Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Outubro 27, 2021

Razões para o impacto da pandemia ser menor na África

População jovem, ausência de asilos para idosos, exposição prévia a coronavírus, falta de testagem, resposta rápido de governos, são as hipóteses mais consideradas. África do Sul foge do perfil, assim como variantes podem agravar a situação no continente.

por Alex Ezeh, Michael Silverman e Saverio Stranges, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Houve um aumento nas mortes por covid-19 em toda a África desde meados de julho de 2021. Mas o impacto da pandemia na África Subsaariana permanece marcadamente menor em comparação com as Américas, Europa e Ásia.

As razões para isso ainda não são claras. Vários fatores foram sugeridos como potencialmente influenciando a baixa carga da doença covid-19. Estes incluem dados demográficos de idade, falta de instalações de cuidados de longo prazo, proteção cruzada potencial de exposição anterior a coronavírus circulantes, limitações do teste de SARS-CoV-2 que podem ter resultado em uma contagem reduzida de mortes e respostas eficazes de saúde pública do governo.

Em um artigo recente, nossa equipe de pesquisadores em saúde pública, liderada pela analista de saúde Janica Adams, examinou essas possíveis explicações revisando a literatura científica. O objetivo era ajudar a orientar a tomada de decisão de saúde pública para conter a covid-19.

Teorias comuns

Uma série de hipóteses emergiu da revisão da literatura. Neste artigo, exploramos as mais comuns. Mais pesquisas são necessárias para entender melhor como esses fatores contribuem para a redução da carga da doença no contexto africano.

A população jovem da África Subsaariana

A idade foi observada como um fator de risco significativo para covid-19 grave. A maioria das mortes ocorre em pessoas com 65 anos ou mais. A idade média na América do Norte e do Sul, Europa e Ásia varia de 32 a 42,5 anos. A estrutura demográfica etária da África Subsaariana é muito mais jovem – a idade média é de 18 anos.

A grande diferença na demografia por idade pode ser demonstrada comparando o Canadá e Uganda, que são semelhantes em tamanho populacional. No Canadá, a idade média é 41,1 . Cerca de 18% da população tem 65 anos ou mais. Em contraste, a idade média de Uganda é 16,7 . Apenas 2% da população tem 65 anos ou mais. O Canadá registrou quase 1,5 milhão de casos de covid-19 e 27.000 mortes em comparação com menos de 100.000 casos e 3.000 mortes em Uganda. A covid-19 tem um impacto significativo nas pessoas idosas. Os países com maiores proporções de idosos têm maior probabilidade de ser os mais afetados.

Estimativas globais de mortalidade por covid-19 em 15 de agosto de 2021. Africa Data Hub e Our World in Data , CC BY

Falta de instalações de cuidados de longo prazo

A maioria dos idosos na África Subsaariana não vive em instituições de longa permanência. Essas instalações apresentam riscos significativos de doenças infecciosas. A covid-19 afetou substancialmente as pessoas que vivem em instituições de longa permanência. Durante a primeira onda da pandemia, cerca de 81% das mortes no Canadá ocorreram nessas instalações.

Na África Subsaariana, a prestação de cuidados é principalmente deixada para as famílias. Isso limita o número de cuidadores formais e, portanto, reduz a chance de transmissão. Uma exceção a isso é a África do Sul, que tem um setor de cuidados de longa duração estabelecido. A África do Sul foi o país mais afetado da África Subsaariana. E 33% dos surtos de covid-19 na África do Sul ocorreram em instituições de longa permanência durante a primeira onda.

Potencial proteção cruzada de coronavírus circulantes locais

Foi sugerido que a exposição prévia a coronavírus circulantes poderia reduzir a gravidade da covid-19 se as pessoas desenvolveram anticorpos. Um estudo anterior demonstrou que a exposição anterior a coronavírus endêmicos resultou em menor chance de morte e menor gravidade da doença em comparação com aqueles que não foram expostos anteriormente. As interações entre humanos e morcegos são comuns em algumas áreas rurais da África.

Limitações do teste SARS-CoV-2

Há preocupações de que o teste limitado de SARS-CoV-2 possa ter resultado em uma contagem insuficiente de mortes relacionadas a covid-19 na África Subsaariana. A coleta de dados insuficiente pode significar que não sabemos realmente a incidência e prevalência de covid-19. Embora variem na África Subsaariana, os níveis de teste têm sido baixos em comparação com outras áreas do mundo.

Resposta eficaz de saúde pública do governo

A rápida resposta de vários governos africanos e organizações de saúde pode ter desempenhado um papel significativo. No início da pandemia, várias medidas foram tomadas: triagem, criação da Força Tarefa da África para o Novo Coronavírus, suspensão de voos da China e fechamento de fronteiras em 40 países africanos. Novos programas também promovem o compartilhamento de informações sobre a doença em toda a África Subsaariana.

Em contraste com os países de alta renda que se concentram nas doenças não transmissíveis, as organizações de saúde na África Subsaariana se concentram nas doenças infecciosas. A formação de instituições nacionais de saúde pública tem sido fundamental na redução de doenças infecciosas na África por meio da vigilância de doenças, diagnósticos e resposta rápida a surtos.

Mas restrições severas têm causado graves prejuízos econômicos e sociais em toda a África Subsaariana. Os bloqueios resultaram em aumento da insegurança alimentargravidez na adolescência, violência de gênero e interrupções no tratamento da malária, tuberculose e HIV. As 54 nações africanas não são todas iguais e as respostas locais devem ser adaptadas às realidades de saúde, sociais e econômicas em países específicos.

África do Sul: fora da curva

Em contraste com o resto da África Subsaariana, a África do Sul experimentou proporções mais altas de hospitalizações e mortes relacionadas a covid. A África do Sul tem uma idade mediana notavelmente mais alta e um setor de cuidados de longa duração. Além disso, as taxas mais altas de HIV e TB na África do Sul foram associadas a taxas de mortalidade por covid-19 mais altas. A prevalência de doenças não transmissíveis na África do Sul é maior do que em outras regiões, o que pode contribuir para a carga maior da doença covid-19. A África do Sul também tem melhores capacidades de diagnóstico e documentação de saúde do que outros países da África Subsaariana. Isso pode contribuir para taxas de notificação mais altas.

Recomendações

Acreditamos que a baixa idade média e uma pequena porcentagem de idosos vulneráveis ​​contribuem significativamente para as menores taxas de mortalidade de covid-19 na África Subsaariana.

Com base em nossa pesquisa, propomos várias prescrições de políticas para ajudar a melhorar a prática de saúde.

Os bloqueios levam a graves consequências para a saúde dos jovens e dos pobres no contexto africano. Portanto, a ênfase reduzida nos bloqueios deve ser considerada.

É necessária uma melhor comunicação com o público para ajudar a conter a covid-19.

Os governos devem encontrar apoio financeiro adequado para os setores vulneráveis, possivelmente de agências externas.

Os governos e agências de saúde devem garantir que a infraestrutura médica esteja disponível no caso de um surto grave, como visto com a escassez de oxigênio na Índia.

Os esforços internacionais devem priorizar o desenvolvimento de vacinas que sejam eficazes contra variantes de vírus preocupantes e a garantia de acesso equitativo a essas vacinas.

O surgimento de variantes preocupantes com maior potencial de transmissão e doença mais grave na população mais jovem pode tornar a África mais suscetível a uma grave epidemia de covid-19. Essas variantes precisam ser monitoradas por meio da vigilância epidemiológica molecular. E mais estudos são necessários para melhor compreender os mecanismos potenciais de doenças graves no contexto africano.


por Alex Ezeh, Michael Silverman e Saverio Stranges, em The Conversation   |  Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

  • Alex Ezeh, Professor de saúde global de Dornsife, Drexel University
  • Michael Silverman, ocupa a cadeira de Doenças Infecciosas, Schulich School of Medicine & Dentistry, Western University
  • Saverio Stranges, Professor e catedrático de epidemiologia, Western University

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -