Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Julho 4, 2022

O romance para o tempo apropriado

José Carlos S. de Almeida
José Carlos S. de Almeida
Professor de Filosofia do ensino secundário. Licenciado em Filosofia e em Direito.

allison-pataki-a-mulher-do-traidorMas, sim, o tempo certo chegou: é que surgiram as primeiras chuvas e cheira a Outono. Eis o tempo apropriado para pegar num romance histórico, enrolado no sofá, sem que os cães me supliquem para ir lá fora mais uma vez.

Compreendem o meu gozo. Respeitam a minha evasão. Ou acho que respeitam. Ou quero pensar que é isso mesmo.

Acabam por se deitar aos meus pés e embarcamos todos neste romance de Allison Pataki, A Mulher do Traidor, autora formada na Universidade de Yale e já com currículo na escrita para televisão e agências de notícias, membro da Historical Novel Society, associação dedicada à promoção da ficção histórica. Autora que já nos oferecera outro bestseller: Sissi, Imperatriz por Amor, também editado pela Topseller, chancela da 20Ι20 Editora.

É assim que nos lançamos nesta leitura à medida do tempo que faz e, munidos de A Mulher do Traidor, embarcamos no ano de 1778 e mergulhamos numa realidade pouco divulgada que é a da Revolução Americana, sempre ofuscada pela outra, a Francesa.

Estamos em plena Guerra da Independência Americana. Peggy Shippen, jovem atraente e ambiciosa é o alvo da paixão do general Benedict Arnold, o governador militar de Filadélfia. Casar-se-á com ela e irá acompanhá-la num plano diabólico, com o apoio dum espião inglês, John André, oficial do Exército Britânico e antigo amante da jovem Peggy. O objetivo destas manobras: destronar o comandante George Washington e entregar o simbólico forte de West Point aos ingleses.

Temos assim um triângulo amoroso que, sob a orientação da jovem Peggy, decide ao mesmo tempo trair o seu país. Eis, portanto a combinação perfeita para estes dias: a intriga, a tensão, os ambientes do passado, o desenlace inesperado. É um bom livro para estes dias. Dias em que devemos pedir pouco. Em que nos pode bastar, por momentos, a leitura deste romance que nos leva para bem longe e nos aconchega nessa confortável viagem.

Allison Pataki, A Mulher do Traidor, Topseller, 2016, 426 pp

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Artigo anteriorMosaico das Musas
Próximo artigoA kianda infiel
- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

A impostora

Titãs cantam: “Comida”

UNITA desmente MPLA

Além Tejo (1)

- Publicidade -