Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Outubro 23, 2021

O Nobel de Abdulrazak Gurnah: uma introdução ao homem e sua escrita

Ele escreveu inúmeras obras que colocam questões em torno de ideias de pertença, colonialismo, deslocamento, memória e migração. Seu romance Paraíso , ambientado no leste colonial da África durante a primeira guerra mundial, foi selecionado para o Prêmio Booker em 1994.

por Lizzy Attree, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

O Prêmio Nobel de Literatura, considerado o auge das realizações para escritores criativos, foi concedido 114 vezes a 118 ganhadores do Prêmio Nobel entre 1901 e 2021. Este ano foi para o romancista Abdulrazak Gurnah, nascido em Zanzibar, o primeiro escritor tanzaniano a vencer. O último escritor negro africano a ganhar o prêmio foi Wole Soyinka em 1986. Gurnah é o primeiro escritor negro a vencer desde Toni Morrison em 1993. Charl Blignaut pediu a Lizzy Attree que descrevesse o vencedor e compartilhasse suas opiniões sobre sua carreira literária.

Quem é Gurnah e qual é o seu lugar na literatura da África Oriental?

Abdulrazak Gurnah é um escritor tanzaniano que escreve em inglês e vive e trabalha no Reino Unido. Ele nasceu em Zanzibar, a ilha semi-autônoma na costa leste da África, e estudou no Christchurch College Canterbury em 1968.

Zanzibar sofreu uma revolução em 1964 na qual cidadãos de origem árabe foram perseguidos. Gurnah foi forçado a fugir do país quando tinha 18 anos. Ele começou a escrever em inglês como um refugiado de 21 anos na Inglaterra, embora Kiswahili seja sua primeira língua. Seu primeiro romance, Memory of Departure, foi publicado em 1987.

Ele escreveu inúmeras obras que colocam questões em torno de ideias de pertença, colonialismo, deslocamento, memória e migração. Seu romance Paraíso, ambientado no leste colonial da África durante a primeira guerra mundial, foi selecionado para o Prêmio Booker em 1994.

Comparável a Moyez G. Vassanji, um autor canadense criado na Tanzânia, cuja atenção se concentra na comunidade indígena da África Oriental e sua interação com os “outros”, o romance Paraíso de Gurnah implanta multietnicidade e multiculturalismo nas costas do Oceano Índico a partir da perspectiva da elite suaíli.

Um distinto acadêmico e crítico, ele recentemente fez parte do conselho do Prêmio Mabati Cornell Kiswahili de literatura africana e serviu como editor colaborador da revista literária Wasafiri por muitos anos.

Atualmente é Professor Emérito de Literaturas Inglesas e Pós-coloniais na Universidade de Kent, tendo se aposentado em 2017.

Por que o trabalho de Gurnah está sendo celebrado – o que há de poderoso nisso?

Ele foi premiado com o Nobel por sua penetração intransigente e compassiva dos efeitos do colonialismo e os destinos do refugiado no abismo entre culturas e continentes.

Ele é um dos mais importantes romancistas pós-coloniais contemporâneos que escrevem na Grã-Bretanha hoje e é o primeiro escritor negro africano a ganhar o prêmio desde Wole Soyinka em 1986. Gurnah é também o primeiro escritor tanzaniano a ganhar.

Seu romance mais recente, Afterlives, é sobre Ilyas, que foi levado de seus pais pelas tropas coloniais alemãs quando menino e retorna à sua aldeia após anos lutando contra seu próprio povo. O poder da escrita de Gurnah reside na capacidade de complicar as divisões maniqueístas de inimigos e amigos e de escavar histórias ocultas, revelando a natureza mutante da identidade e da experiência.

Qual trabalho Gurnah se destaca para você e por quê?

O romance Paraíso se destaca para mim porque nele Gurnah re-mapeia a jornada do século 19 do escritor polonês-britânico Joseph Conrad ao “coração das trevas” de uma posição da África oriental indo para o oeste. Como disse o estudioso sul-africano Johan Jacobs, ele reconfigura a escuridão em seu coração … Em sua transação fictícia com Heart of Darkness, Gurnah mostra no Paraíso que a corrupção do comércio em sujeição e escravidão é anterior à colonização europeia, e que na África Oriental a servidão e a escravidão sempre estiveram ligadas ao social tecido.

O conto é narrado de forma tão gentil por Yusuf, de 12 anos, que descreve amorosamente jardins e várias noções de paraíso e sua corrupção enquanto ele é penhorado entre mestres e viaja para diferentes partes do interior a partir da costa. Yusuf conclui que a brutalidade do colonialismo alemão ainda é preferível à exploração implacável pelos árabes.

Como Achebe em Things Fall Apart (1958), Gurnah ilustra a sociedade da África oriental à beira de uma grande mudança, mostrando que o colonialismo acelerou esse processo, mas não o iniciou.

O prêmio Nobel de literatura ainda é relevante?

Ainda é relevante porque ainda é a maior bolsa de prêmios de literatura que existe. Mas o método de seleção de um vencedor é bastante secreto e depende de nomeações de dentro da academia, ou seja, doutores e professores de literatura e ex-laureados. Isso significa que, embora os candidatos em potencial sejam frequentemente discutidos com antecedência pelos especialistas, ninguém realmente sabe quem está concorrendo até que o vencedor do prêmio seja anunciado. Ngugi wa Thiong’o, por exemplo, é um escritor queniano que muitos acreditam já deveria ter vencido, junto com vários outros, como Ivan Vladislavic, da África do Sul.

Ganhar coloca um holofote global em um escritor que muitas vezes não recebeu reconhecimento total por outros prêmios, ou cujo trabalho foi negligenciado na tradução, dando assim uma nova vida a obras que muitos não leram antes e que merecem ser lidas mais amplamente.


por Lizzy Attree, Professora adjunta da Richmond American International University  |  Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -