Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Outubro 27, 2021

Safadas, dai-me vinho

Eduardo Águaboa
Escritor, Ensaísta, Comentador político especializado em ideias gerais

Bar | crónica
E dizia o dito cujo, cujos ditos emocionaram tantos homens e mulheres, tantos rapazes e raparigas e tantas mãos que por abaixo escreveram os mais diversos louvores:

Artista compro que passe devagar entre as palavras.
Artista compro que goste mais de mim do que eu próprio.
Artista compro capaz de iludir a chuva
Artista compro que se faça perceber melhor quando está calada.
Bang! Bang! Artista compro, que lhe fique muito bem a paz!

Artista compro que cansada de rir tire o som das televisões portuguesas.
Artista compro que me morda os peitos aos uis e aos ais.
Artista compro que me cante boleros para mentirosos.
Artista compro que na noite dos desejos me cale a boca com três mil e tantos beijos.
Artista compro que cimente a nossa amizade em amarguras e bebedeiras.
Bang! Bang! Artista compro que voe sem asas.

Artista compro que coce comigo o umbigo quando se levanta.
Artista compro que compartilhe comigo ervas que fazem bem ao frio e à tristeza.
Enfim, num KO sumário…
Artista compro para pôr sossegada na minha mesinha de cabeceira e substitua os meus comprimidos para acordar.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -