim, os países onde todos os partidos políticos perdedores rejeitaram os resultados das eleições sofreram posteriormente mais de 10 ataques terroristas domésticos por ano.

Em segundo lugar, o efeito do perdedor ferido também aumenta a aceitação do terrorismo. Apenas cerca de 9% dos cidadãos de democracias onde todos os partidos perdedores aceitaram os resultados das eleições consideram o terrorismo um comportamento justificável. Esse percentual aumentou para cerca de 27% nas democracias em que o (s) principal (s) partido (s) de oposição perdedor rejeitou a eleição – a categoria que mais se aproxima dos Estados Unidos após a eleição de 2020. Finalmente, cerca de um terço dos cidadãos em democracias onde todos os partidos perdedores rejeitaram os resultados das eleições também toleraram o terrorismo como tática.

Recusar-se a aceitar uma perda torna o terrorismo mais aceitável – Em lugares onde os partidos perdedores se recusam a aceitar os resultados das eleições, porcentagens mais altas de pessoas dizem acreditar que o terrorismo é uma tática justificada.

Esses resultados mostram que, quando os políticos se recusam a aceitar o resultado de uma eleição democrática livre e justa e, em vez disso, optam por promover uma narrativa popular de uma eleição roubada ou suja, eles colocam seu povo em perigo físico. A tolerância popular para com o terrorismo cresce, assim como a própria atividade terrorista.


por James Piazza Professor de Ciências Políticas de Artes Liberais, Penn State |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -