Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Novembro 27, 2021

Colin Powel personificou a dualidade da experiência afro-americana

O militar negro mais poderoso dos EUA teve uma carreira controversa de defesa do imperialismo americano, em momentos que a população negra era massacrada pelas políticas de seu partido.

por Chad Williams, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Colin Powell sabia onde ele se encaixava na história americana.

O ex-secretário de Estado – que morreu em 18 de outubro de 2021 aos 84 anos como resultado de complicações do COVID-19 – foi um pioneiro: o primeiro assessor de segurança nacional negro na história dos Estados Unidos, o primeiro presidente negro da Junta de Chefes de Estado-Maior e também o primeiro negro a se tornar secretário de Estado.

Mas sua “jornada americana” – como ele a descreveu no título de uma autobiografia de 2003 – é mais do que a história de um homem. Sua morte é um momento para pensar sobre a história dos homens e mulheres negros americanos nas forças armadas e o lugar dos afro-americanos no governo.

Mas, mais profundamente, também fala sobre o que significa ser um americano e as tensões que Colin Powell – como um patriota e um homem negro – enfrentou ao longo de sua vida e carreira.

Sou um estudioso de estudos afro-americanos que atualmente está escrevendo um livro sobre o grande intelectual dos direitos civis WEB DuBois. Quando soube do falecimento de Powell, lembrei-me imediatamente do que DuBois chamou de “dupla consciência” da experiência afro-americana.

Como DuBois colocou em um artigo de 1897 e mais tarde em seu livro clássico de 1903 “The Souls of Black Folk”, essa “sensação peculiar” é única para os afro-americanos: “A pessoa sente sua dualidade – um americano, um negro; duas almas, dois pensamentos, dois esforços inconciliáveis; dois ideais conflitantes em um corpo escuro, cuja obstinada força por si só o impede de ser dilacerado.”

Este conceito descreve profundamente Colin Powell como soldado, militar de carreira e político.

O que significa servir

Superficialmente, a vida de Colin Powell parece refutar a formulação de DuBois. Ele se apresentou como alguém que muitas pessoas poderiam apontar como um exemplo de como é possível ser negro e um americano completo, algo que DuBois viu como uma tensão duradoura. Há uma narrativa de que Powell usou os militares para transcender a raça e se tornar um dos homens mais poderosos do país. Nesse sentido, ele foi a história de sucesso americana definitiva.

Mas há um perigo nessa narrativa. A história de Colin Powell era excepcional, mas ele não era o avatar de um americano pós-racial daltônico.

O Exército dos EUA há muito é visto como uma rota para que os negros americanos, especialmente os jovens negros, saiam da pobreza. Muitos optaram por transformar seu serviço em uma carreira.

Na época em que Powell, filho de imigrantes jamaicanos criado no Bronx, ingressou no Exército dos EUA, já havia uma história de orgulho de afro-americanos nas Forças Armadas dos EUA – dos ”Soldados Buffalo” que serviram no oeste americano, no Caribe e no sul Pacífico após a Guerra Civil dos EUA para os aviadores Tuskegee da Segunda Guerra Mundial.

Powell fez parte dessa história militar. Ele ingressou em 1958, uma década após a dessegregação das Forças Armadas em 1948.

Mas os militares eram – e ainda são – uma instituição caracterizada pelo racismo estrutural. Isso era verdade quando Powell se juntou ao Exército e é verdade hoje.

Como tal, Powell teria que lutar contra sua negritude e o que isso significava nas forças armadas: o que significava servir a um país que não serve a você?

Como militar durante a Guerra do Vietnã, Powell também se destacou de muitos líderes políticos negros que condenaram a ação dos EUA no Sudeste Asiático.

Enquanto Muhammad Ali estava perguntando por que ele deveria “colocar um uniforme e ir 10.000 milhas de casa e jogar bombas e balas no povo marrom” em um momento em que “os chamados negros em Louisville são tratados como cachorros e têm seus direitos humanos simples negados, Powell estava subindo na hierarquia militar.

Isso ajuda a explicar por que, apesar das conquistas indiscutíveis de Powell, seu legado como líder negro é complicado. Sua identidade – ser de herança jamaicana – levantou questões sobre o que significa ser um afro-americano. Sua vida no exército levou alguns a perguntarem por que ele serviria a um país que historicamente tem sido hostil aos não-brancos nos Estados Unidos e em todo o mundo. O veterano ativista e cantor Harry Belafonte comparou Powell em 2002 a um “escravo doméstico” em um comentário particularmente controverso questionando sua lealdade ao sistema americano.

Powell reconheceu a realidade do racismo nos Estados Unidos, ao mesmo tempo que acreditava que ele nunca deveria servir como um obstáculo nem fazer com que os negros questionassem sua americanidade. Em um discurso de formatura em 14 de maio de 1994 na Howard University, Powell disse aos formandos para se orgulharem de sua herança negra, mas para usá-la como “uma pedra fundamental na qual podemos construir, e não um lugar para onde nos retirarmos”.

Colin Powell fala ao Conselho de Segurança das Nações Unidas

E depois há suas afiliações políticas. Ele foi o conselheiro de segurança nacional de Ronald Reagan e presidente da Junta de Chefes de Estado-Maior de George HW Bush em um momento em que as políticas domésticas de ambos os presidentes estavam devastando a América Negra, por meio do encarceramento em massa de homens e mulheres negros e políticas econômicas que privaram os serviços nas áreas de renda das camadas populares.

Isso foi antes de um dos momentos mais importantes e controversos da vida política de Powell.

Em fevereiro de 2003, Powell argumentou perante o Conselho de Segurança das Nações Unidas por uma ação militar contra o Iraque – um discurso que erroneamente afirmava que Saddam Hussein tinha estocado armas de destruição em massa. Ele não tinha feito isso, e a guerra que Powell ajudou a transformar os EUA em cicatrizes deixou seu legado.

Uma existência complicada

A dualidade de Powell, para usar a frase de DuBois, se manifestou posteriormente em sua decisão, em 2008, de endossar Barack Obama como candidato à presidência em detrimento de seu colega republicano e militar, John McCain.

Em Obama, Powell viu “uma figura transformacional” na América e no cenário mundial.

Ao endossar Obama, Powell escolheu o significado histórico de os EUA terem seu primeiro presidente negro em vez de lealdade e serviço a seu amigo e partido político.

Seu afastamento do republicanismo aumentou depois que Donald Trump tomou as rédeas do partido. Ele se tornou cada vez mais forte em oposição a Trump, que via Powell – assim como muitos dos apoiadores de Trump – como uma espécie de traidor.

Essa visão ignora a história.

Powell era um patriota que personificava os “dois ideais conflitantes em um corpo escuro” de DuBois. Para Powell ter alcançado as alturas que ele alcançou, foi necessária uma força obstinada e talvez um esforço muito maior para mantê-lo unido do que seus predecessores brancos.

Na América, ser negro e patriota é – como DuBois insinuou há mais um século, e como a vida de Powell atesta – um caso muito complicado, até doloroso.


por Chad Williams, Professor Samuel J. e Augusta Spector de História e Estudos Africanos e Afro-Americanos, Universidade de Brandeis   |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -