Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Outubro 22, 2021

Contra a “pós-verdade” e os “factos alternativos”… talvez um jornalismo alternativo

Estrela Serranohttps://vaievem.wordpress.com/
Professora de Jornalismo e Comunicação

porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer
Porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer

Não falo da crise económica das empresas jornalísticas mas sim de uma crise mais grave que é a perda de credibilidade,  porque esta atinge os fundamentos e a  razão de ser do jornalismo cuja legitimidade advém do contrato de confiança entre o jornalista e os seus públicos.

A eleição de Donald Trump agravou e veio dar substância às teorias da “pós-verdade” e dos “factos alternativos” que embora não tenham nascido com ele, encontraram na nova administração americana terreno fértil e seguidores capazes de as elevarem a doutrina oficial. De facto, as teorias sobre a “verdade” e a “mentira” não são de hoje e os teóricos da comunicação política  há muito que se debruçam sobre as “nuances” de cada um destes conceitos.

Paradoxalmente, esta é também uma oportunidade para o jornalismo repensar muitas das suas práticas e regressar a alguns dos princípios básicos de que anda arredado, tais como:

  • organizar uma agenda que identifique temas-chave que favoreçam o bem-estar dos cidadãos, em vez de andar atrás dos detentores dos poderes reproduzindo soundbites e declarações  de circunstância;
  • favorecer e respeitar o diálogo entre diversos pontos de vista e entre representantes do poder e os públicos;
  • procurar a verdade, considerarndo todos os factos, perspectivas e alternativas;
  • ter consciência da falibilidade e limitação do seu próprio conhecimento, o que pressupões humildade e auto-crítica;
  • analisar criticamente os paradigmas dominantes;
  • gerar novas ideias e abrir-se à discussão, em vez de se limitar a uma elite de comentadores que reproduz a agenda política e mediática;
  • vigiar os mecanismos de responsabilização dos altos funcionários do Estado sobre a forma como exercem o poder, em vez de ficar dependente de fugas de informação de agentes da justiça, colocando estes também sob escrutínio;
  • dar voz aos cidadãos para que se envolvam no debate público;
  • resisir a forças externas aos media, que possam subverter a sua independência, integridade e capacidade para servir o público.

Estas são apenas algumas achegas para o que poderia ser um jornalismo alternativo contra  a “pós-verdade” e os “factos alternativos”…

Artigo publicado originalmente no blog VAI E VEM

Nota do Director

As opiniões expressas nos artigos de Opinião apenas vinculam os respectivos autores.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -