Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Novembro 27, 2021

Reality polemiza ao tratar causas como commodities de celebridades

The Activist foi cancelado antes de ser exibido pela CBS, mas a relação controversa entre celebridades e causas sociais acontece o tempo todo.

por Alexandra Budabin e Lisa Ann Richey, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

A CBS rapidamente recuou após um anúncio sobre “The Activist”, um novo reality show que planejava transmitir, gerou uma reação generalizada.

O show iria colocar equipes compostas por ativistas e celebridades umas contra as outras. Eles estariam competindo para ver quem poderia aumentar a conscientização para uma causa ligada à saúde, educação ou meio ambiente. As equipes vencedoras avançariam para a Cúpula do G20 em Roma para atrair os líderes mundiais.

Os críticos atacaram o show sem ver nenhuma filmagem. Muitos disseram que a premissa corporifica o ativismo performativo, desvaloriza o ativismo popular e é digna de vergonha.

Em 15 de setembro de 2021, menos de uma semana depois de anunciar a série de cinco episódios, a emissora e seus dois co-produtores admitiram que o conceito era falho. Disseram que o cancelaram e que transformariam o show em um documentário.

Ainda não está claro qual o papel das celebridades anfitriãs – Usher , que fundou uma organização sem fins lucrativos que apoia adolescentes com poucos recursos em 1999; Priyanka Chopra, embaixadora do UNICEF; e Julianne Hough, que ajudou a aumentar a conscientização sobre a endometriose – farão parte do documentário.

Chopra e Hough imediatamente sentiram a necessidade de se desculpar com seus fãs e expressar suas preocupações. Usher não falou nada.

Não nos surpreendeu que uma grande emissora esperasse um programa ligando celebridades e ativismo para angariar telespectadores e que o conceito implodisse. Nós pesquisamos o que acontece quando as celebridades se envolver no ativismo em conjunto com as corporações. Muitas vezes descobrimos que, embora as celebridades possam ser bem-intencionadas em seus esforços, a máquina por trás de seu ativismo pode minar as causas que pretende apoiar.

Atrair o público

Starbucks, sapatos TOMS e outras empresas muitas vezes tentam transformar a compaixão por estranhos sofredores, de fazendeiros congoleses a crianças peruanas, em uma mercadoria. Celebridades são trazidas como porta-vozes para ampliar o apelo dos esforços de responsabilidade corporativa e vender mais produtos.

Para ter certeza, descobrimos que algumas celebridades, incluindo Meryl Streep e Angelina Jolie, levam mais a sério o aproveitamento de sua influência polida por meio de suas profissões. No entanto, muitas vezes vemos que muitas celebridades não investem tempo e energia suficientes para ganhar a credibilidade e o conhecimento necessários para fazer a diferença.

As celebridades se engajaram nessa defesa de alto perfil por décadas. Estrelas de cinema como Audrey Hepburn desempenhavam papéis públicos em meados do século 20 como bons samaritanos. Por causa de sua fama, as celebridades podem atrair pessoas comuns, junto com políticos, filantropos ricos e corporações, a abraçar uma causa.

Os fãs absorvem avidamente as notícias sobre as conquistas das celebridades, bem como sobre suas vidas privadas e inclinações de caridade. Como rostos familiares podem destacar suas causas favoritas, as agências humanitárias e as organizações não-governamentais costumam recorrer a celebridades para chamar a atenção para as campanhas de advocacy.

Por exemplo, as Nações Unidas recrutam centenas de celebridades como mensageiros da paz, embaixadores da boa vontade e defensores da comunicação com o público. O Projeto ENOUGH promove a estrela da NBA Luol Deng, a modelo Iman e outras pessoas famosas como o que chama de “celebridades” para aumentar a conscientização sobre as crises na África e apoiar os esforços para acabar com os conflitos lá.

Da mesma forma, as corporações fazem com que celebridades promovam linhas de produtos relacionadas a causas, como (Red), um projeto que trabalhou com Elton John, Scarlett Johansson e Gisele Bündchen para arrecadar dinheiro, inicialmente para combater o HIV / AIDS e agora também para lidar com a COVID-19 em países africanos.

Os riscos do ativismo de celebridades

Quer o objetivo seja desacelerar as mudanças climáticas, lutar contra a intolerância ou melhorar o acesso aos cuidados de saúde, quando as celebridades se engajam no ativismo, a empolgação com as celebridades pode sobrepujar o ativismo.

campanha Salve Darfur, que no seu auge reuniu mais de 190 organizações religiosas, políticas e de direitos humanos, é um bom exemplo.

A campanha acabou fracassando. No entanto, o povo de Darfur hoje ainda está em crise.

Apesar da pesquisa mostrar que as celebridades capturam, mas não conseguem prender nossa atenção, agências humanitárias e organizações sem fins lucrativos como Unicef e Oxfam International competem para garantir embaixadores de celebridades.

Quando entrevistamos trabalhadores humanitários em campo, aprendemos que visitas a zonas de crise e campos de refugiados por celebridades podem ser extremamente prejudiciais para as operações humanitárias. Sem o gerenciamento de palco de embaixadores famosos e o controle sobre suas aparições na mídia, é difícil evitar gafes que correm o risco de se tornarem desastres. Um exemplo: a atriz Elizabeth McGovern confundiu Dakar, a capital do Senegal, e Darfur quando foi para Serra Leoa com a Visão Mundial como “embaixadora”.

Os erros que ocorrem e os aborrecimentos que surgem quando pessoas famosas aparecem podem anular o propósito do engajamento de celebridades. Mas, como essas celebridades costumam vir com patrocinadores corporativos – o que significa que os trabalhadores de ajuda em dinheiro – e os moradores locais os suportam.

Ativismo de celebridades como indústria

Com o aumento da demanda por estrelas, a máquina por trás do ativismo das celebridades tornou-se mais corporativa e profissional, explicamos em nosso novo livro, “Batman Salva o Congo”.

Hoje, a maioria das grandes organizações de caridade tem ligações com celebridades em tempo integral para gerenciar dezenas de apoiadores de celebridades. Existem consultores filantrópicos, como o Grupo de Filantropia Global , que ajudam clientes celebridades a encontrar causas para representar.

Rastreamos dezenas de celebridades que têm suas próprias organizações sem fins lucrativos, sugerindo compromissos de longo prazo. Mas essas organizações às vezes são fundadas em premissas duvidosas que ignoram as necessidades locais e podem beneficiar a celebridade mais do que a causa.

Considere a Iniciativa do Congo Oriental de Ben Affleck. Vimos como, em parceria com a Starbucks, ela afirmava transformar o setor cafeeiro do Congo para promover a paz e o desenvolvimento. Infelizmente, a iniciativa não tinha expertise em produção de café e pouco conhecimento sobre desenvolvimento rural.

Apesar de professar servir um “copo de esperança”, pesquisas posteriores mostraram que essa colaboração quase não fez diferença para os agricultores que deveria ajudar.

Além disso, foi a busca de Affleck por um significado para sua própria vida, auxiliado por consultores bem pagos, que o levou a fundar esta organização, não os congoleses.

Celebridades e ativismo do consumidor

Muitas organizações lideradas por celebridades incluem parcerias corporativas na forma de linhas de marketing relacionadas a causas. Agora, os aspirantes a ativistas são incentivados a “fazer compras para apoiar” o water.org de Damon, comprando um Edição Limitada de um cálice Stella Artois.

Ou, para sustentar o livro Every Mother Counts de Christy Turlington Burns, você pode “comprar presentes que fazem a diferença” e comprar um colar de Rosa Laranja Stephanie Freid-Perenchio.

Para as celebridades, a ostentação por meio do ativismo corre o risco de distorcer a forma como as causas podem ser abordadas com mais sucesso por meio de ações coletivas, engajamento de base e doações diretas.

Uma benção para os ricos e famosos

Sem qualquer responsabilidade, vimos esses esforços geralmente fazerem pouco para ajudar as causas ou beneficiários que defendem.

Depois de estudar esse padrão por anos, queremos saber: O que o ativismo das celebridades realiza?

Isso causa um impacto, mas não da maneira que você poderia esperar. Observamos que fazer as celebridades apoiarem uma causa pode trazer maior visibilidade para a celebridade e lucros para parceiros corporativos.

O ativismo de celebridades pode suavizar ou reabilitar a reputação de uma celebridade, como no caso de Madonna e Jolie.

Também pode levar a vendas de álbuns mais altas ou mais downloads. Foi o que aconteceu com muitos artistas, incluindo a banda de rock britânica Pink Floyd e o cantor pop Robbie Williams após os shows do Live 8. O objetivo desses concertos amplamente televisionados, realizados em locais de todo o mundo em 2005, era aumentar a ajuda aos países de baixa renda.

Mesmo como um programa de TV cancelado, “The Activist”, está destinado a destacar o poder inestimável que as estrelas possuem, muito mais do que as causas que deveria.


por Alexandra Budabin e Lisa Ann Richey, em The Conversation  |  Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

  • Alexandra Budabin, Pesquisadora Sênior de Direitos Humanos na Universidade de Dayton
  • Lisa Ann Richey, Professora de Globalização na Faculdade de Negócios de Copenhagen

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -