Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Janeiro 20, 2022

O que é o metaverso? Especialistas em mídia e informação explicam

O metaverso é um conceito de ficção científica que muitas pessoas na indústria de tecnologia enxergam como o sucessor da Internet de hoje. O Facebook está tão convencido do conceito que está renomeando a si mesmo como Meta para destacar seu esforço para dominar o metaverso.

por Rabindra Ratan e Yiming Lei, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

O metaverso é uma rede de ambientes virtuais sempre ativos em que muitas pessoas podem interagir umas com as outras e objetos digitais enquanto operam representações virtuais – ou avatares – de si mesmas. Pense em uma combinação de realidade virtual imersiva, um RPG multiplayer online massivo e a web.

O metaverso é um conceito de ficção científica que muitas pessoas na indústria de tecnologia enxergam como o sucessor da Internet de hoje. É apenas uma visão neste momento, mas empresas de tecnologia como o Facebook têm como objetivo torná-lo o cenário para muitas atividades online, incluindo trabalho, lazer, estudo e compras. O Facebook está tão convencido do conceito que está renomeando a si mesmo como Meta para destacar seu esforço para dominar o metaverso.

O romance de ficção científica campeão de vendas ‘Snow Crash’ deu ao mundo a palavra ‘metaverso’. RA.AZ/Flickr , CC BY

Metaverso é aglutinação de meta, significando transcendente, e verso, do universo. O romancista de ficção científica Neal Stephenson cunhou o termo em seu romance de 1992 “Snow Crash” para descrever o mundo virtual no qual o protagonista, Hiro Protagonista, socializa, faz compras e derrota inimigos do mundo real por meio de seu avatar. O conceito é anterior a “Snow Crash” e foi popularizado como “ciberespaço” no romance inovador de William Gibson de 1984, “Neuromancer“.

Existem três aspectos principais do metaverso: presença, interoperabilidade e padronização.

Presença é a sensação de estar realmente em um espaço virtual, com outros virtuais. Décadas de pesquisa mostraram que esse senso de incorporação melhora a qualidade das interações online. Essa sensação de presença é alcançada por meio de tecnologias de realidade virtual, como monitores do tipo head-mounted display (telas usadas como próteses na cabeça, conhecidas como óculos de realidade virtual).

Interoperabilidade significa ser capaz de viajar perfeitamente entre espaços virtuais com os mesmos ativos virtuais, como avatares e itens digitais. O ReadyPlayerMe permite que as pessoas criem um avatar que pode usar em centenas de mundos virtuais diferentes, incluindo em reuniões do Zoom por meio de aplicativos como o Animaze. Enquanto isso, tecnologias blockchain (redes interconectadas) como cryptocurrencies (criptomoedas) e fichas nonfungible (não transferíveis) facilitam a transferência de bens digitais através das fronteiras virtuais.

A padronização é o que permite a interoperabilidade de plataformas e serviços no metaverso. Como acontece com todas as tecnologias de mídia de massa – da imprensa escrita a mensagens de texto – os padrões tecnológicos comuns são essenciais para uma adoção generalizada. Organizações internacionais como o Open Metaverse Interoperability Group (Grupo de interoperabilidade de metaverso aberto) definem esses padrões.

Por que o metaverso é importante

Se o metaverso se tornar o sucessor da internet, quem o constrói, e como, é extremamente importante para o futuro da economia e da sociedade como um todo. O Facebook pretende desempenhar um papel de liderança na formação do metaverso, em parte investindo pesadamente em realidade virtual. O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, explicou em uma entrevista sua visão de que o metaverso abrange plataformas não imersivas como a mídia social de hoje, bem como tecnologias de mídia 3D imersivas, como realidade virtual, e que será para trabalho e também para diversão.

O metaverso um dia poderia se parecer com o chamativo e fictício Oasis de Ernest Cline do “Ready Player One”, mas até então você pode ligar para jogos como Fortnite e Roblox, plataformas de realidade virtual e mídia social como VRChat e AltspaceVR e ambientes de trabalho virtuais como Imerse para um tira-gosto da experiência imersiva e conectada do metaverso. À medida que esses espaços isolados convergem e se tornam cada vez mais interoperáveis, observe o surgimento de um metaverso verdadeiramente singular.


por Rabindra Ratan e Yiming Lei, em The Conversation  |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

  • Rabindra Ratan, Professor associado de mídia e informação na Universidade Estadual do Michigan
  • Yiming Lei, Doutorando em Mídia e Informação pela Universidade Estadual do Michigan

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -