Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Julho 14, 2024

Sucumbir ou enfrentar? Ainda o drama da escravização contemporânea

Valdete Souto Severo
Valdete Souto Severo
Doutora em Direito do Trabalho pela USP/SP, juíza do trabalho no Tribunal Regional do Trabalho da Quarta Região, professora de Direito e Processo do Trabalho da UFRGS e escritora

Eu não vou sucumbir
Avisa na hora que tremer o chão
Amiga, é agora, segura a minha mão
Você largou, largou, largou
Não tem solução
Largou, largou, largou
É libertação
Largou, largou, largou
Não tem solução
Largou, largou, largou
É libertação
Sucumbir, sucumbir, sucumbir, sucumbir
Sucumbir, sucumbir, sucumbir, sucumbir

(Roosevelt Ribeiro De Carvalho, na voz de Elza Soares)

O Ministério Público do Trabalho anunciou a realização de Termo de Ajuste de Conduta (TAC) com as vinícolas Salton, Aurora e Garibaldi. O acordo foi realizado após 207 pessoas serem resgatadas em condição de escravização nas propriedades dessas empresas. A maioria reside no estado da Bahia, o que pode implicar, além do crime de redução à escravidão, também a possibilidade de configuração de tráfico de pessoas. As notícias são de “agressões com choques elétricos e spray de pimenta, cárcere privado e agiotagem”, além – evidentemente – da ausência de registro do vínculo de emprego e, portanto, do pagamento correto das verbas trabalhistas.

A notícia causou reação. Para ambos os lados. Viralizou um vídeo em que o vereador de Caxias do Sul Sandro Fantinel exortava a prática da escravização. Há pedido de cassação do seu mandato e instauração de inquérito, mas ele segue a vida, livre e representando quem nele depositou o voto. O Ministério Público do Trabalho ingressou com demanda pedindo R$ 300,00 mil de indenização do vereador, pela prática de dano coletivo. Outra notícia dá conta de 82 trabalhadores resgatados em Uruguaiana, em condição de escravização, em duas fazendas de arroz. Eles noticiaram que desmaiavam de fome e tinham de comprar alimento por valores altos. Entre os escravizados, havia adolescentes.

Pois bem, a questão que precisa ser debatida é não apenas porque, em 2023, é ainda tão persistente a prática de escravizar pessoas. Disso falei no último artigo. Compreender a relação de tolerância desse escândalo com a dificuldade que temos em respeitar e fazer aplicar os direitos trabalhistas previstos na Constituição da República é o primeiro passo. Ao naturalizar jornadas de 12h sem intervalo e despedidas sem qualquer motivação, estamos reforçando uma racionalidade que, no limite, não vê problemas na exploração do trabalho sem pagamento e em condições degradantes.

Hoje, quero discutir outro aspecto da mesma questão. Escravizar no Brasil é um ótimo negócio, porque o sistema de justiça não consegue ter uma resposta que dê conta do escândalo que é manter pessoas nessa situação em pleno Século XXI. E o termo de ajuste de conduta firmado pelo Ministério Público do Trabalho é exemplo disso. A resposta que o ordenamento jurídico prevê para quem escraviza é a expropriação (art. 243 da Constituição) e a condenação criminal (artigo 149 do Código Penal).

Essa previsão está no texto legal por uma compreensão construída historicamente, de que não é possível que tanto estudo sobre direitos humanos, tantos avanços tecnológicos, tanto discurso sobre democracia e cidadania não resultem, pelo menos, o impedimento real (e não apenas retórico) de práticas escravistas.

Ainda assim, além de não haver notícia de pedido formal de expropriação das terras em que essas pessoas foram subjugadas, o sistema de justiça ainda se presta a realizar um acordo que premia os escravistas. No acordo feito pelo MPT, 2 milhões serão distribuídos entre as vítimas e R$ 5 milhões serão destinados a ações sociais.

Portanto, cada escravizado receberá R$ 9.600,00 de indenização.

Enquanto isso, rápida pesquisa na internet indica que a “Cooperativa Vinícola Garibaldi consolidou, no ano passado, faturamento de R$ 243,4 milhões, aumento de 29% sobre o exercício anterior” (Jornal do Comércio, em reportagem de abril de 2022). Em 2022: “a Cooperativa Vinícola Garibaldi teve um faturamento de R$ 265 milhões em 2022, cifra que significa avanço de 10% em relação à obtida em 2021” (revistanews). A Aurora alcançou em 2022 um faturamento de R$ 500 milhões (de acordo com reportagem do site Investnews). No site da Família Salton é possível ler que em 2022, a vinícola “acumulou 55 premiações internacionais” e teve o “maior faturamento já registrado em toda a sua história de 112 anos, superando os R$ 500 milhões. Com isso, a empresa se aproxima de sua meta de chegar em R$ 1 bi até 2030”.

Impressiona a disparidade de valores: entre o lucro obtido pelas empresas, o valor da indenização para as pessoas escravizadas e o valor destinado a outras ações sociais. Isso sem falar nas cláusulas do tipo “abster-se de admitir, manter ou submeter trabalhador” em “condições contrárias às disposições de proteção ao trabalho, reduzindo-o, em qualquer das suas formas, à condição análoga à de escravo” ou abster-se “de aliciar, recrutar, transportar, transferir, comprar, alojar ou acolher pessoa mediante ameaça, violência, coação, fraude ou abuso, a fim de submetê-la a trabalho em quaisquer formas de servidão e/ou em condições análogas à de escravo”. Não sei se eu ando um tanto impaciente, mas me parece realmente inacreditável que algo assim possa ocorrer no momento presente. É realmente necessário que em um acordo com o Ministério Público essas empresas assumam compromisso de não mais escravizar?

O problema, parece-me, está justamente no fato de que a ordem jurídica não é levada à sério. Pois do contrário, quem escraviza não pode empreender. Nem ter propriedade. Conseguimos que essa regra fosse incluída no texto constitucional, mas não conseguimos que ela tenha qualquer eficácia. Daí porque é preciso firmar compromisso de que tais empresas, que seguirão lucrando seus milhões, se comprometam a – daqui para frente, talvez – respeitar o pacto social vigente.

A escravização de pessoas no Brasil tem pelo menos três fatores determinantes.

É preciso pensar que existem pessoas para as quais a ordem jurídica não vale. São não-sujeitos, que podem se submeter a viver na rua, buscar alimento no lixo ou trabalhar em condição degradante. Esse pensamento atravessa a história da sociedade capitalista e ganha ainda maior espaço em sociedades colonizadas como a nossa. Por aqui, trabalhadoras e trabalhadores, gente preta ou quase preta de tão pobre, como diz Gil, foram desde sempre tratados como cidadãos de segunda categoria.

É preciso, também, estar em um ambiente de escassez de oferta de trabalho. O desemprego estrutural e a precarização das condições de trabalho é o que viabiliza a sujeição das pessoas à condições degradantes de trabalho. Afinal, elas precisam viver. Se não há emprego decente, precisam se sujeitar à indecência, porque a alternativa a isso é a morte.

Por fim, a escravização se torna tolerável e até incentivada em um ambiente fascista, pois o fascismo se caracteriza pelo culto à violência, pela visão do outro como um inimigo a ser eliminado e pela insensibilidade com quem sofre.

Esses três elementos foram altamente reforçados nos últimos anos, sendo emblemática – para a compreensão dessa realidade – a votação feita por um representante que debochou da dor, imitando pessoas sufocando, em plena pandemia.

Não sejamos ingênuas, os escravocratas do Brasil de 2023 são cidadãos de bem, brancos, homenageados, limpos e bem vestidos, familiares amorosos. Não é deles que as pessoas cotidianamente se afastam, quando andam pelas ruas. Eles não costumam despertar medo. Sentam à mesa com representantes do Estado e negociam indenizações, com as quais pretendem apagar da memória de seus consumidores os horrores da perversão escravista. E têm contado com o apoio das instituições para isso.

Daí porque usei a música cantada por Elza Soares como epígrafe. Era ela que persistia em mim, enquanto lia a reportagem sobre o acordo com as vinícolas: “sucumbir, sucumbir, sucumbir”. Eis-me aqui, ainda mais uma vez, usando esse espaço para pedir publicamente o contrário: não vamos sucumbir! Para superar a racionalidade escravista é preciso enfrentá-la, com toda a intensidade e indignação que esses fatos terríveis devem despertar.

 


Texto em português do Brasil

Fonte: Brasil de Fato

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -