Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Julho 23, 2024

Por uma nova lei para o Ensino Médio

Alex Saratt, Rio Grande do Sul
Alex Saratt, Rio Grande do Sul
Professor das redes públicas municipal e estadual em Taquara (RS), 1° vice-presidente estadual do Cpers, Secretário de Comunicação da CTB RS e Secretário Adjunto da CNTE

Uma das pautas mais destacadas no momento é a que diz respeito ao Novo Ensino Médio (NEM). Com a abertura de um ciclo político progressista e de reconstrução nacional após a vitória e posse do presidente Lula, volta o debate sobre o que fazer quanto a legislação e o projeto (em andamento) de um modelo de educação que se caracteriza pelo empobrecimento pedagógico, precariedade curricular, exclusão social, desqualificação profissional e privatismo educacional.

É importante frisar que a margem aberta pela Portaria n° 399 ainda é insuficiente e limitada, não atende por completo as demandas das entidades nacionais ligadas à educação pública organizadas no Fórum Nacional Popular de Educação e precisa avançar para o necessária revogação da Lei n° 13.415.

No âmbito das entidades e movimentos educacionais, sociais e sindicais isso é voz uníssona: revogação do NEM. Sua imposição se deu de forma autoritária, sem consulta aos maiores protagonistas e interessados: educadores, educandos e comunidades escolares e sob o signo do Golpe e do Bolsonarismo.

Se reivindica que a sociedade civil e os entes públicos tracem um novo caminho através da realização de uma Conferência Nacional de Educação que tenha foco na proposição de um projeto para o Ensino Médio que atenda as demandas democráticas, progressistas e desenvolvimentistas conectadas à Educação, ao mundo do trabalho e à cidadania.

Se a ideia motriz da revogação é correta, também é correto afirmar que ela constitui apenas um primeiro passo. É preciso articular sua recusa com a apresentação de uma nova lei educacional para o Ensino Médio que se cumpra com celeridade todo o processo (debate, formulação, aprovação e aplicação), de modo que tenhamos no governo Lula uma nova referência educacional e estrutural para a fase conclusiva da Educação Básica.

Queremos um Ensino Médio integrado – de caráter propedêutico e politécnico – para a formação das novas gerações, com todos os elementos humanistas, científicos, artísticos, históricos e tecnológicos que compõem a sociedade brasileira contemporânea presentes.

Precisamos pôr em perspectiva o fortalecimento da democracia, o desenvolvimento nacional, a participação do Estado nas políticas públicas, a inovação tecnológica e a afirmação dos direitos e funções profissionais e trabalhistas e isso só é possível com uma nova lei para o Ensino Médio.

No dia 15 de março a CNTE e a Ubes, junto com as entidades filiadas como o Cpers, Uges e Umespa, farão nas escolas, nas ruas, nas redes e nos espaços políticos o momento e lugar da luta para mudar a Educação e o Brasil. A união, combatividade e propositividade de educadores e estudantes vai balançar as estruturas.


Texto em português do Brasil

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -