Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Novembro 27, 2021

Polarização torna violência e assédio comuns para políticos britânicos

assassinato do parlamentar conservador britânico David Amess, morto a facadas em seu distrito eleitoral em 15 de outubro, é um momento profundamente trágico para a democracia. O que o torna ainda mais devastador é que tal falha catastrófica não é sem precedentes ou previsibilidade.

por James Weinberg, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

A deputada trabalhista Jo Cox foi baleada em seu comitê eleitoral em 2016. Antes dela, outro deputado trabalhista, Stephen Timms, sobreviveu a um esfaqueamento em 2010. E Andrew Pennington, um vereador do condado de Gloucestershire, morreu em um ataque frenético em 2001 enquanto tentava proteger o deputado liberal democrata local Nigel Jones.

Isso para não falar do ataque de 2018 ao Palácio de Westminster, que deixou o policial Keith Palmer morto e os parlamentares em estado de choque.

Além dessas conjunturas críticas no debate público sobre a segurança dos políticos, os representantes eleitos devem conviver com um nível cada vez mais insidioso de cinismo popular que ameaça a violência quase diariamente.

Entre a política divisionista do Brexit e a crescente polarização da política partidária britânica, os parlamentares atualmente trabalham em um ambiente de baixa confiança e alta culpa. Mesmo antes da angústia existencial e subsequente politicagem da pandemia de covid-19, uma auditoria recente da Hansard Society sobre engajamento político concluiu que “as opiniões dos sistemas de governo estão em seu ponto mais baixo na série de Auditoria de 15 anos – pior agora do que no rescaldo do escândalo das despesas dos deputados ”.

As ramificações de governar em uma época de desconfiança são significativas para a saúde mental e o bem-estar dos políticos. Com colegas, argumentei que essa desconfiança visceral e endêmica é um estressor chave na vida política. As pessoas não são simplesmente cautelosas ou céticas em relação aos políticos, mas agora criticam rotineiramente suas personalidades e rejeitam suas boas intenções. Em sua forma mais grave, esse “estressor da desconfiança” se manifesta na crescente ameaça de violência física enfrentada pelos políticos.

Amess na regata local em seu distrito eleitoral, Leigh on Sea

Infelizmente, o estressor da desconfiança é comum no clima febril da política pós-milenar do Reino Unido. Casos graves de perseguição e assédio tornaram-se uma “experiência comum” para os parlamentares. Nas eleições gerais do Reino Unido de 2017, por exemplo, 56% dos candidatos parlamentares entrevistados expressaram preocupação com os níveis de abuso e intimidação que receberam e 31% disseram que se sentiram “temerosos” durante a campanha. O uso indevido de contas anônimas de mídia social intensificou esses problemas e criou um ambiente tóxico para políticos eleitos que os expõe regularmente a ameaças online de estupros e assassinato.

Governando sob ameaça

Como parte de um estudo em andamento sobre confiança e governança em cinco democracias ao redor do mundo, recentemente realizei mais de 50 entrevistas em profundidade com políticos juniores e seniores em legislaturas nacionais, incluindo questões sobre as tensões e constrangimentos da vida política.

Refletindo sobre as ramificações de simplesmente fazer seu trabalho, um deputado conservador comentou:

Houve votos controversos, e você pode receber muitos abusos como resultado de escolher um lado. Meu escritório foi vandalizado, recebi material enviado pelo correio, recebi ameaças de morte. E você constrói uma pele muito grossa fazendo este trabalho, não há sombra de dúvida. Porque uma semana aí, se você não for capaz de rolar com as pancadas, não vai ver um semestre inteiro.

Quase 40% dos entrevistados foram capazes de citar mais de um caso de abuso grave ou ameaças de violência física. Essas experiências não são apenas sentidas em ambos os lados do corredor político no Reino Unido, mas também parecem estar se tornando mais comuns em outros contextos democráticos onde o clima da política foi considerado mais calmo e mais volátil. Como um deputado na Nova Zelândia me disse:

Recebi algumas ameaças de morte horríveis e sofri muitos abusos, principalmente nas redes sociais. Mas também, curiosamente, por escrito e telefonemas. Infelizmente, está se tornando mais parte de nossa vida política.

Outro, desta vez na África do Sul, disse:

O que estava a dizer é que, se o abastecimento de água não fosse consertado numa determinada altura, iam matar-me. E o que eles fizeram foi pegar um pneu e dizer que esse pneu ia passar pelo meu pescoço e eles iriam acendê-lo e isso seria minha morte. Ouça, quando você vê sua vida passando diante de seus olhos … você começa a questionar se vale a pena.

No Reino Unido, a análise de dados da Auditoria Representativa da Grã-Bretanha (uma pesquisa de todos os candidatos parlamentares que se candidataram às eleições gerais entre 2015 e 2019) sugere que o assédio, o abuso e a intimidação de políticos eleitos e aspirantes a políticos também são altamente relacionados ao gênero. Mulheres políticas, e mulheres negras e de minorias étnicas em particular, experimentam uma parcela desproporcional de abuso sexista online. Eles também recebem ameaças offline mais agressivas e sexualizadas.

Keir Starmer, Priti Patel, Lynsey Hoyle e Boris Johnson visitam o local da morte de Amess em Leigh on Sea

É relativamente fácil entender por que tudo isso seria prejudicial para a competência profissional dos políticos e seu senso de valor e bem-estar pessoal, mas é mais difícil encontrar soluções para esta crise.

A secretária do Interior, Priti Patel, pediu mais medidas de segurança após a morte de Amess. Isso é bem-vindo, mas é uma resposta instrumental que pode não ser fácil de implementar. O contato político entre os políticos e o público está no cerne da representação democrática eficaz – e é improvável que a maioria dos parlamentares concorde em suspender as consultas constituintes ou encher seus cargos com guardas armados em um momento em que as relações governadas pelo governador já estão tão tensas.

Compaixão e educação

Embora questões específicas em torno da segurança e do treinamento dos parlamentares sejam tratadas, também precisamos de um apelo por contenção consciente e compaixão no discurso político. Quando alguns políticos recorrem ao populismo inflamado, ao abuso verbal e às brigas internas, isso transmite uma imagem da política como uma arena para a incivilidade. Ao mesmo tempo, perpetua uma visão de mundo binária que exclui a possibilidade de empatia e compromisso.

Paralelamente, precisamos revisar a cobertura política da mídia. Cada vez mais com a intenção de personalizar o político e politizar o pessoal, uma mídia de notícias 24 horas com frequência alimenta estereótipos contundentes sobre a personalidade e os motivos dos políticos. Em contraste com a grande cobertura jornalística de políticos, minha própria pesquisa com centenas de parlamentares e vereadores eleitos mostrou que a maioria entra na política com uma dedicação extraordinária para melhorar a vida dos outros que raramente é percebida ou apreciada por aqueles que governam.

Igualmente importante, as nações ao redor do mundo devem se comprometer com programas de educação democrática totalmente financiados e com bons recursos. A política é confusa e cheia de contingências, e um déficit na educação democrática leva a expectativas públicas inflacionadas sobre o que é possível ou desejável. Por sua vez, isso gera desapontamento e baixa autoeficácia, que juntos interrompem o potencial positivo da participação deliberativa.

Em última análise, não há lugar para violência política, assédio ou intimidação em uma democracia em funcionamento. No mínimo, os políticos são humanos comuns tentando realizar um trabalho extraordinário em nome de todos os outros. Quaisquer que sejam suas visões políticas, ninguém que tenha a coragem de “entrar na arena”, parafraseando Theodore Roosevelt, merece temer por sua vida na busca do serviço público. Dizer que precisamos redescobrir a civilidade e o respeito em nossa política é mais uma vez o eufemismo de uma verdade devastadora.


por James Weinberg, Professor de Comportamento Político na Universidade de Sheffield  |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -