Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Dezembro 9, 2022

Tancos e as Operações de Falsa Bandeira

Carlos de Matos Gomes
Carlos de Matos Gomes
Militar, investigador de história contemporânea, escritor com o pseudónimo Carlos Vale Ferraz

Operação de bandeira falsa (False flag, em inglês) são operações conduzidas por governos, corporações, indivíduos ou organizações que aparentam ser realizadas pelo inimigo, de modo a tirar partido das consequências resultantes. O nome deriva do conceito militar de utilizar bandeiras do inimigo.

Operações de bandeira falsa foram e são realizadas tanto em tempo de guerra como de paz.  A questão das armas de Tancos tem muitas das caraterísticas das operações de bandeira falsa.

Uma das operações de bandeira falsa mais conhecidas é a do incêndio do Reichstag, em 1933, supostamente por um ativista comunista chamado Marinus van der Lubbe. Hitler usou o incêndio como pretexto para aprovar a Lei de Concessão de Plenos Poderes. Sabe-se hoje que foram os nazis os responsáveis pelo incêndio, para criarem um motivo que justificasse a eliminação dos seus opositores e a tomada do poder.

Em Portugal, a operação de falsa bandeira mais conhecida é a do processo dos Távoras. O primeiro-ministro, Sebastião de Carvalho e Melo, futuro marquês de Pombal, encenou um atentando contra o rei José I para acusar e eliminar as famílias mais importantes e que lhe faziam frente.

A PIDE utilizou as suas milícias “Flechas” na guerra colonial para realizar ações contra missões protestantes em Angola, como se fossem de guerrilheiros, para forçar os missionários a abandonar as regiões onde estavam instalados.

A questão das armas de Tancos tem muitas das caraterísticas das operações de bandeira falsa.

O Ministério Público, de quem ela depende, acusa a Polícia Judiciária Militar de ter “invadido” os poderes da Polícia Judiciária, o longa manus do MP, o seu braço executor. A PJM é apresentada como um grupo criminoso, a falsa bandeira, que se conluiou com alguém para furtar material de guerra de paióis e para encenar a sua recuperação.

A PJ e o MP colocam fora de jogo um competidor no poder policial, a PJM, com acesso a informação e ao consequente poder de influenciar decisões (chantagem, em claro). Conseguem que esse competidor/adversário seja apresentado na situação de arguido de um crime, o seu diretor é preso e bem assim alguns dos seus quadros. Pelo caminho encostam à parede todo o poder político, presidente da República e governo, inclusive, a quem passam a mensagem de que estão nas suas mãos.

Com acesso privilegiado à comunicação social, que depende da PJ e do MP para as suas parangonas e as suas emboscadas políticas, este par de atores (PJ e MP) passa a dispor dos meios para uma grande operação de mistificação da opinião pública.

As técnicas de manipulação são conhecidas e obedecem aos 10/11 princípios estabelecidos e fixados por Goebbels, o ministro da propaganda de Hitler. Ainda hoje cartilha seguida pelos poderes subterrâneos, incluindo a publicidade e a ação psicológica. Empolar um facto, o assalto aos paióis, na realidade nunca a segurança nacional esteve em causa e, se esteve, a principal responsabilidade seria da PJ, que, segundo foi publicado, possuía informação do perigo e não a comunicou a quem a podia neutralizar, as forças armadas. Outro principio do condicionamento é o de inverter as causas e os efeitos. Em termos de opinião pública o caso surge centrado no eventual encobrimento da recuperação e não no furto, esse real.

A PJ forneceu as armas (argumentos) ao MP e este tomou-as como boas e acusa as forças armadas, a PJM, o governo e o Presidente da República de se terem atravessado no seu caminho, de não os deixarem atuar à sua maneira e no seu interesse, de lhes terem perturbado as suas agendas e prioridades políticas.

A acusação do MP é uma peça da luta pelo poder entre aparelhos do Estado. Nada a ver com justiça ou descoberta de verdade. É luta pelo poder nua e crua. Dura. Facadas a sério no Estado democrático, também.

A informação é um poder. Como temos visto com estupefação e repulsa no Brasil, o aparelho policial judiciário e os agentes judiciais, juízes e magistrados, são hoje os atores privilegiados para a tomada do poder de grupos de interesses, que vão da finança aos grandes negócios com o Estado, ao tráfico de influências, para que as unhas privadas se cravem nos bens públicos, na ilustrativa terminologia de «A Arte de Furtar».

Pessoalmente já participei em operações de falsa bandeira. Não há inocência nem bons sentimentos nelas, nem em quem as determina ou executa. Elas devem ser espetaculares, como as ações da seita dos Assassinos, de Hassan al Sabath, o velho da montanha, provocarem os maiores estragos possíveis e estes obter a maior publicidade e divulgação possível. É o que está a acontecer diante dos nossos olhos. Não se fala de outra coisa. Alguém estará, algures, a esfregar as mãos.

Também sei que para conhecer os autores destas ações o primeiro passo é descobrir quem beneficia com elas. Chercher la femme. Não sejamos ingénuos. Não é resposta dizer que à justiça o que é da justiça. Não se trata de justiça. Trata-se de uma ação encoberta de guerra suja. As armas, ou a tralha dos paióis, que é mais rigoroso, foram um mero pretexto para eliminar concorrentes, mesmo menores, caso da PJM, para demonstrar poder aos poderes eleitos. A mensagem aos políticos é clara. Estão a dizer-lhes que podem descobrir armas, sob qualquer forma, nos paióis deles. Ameaça e chantagem.

Os beneficiários desta acusação Tancos, são a PJ e o MP, que reforçam o seu poder como corpos determinantes das políticas do Estado. Poderes fáticos. É um dado. Os grandes prejudicados são os poderes eleitos pelos cidadãos, o governo saído de uma assembleia e um presidente eleito por voto direto. É ainda atingida a instituição armada, aquela que representa a última autoridade do soberano, as forças armadas.

Tecnicamente e sem subterfúgios: chama-se a isto um golpe. Para defesa da democracia e do Estado de Direito, em minha opinião, este golpe e os seus autores têm de ser enfrentados e desmascarados, com todos os riscos que isso comporta.


Transferência Bancária

Nome: Quarto Poder Associação Cívica e Cultural
Banco: Montepio Geral
IBAN: PT50 0036 0039 9910 0321 080 93
SWIFT/BIC: MPIOPTPL

Pagamento de Serviços

Entidade: 21 312
Referência: 122 651 941
Valor: (desde €1)

Pagamento PayPal

Envie-nos o comprovativo para o seguinte endereço electrónico: [email protected]

Ao fazer o envio, indique o seu nome, número de contribuinte e morada, que oportunamente lhe enviaremos um recibo via e-mail.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -