Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Outubro 22, 2021

Um rendimento de cidadania incondicional e universal que combate o capitalismo

Paulo Vieira de Castrohttp://www.paulovieiradecastro.pt
Autor na área do bem-estar nos negócios, práticas educativas e terapêuticas. Diretor do departamento de bem-estar nas organizações do I-ACT - Institute of Applied Consciousness Technologies (USA).

Parece existir uma ideia que liga prestações sociais não assistencialistas a um certo liberalismo. Com isso surge o entendimento de, por exemplo o RBI, ser um instrumento do próprio capitalismo.Trata-se de um argumento compreensível, ainda assim, não tem de ser desse modo.

Existem várias alternativas que podem ajudar a mudar a história da empatia económica no mundo. Para Portugal a solução que proponho depende da alteração, dentro deste circuito, do papel dos bancos que deve ser muito limitado. Refiro-me à banca capitalista, naturalmente. Esta por ser uma força avançada do capitalismo moderno poderá subverter a lógica deste tipo de retribuição cidadã.

Conceber um rendimento único incondicional de cidadania e para todos que não sirva o capitalismo obriga ao incentivo à banca ética, cooperativa, etc… Por exemplo, quem recebesse um RBI ou similar estaria, assim, obrigado a movimentar esse dinheiro exclusivamente através de uma conta da banca ética ou cooperativa, i.e., não capitalista. Isto dito assim de forma simplista e em poucas palavras.

O capitalismo e os interesses privados estariam deste modo, grandemente, fora do circuito de administração das prestações sociais não assistencialistas. Agora o problema não seria da concepção ideológica do RBI. O mesmo acontecendo com qualquer outra participação de cidadania.

No momento em que todos ouvimos falar da banca ética ou cooperativa percebendo, como ela serve, também, para combater o capitalismo, só falta que quem pensa o RBI em Portugal tenha ideia igual, introduzindo no DNA do movimento a proposta aqui apresentada .

Só deste modo todos os envolvidos por qualquer rendimento de cidadania seriam, igualmente, donos do seu próprio banco.

Finalmente, quem melhor que a banca ética seria capaz de financiar projectos empresariais de cidadãos, que num determinado momento da sua vida, apresentam como único rendimento, por exemplo, um RBI? A banca capitalista não o seria com certeza…

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -