Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Novembro 27, 2021

Regular o Facebook e Google para que deixem de engolir concorrentes

O maior medo dessas plataformas digitais é o novo e imprevisível. Precisam comprar e destruir para manter os usuários.

por Peter Martin, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Poucos de nós que sobreviveram ao ano passado não são gratos pela tecnologia.

Zoom, e-mail, locais de trabalho conectados e conexões sólidas de internet em casa tornaram possível trabalhar, fazer compras, estudar e continuar nossas vidas de uma forma que não teria sido possível se a pandemia tivesse atingido, digamos, 20 anos antes.

Mas partes da grande tecnologia – as partes que nos rastreiam e nos levam a pensar coisas perigosas e anti-sociais apenas para continuarmos clicando – estão nos causando um dano enorme.

Embora possa parecer que não, podemos ter o melhor dos dois mundos – a conectividade sem os danos – acho que podemos. Mas teremos que mudar a maneira como pensamos sobre as grandes tecnologias.

A primeira coisa é reconhecer que a grande tecnologia é intrinsecamente fraca. Sim, fraca. A segunda é que ela só se torna forte cada vez que o permitimos.

Por “grande tecnologia”, quero dizer Facebook e Google e empresas relacionadas, como Instagram e YouTube (propriedade do Facebook e Google, respectivamente).

As empresas que vieram antes delas eram de fato fracas, no sentido de que não tinham um futuro garantido. Pense no Netscape, no MySpace, no MSN e em todos os outros monolitos que nos disseram na época que se tornariam monopólios naturais.

Com medo de perder sua vantagem

Muito do comportamento revelado pela denunciante do Facebook, Frances Haugen, no mês passado, é o de uma líder de mercado com medo de estar perdendo sua vantagem.

Mudou-se o que mostrava das notícias para postagens que inflamavam e enfureciam as pessoas em 2018, com “efeitos colaterais prejudiciais em fatias importantes de conteúdo público”, em parte porque os usuários começaram a interagir menos.

Extraia do relatório interno do Facebook. Wall Street Journal, Comitê de Comércio do Senado dos EUA

O Facebook sabia que “pioramos os problemas de imagem corporal”, nas palavras de um de seus memorandos, mas pouco fez para mudar a maneira como o Instagram funcionava. Em parte, isso acontecia porque os adolescentes passavam 50% mais tempo no Instagram do que no Facebook. O Instagram parecia o futuro.

Quando o engajamento no Instagram começou a diminuir, o Facebook desenvolveu planos para o Instagram Kids, vendo os pré-adolescentes como “um público valioso, mas inexplorado”.

Isso não soa como as ações de uma empresa confiante em permanecer no topo.

O Facebook comprou o Instagram para ficar no topo

E nem a compra inicial do Instagram em 2012, quando poderia ter iniciado seu próprio serviço de compartilhamento de fotos em celulares, aproveitando tudo o que tinha.

O Facebook também comprou o WhatsApp em 2014 porque sua própria plataforma de mensagens, o Messenger, estava perdendo terreno.

Ela não poderia crescer tão grande por si mesma, porque quando as empresas crescem além de um certo tamanho, elas se tornam lentas, burocráticas.

O Google cresceu comprando o DoubleClick (a plataforma que ele usa para vender os anúncios que geram sua receita) e todos os tipos de plataformas emergentes, incluindo Android, YouTube, Waze e Quickoffice.

São ações de uma empresa faminta, mas não de uma suprema confiança em permanecer no topo.

O acadêmico australiano Stephen King, ex-membro da Comissão de Concorrência e Consumidores da Austrália e atual comissário da Comissão de Produtividade, diz que precisamos aplicar regras especiais mais rígidas para aquisições por empresas como Google e Facebook.

A grande tecnologia se torna maior por meio de aquisições

Normalmente, só bloqueamos aquisições onde o alvo é grande. Instagram e WhatsApp eram pequenos. O Instagram supostamente tinha 13 funcionários em tempo integral no momento de sua aquisição, e o WhatsApp supostamente tinha 55. Mesmo assim, o Facebook pagou bilhões por eles.

Nos Estados Unidos e no Reino Unido, ambas as aquisições foram dispensadas.

As grandes empresas de tecnologia podem fazer coisas com alvos minúsculos de aquisição que outras não podem. As aquisições podem dar a eles acesso a vastas redes de usuários existentes e seus dados.

Como afirma King, o Instagram é grande porque foi adquirido pelo Facebook, não porque o Instagram fosse necessariamente o melhor alvo.

Na Europa, as autoridades sabiam dessa possibilidade e aprovaram a aquisição do WhatsApp somente depois que o Facebook informou que seria “incapaz de estabelecer uma correspondência automatizada confiável entre as contas dos usuários do Facebook e as contas dos usuários do WhatsApp”.

Esta afirmação estava incorreta, o Facebook fez isso e pagou à Comissão Europeia € 110 milhões por fornecer informações incorretas ou enganosas.

Se a Austrália tivesse sido mais dura, se os EUA, o Reino Unido e a Comissão Europeia tivessem sido mais duros, o Facebook e o Google não seriam nada como os gigantes que se tornaram hoje. Eles podem ter atingido o pico e estar perdendo participação no mercado.

Somos capazes de dizer não

Seu futuro está em grande parte em nossas mãos. Para grandes empresas de tecnologia capazes de usar o peso de suas redes (e apenas para essas empresas), poderíamos “simplesmente dizer não” às aquisições. É difícil pensar em um motivo para prosseguir.

Se necessário, poderíamos mudar a lei para tornar o “não” o padrão.

Isso não encolheria as empresas com pressa. A maioria dos usuários do Facebook, YouTube, Twitter e similares estão presos, porque é onde seus amigos estão.

Mas onde estão os amigos muda a cada geração.

O Facebook e o Google sabem disso, e é por isso que estão tão ansiosos para assumir concorrentes iniciantes e plataformas emergentes em áreas que nunca pensaram.

Se os parássemos, não os impediríamos de crescer imediatamente, mas dificultaríamos que lutassem contra a ordem natural em que o novo e a moda substituem o antigo e previsível. É o seu medo mais profundo.


por Peter Martin Professor visitante da Escola Crawford de Políticas Públicas, na Universidade Nacional Australiana   |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -