Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Outubro 5, 2022

Resenha: Como a África foi central para a construção do mundo moderno

Sua tecelagem cuidadosa de como o ouro e a escravidão se entrelaçaram ao longo dos séculos e continentes deixa uma coisa bem clara. Sem o comércio de pessoas pertencentes às civilizações africanas em todo o globo, mas particularmente no Atlântico, o mundo moderno não teria sido feito.

por Lauren van der Rede, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Jornalista, fotógrafo, autor e professor Howard W. French’s Born in Blackness: Africa, Africans, and the Making of the Modern World, 1471 to the Second World War, é o mais recente de uma longa carreira de intervenções literárias e jornalísticas ponderadas e significativas. Exige um relato da modernidade que considere a África como central para a construção do mundo moderno.

O principal objetivo do livro, French explica logo no início, é restaurar os capítulos-chave que articulam o significado da África à nossa narrativa comum da modernidade ao seu devido lugar de proeminência.

French traça intrincadamente, desde o início do século XV até a Segunda Guerra Mundial, os encontros entre as civilizações africanas e europeias. Estes, ele argumenta, foram motivados pelo desejo da Europa de negociar com as ricas civilizações negras da África Ocidental . Estes incluíam os impérios de Gana e Mali. A antiga região da África Ocidental era percebida como uma fonte abundante de ouro e escravos. French argumenta que é o “fundo entrelaçado de ouro e escravidão” que acabaria por dar origem ao comércio transatlântico de escravos do início do século XVI.

Uma jornada de 600 anos

Liveright/WW Norton & Company

Nascido na negritude se estende por aproximadamente 600 anos. Atravessa geografias desde os confins da Europa, através de África e das Américas. Segue a longa história da era do “descobrimento” europeu, começando com as primeiras aventuras de Portugal na África e na Ásia no final de 1400 e início de 1500, passando pelo início “modesto” do comércio atlântico de escravos em Barbados na década de 1630 até a Revolução Haitiana.

Em seguida, avança para a abolição do tráfico transatlântico de seres humanos em Londres em 1807 e a introdução da colheitadeira mecânica de algodão. Esta invenção “poderia fazer o trabalho de cinquenta negros meeiros, fato que não passou despercebido aos fazendeiros brancos do (Delta do Mississippi)”. O traçado histórico de French da construção do mundo moderno através da opressão e subjugação de pessoas negras continua durante a Segunda Guerra Mundial e além.

Citando Simeon Booker, um notável jornalista afro-americano cujo trabalho dizia respeito ao movimento americano pelos direitos civis e ao assassinato de Emmett Till , um adolescente afro-americano acusado de ofender uma mulher branca, French observa que, no início dos anos 1960, “o Mississipi poderia facilmente se classificar com a África do Sul, Angola ou Alemanha nazista por brutalidade e ódio”.

Sua tecelagem cuidadosa de como o ouro e a escravidão se entrelaçaram ao longo dos séculos e continentes deixa uma coisa bem clara. Sem o comércio de pessoas pertencentes às civilizações africanas em todo o globo, mas particularmente no Atlântico, o mundo moderno não teria sido feito.

Um acerto de contas com a escravidão

Como explica o autor, o boom das indústrias de algodão, açúcar e tabaco dos EUA coloniais simplesmente não teria acontecido sem o comércio de escravos da África. Sem esse “choque capitalista”, como French coloca, o que hoje conhecemos como Estados Unidos da América teria permanecido relativamente obscuro. Provavelmente não teria se tornado o estado de superpotência que é hoje.


Desta forma, Born in Blackness desafia enfaticamente o esquecimento deliberado das disputas europeias pelo controle dos recursos africanos. Esse processo de apagamento, explica French, começou com a “Era dos Descobrimentos” da Europa (1400-1600). A justificativa impropriamente explicada para essa época era que as civilizações européias queriam formar laços comerciais com a Ásia. Para isso, eles alcançaram os continentes, incluindo a África, por território – e, posteriormente, sujeitos.

Mas French insiste que a verdadeira razão foi o desejo sincero da Europa de estabelecer laços econômicos com a África e, em particular, a África Ocidental com suas civilizações ricas em recursos e economias baseadas em recursos.

Howard W. French. WW Norton & Company

A intervenção de Born in Blackness, então, é insistir em dar conta do papel desempenhado pelo vínculo brutal entre Europa e África. Isso foi forjado através da escravidão. É o que impulsionou o nascimento de uma economia capitalista verdadeiramente global; acelerou os processos de industrialização e revolucionou as dietas do mundo ao facilitar a globalização do consumo de açúcar.

Também é importante assinalar, como faz o francês, que a centralidade do trabalho dos africanos escravizados se estende além da mineração das plantações até a própria criação das próprias plantações. Foram os escravos que prepararam a terra para o plantio: retiraram plantas e pedras, mas, principalmente, desalojaram os povos indígenas de seus territórios.

Um mundo nascido na negritude

Ao marcar isso, Born in Blackness demonstra como o deslocamento para o qual os africanos tomados como escravos se reflete na construção da América moderna e ecoou no deslocamento das primeiras nações ou indígenas americanos.

O que está em jogo na intervenção do livro é justamente o que indica seu título: que a modernidade e o mundo moderno de fato nasceram na negritude. As transformações civilizacionais que o autor traça – econômicas, espaciais e, sobretudo, culturais em sua textura – são produto da negritude.


por Lauren van der Rede, Professora da Universidade Stellenbosch |  Texto em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -