Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Julho 28, 2021

Timor-Leste foi o único país da CPLP a não condenar o golpe de Myanmar

M. Azancot de Menezes
PhD em Educação / Universidade de Lisboa

Enquanto a Assembleia Geral das Nações Unidas condenou de forma enérgica o golpe militar de Myanmar, tendo apelado à restauração da democracia, Timor-Leste foi o único país da CPLP a juntar-se ao grupo minoritário de países que se abstiveram na resolução contra o golpe militar, posicionando-se ao lado de países da ASEAN.

A posição de Timor-Leste, com o (triste) voto de abstenção assumido no âmbito da Resolução da Assembleia Geral das Nações Unidas sobre a Situação de Direitos Humanos em Myanmar, na sequência do golpe militar ocorrido no início de Fevereiro, pode (e deve) suscitar interrogações em relação à coerência de princípios em questões fundamentais como a solidariedade entre os povos e no âmbito moral, ético e de cidadania.

A abstenção do Estado timorense na votação demonstrou incumprimento da Constituição da República Democrática de Timor-Leste (RDTL) e  violação de vínculos assumidos através da ratificação de acordos, convenções e pactos internacionais sobre direitos humanos.

A abstenção de Timor-Leste é altamente condenável e não é coerente com a Constituição da RDTL no que diz respeito à solidariedade com os povos oprimidos.

Igualmente grave, o governo de Timor-Leste optou pela posição assumida pela ASEAN, tendo demonstrado subserviência em relação a estes países, no domínio económico e político, tendo-se esquecido do seu passado recente quando foi invadido e anexado pela Indonésia e necessitou da solidariedade de outros povos e países.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -