Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Setembro 20, 2021

Três tecnologias prontas para mudar os alimentos e o planeta

A agricultura vertical, a ciência de produzir produtos de origem animal sem animais e a agricultura de precisão podem promover redução da área de cultivo, independência da pecuária e aproveitamento máximo de insumos e área, reduzindo o impacto ambiental da produção e do trabalho, sem prejuízo para a segurança alimentar.

por Evan Fraser e Lenore Newman, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

O impacto da agricultura no planeta é enorme e implacável. Aproximadamente 40% da superfície de área adequada da Terra é usada para cultivo e pastagem. O número de animais domésticos supera em muito as populações selvagens restantes. A cada dia, mais floresta primária cai contra uma maré de plantações e pastagens e a cada ano uma área tão grande quanto o Reino Unido é perdida. Se a humanidade deseja enfrentar a mudança climática, devemos reimaginar a agricultura.

A covid-19 também expôs fraquezas nos sistemas alimentares atuais. Cientistas agrícolas sabem há décadas que o trabalho agrícola pode ser explorador e difícil, então não deveria surpreender ninguém que os proprietários de fazendas tivessem problemas para importar mão de obra para manter as fazendas funcionando enquanto lutavam para garantir que os trabalhadores do setor alimentício ficassem livres do vírus.

Da mesma forma, cadeias de suprimento de alimentos “apenas o suficiente, na hora certa” são eficientes, mas oferecem pouca redundância. E empurrar terras agrícolas para a floresta conecta os humanos com reservatórios de vírus que – quando entram na população humana – são devastadores.

Para enfrentar esses desafios, as novas tecnologias prometem uma abordagem mais verde para a produção de alimentos e se concentram em uma produção mais baseada em plantas, durante todo o ano, local e intensiva. Bem feitas, três tecnologias – agricultura vertical, celular e de precisão – podem refazer a relação com a terra e os alimentos.

 

Fazenda em uma caixa

A agricultura vertical – a prática de cultivar alimentos em bandejas empilhadas – não é nova; inovadores têm cultivado plantações em ambientes fechados desde os tempos romanos. A novidade é a eficiência da iluminação LED e da robótica avançada que permitem que as fazendas verticais produzam 20 vezes mais alimentos com a mesma pegada do que é possível no campo.

Atualmente, a maioria das fazendas verticais produz apenas verduras, como alface, ervas e microgreens, porque são rápidas e lucrativas, mas dentro de cinco anos muito mais safras serão possíveis, pois o custo da iluminação continua caindo e a tecnologia se desenvolve.

Os ambientes controlados das fazendas verticais reduzem o uso de pesticidas e herbicidas, podem ser neutros em carbono e reciclam água. Para climas frios e quentes, onde a produção de lavouras tenras é difícil ou impossível, a agricultura vertical promete o fim das importações caras e ambientalmente intensivas, como frutas vermelhas, pequenas frutas e abacates de regiões como a Califórnia.

A agricultura celular, ou a ciência de produzir produtos de origem animal sem animais, anuncia mudanças ainda maiores. Só em 2020, centenas de milhões de dólares entraram no setor e, nos últimos meses, os primeiros produtos chegaram ao mercado.

Isso inclui o “sorvete” do Brave Robot que não envolve vacas e o lançamento limitado do “frango” do Eat Just que nunca foi estourado.

A agricultura de precisão é outra grande fronteira. Em breve, os tratores autônomos usarão os dados para plantar a semente certa no lugar certo e fornecer a cada planta a quantidade exata de fertilizante, reduzindo o consumo de energia, a poluição e o desperdício.

Em conjunto, a agricultura vertical, celular e de precisão deve nos permitir a capacidade de produzir mais alimentos com menos terra e com menos insumos. Idealmente, seremos capazes de produzir qualquer safra, em qualquer lugar, em qualquer época do ano, eliminando a necessidade de cadeias de suprimento longas, vulneráveis ​​e com uso intensivo de energia.

 

A agricultura 2.0 está pronta?

Claro, essas tecnologias não são uma panacéia – nenhuma tecnologia é. Por um lado, embora essas tecnologias estejam amadurecendo rapidamente, elas não estão totalmente prontas para a implantação convencional. Muitos permanecem muito caros para fazendas de pequeno e médio porte e podem levar à consolidação de fazendas.

Alguns consumidores e teóricos de alimentos são cautelosos, perguntando-se por que não podemos produzir nossa comida da maneira que nossos bisavós faziam. Os críticos dessas tecnologias agrícolas clamam por uma agricultura agroecológica ou regenerativa que alcance a sustentabilidade por meio de fazendas diversificadas e em pequena escala que alimentam os consumidores locais. A agricultura regenerativa é muito promissora, mas não está claro se terá escala.

Podem as carnes cultivadas se tornarem comuns nos supermercados na próxima década?

Embora essas sejam considerações sérias, não existe uma abordagem única para a segurança alimentar. Por exemplo, fazendas alternativas em pequena escala com culturas mistas também sofrem com a escassez de mão de obra e normalmente produzem alimentos caros que estão além das possibilidades dos consumidores de baixa renda. Mas não precisa ser uma situação “ou / ou”. Existem vantagens e desvantagens em todas as abordagens e não podemos alcançar nossos objetivos climáticos e de segurança alimentar sem também abraçar a tecnologia agrícola.

 

Futuro esperançoso da agricultura

Ao tomar os melhores aspectos da agricultura alternativa (nomeadamente o compromisso com a sustentabilidade e nutrição), os melhores aspectos da agricultura convencional (a eficiência económica e a capacidade de escala) e novas tecnologias como as descritas acima, o mundo pode embarcar numa agricultura revolução que – quando combinada com políticas progressistas em torno do trabalho, nutrição, bem-estar animal e meio ambiente – produzirá alimentos abundantes enquanto reduz a pegada da agricultura no planeta.

Esta nova abordagem para a agricultura, uma “revolução de ciclo fechado”, já está florescendo em campos (e laboratórios) de estufas avançadas da Holanda e fazendas de peixes em Cingapura às empresas de agricultura celular do Silicon Valley.

Pepinos hidropônicos podem ser cultivados em ambientes internos com luzes LED

As fazendas de circuito fechado usam poucos pesticidas, são eficientes em termos de solo e energia e reciclam a água. Eles podem permitir a produção local durante todo o ano, reduzir o trabalho manual repetitivo, melhorar os resultados ambientais e o bem-estar animal. Se essas instalações forem combinadas com uma boa política, então devemos ver as terras que não são necessárias para a agricultura serem devolvidas à natureza como parques ou refúgios de vida selvagem.

O mundo de hoje foi moldado por uma revolução agrícola que começou há dez mil anos. Esta próxima revolução será igualmente transformadora. A covid-19 pode ter colocado os problemas com nosso sistema alimentar na primeira página, mas a perspectiva de longo prazo para essa indústria antiga e vital é, em última análise, uma boa notícia.


por Evan Fraser, Lenore Newman, em The Conversation  |   Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

  • Lenore Newman, Ocupa a cadeira de Pesquisa do Canadá, Segurança Alimentar e Meio Ambiente, Universidade de The Fraser Valley
  • Evan Fraser, Diretor do Arrell Food Institute e professor do Departamento de Geografia, Meio Ambiente e Geomática da Universidade de Guelph

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -