Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Julho 6, 2022

Maria III

José Pacheco
José Pacheco
Educador e aprendiz de utopias.

Em Janeiro, como era costume, assinariam o ponto, dado que não se tratava de “gozar férias”, mas de uma “interrupção de actividade lectiva”.

Por acaso, ou talvez não, a directora leu a acta. Furiosa, consultou burocráticos aliados. Aconselharam-na a chamar as professoras, durante o período de “férias”, para que assinassem o livro de ponto e juntassem à acta uma declaração de apoio à senhora directora.

Todas assinaram o ponto dos dez dias de “férias”. Excepto a Maria.

No retomar das aulas, encontrou a sua folha de ponto “trancada”, com dez faltas “a vermelho”. Foi informada de que seria objecto de processo disciplinar, por ter faltado à escola durante duas semanas.

Durante o período de suspensão com que foi punida, os dias da Maria foram feitos de insônia, choro, doses maciças de ansiolíticos e frequentes visitas ao psiquiatra. Após uma longa via-sacra, mudou de profissão.

Entretanto, misteriosamente, o livro das actas levou sumiço. E a senhora directora continuou sendo vendeira, mantendo um segundo emprego: o de professora.

 

Leia:

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

Boa pergunta

VER…

Além Tejo (1)

- Publicidade -