Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Setembro 18, 2021

“Tudo dominado”, poderá dizer Bolsonaro

Tereza Cruvinel, em Brasília
Jornalista, actualmente colunista do Jornal do Brasil. Foi colunista política do Brasil 247 e comentarista política da RedeTV. Ex-presidente da TV Brasil, ex-colunista de O Globo e Correio Braziliense.

Jair Bolsonaro não está passando por uma transfiguração. Isso serve a Toffoli, que tornou-se a antítese do que já foi. Bolsonaro está apenas assumindo sua verdadeira “persona”, a de político,  que negou na campanha, quando representou o candidato anti-sistema que prometia inaugurar uma “nova política”.

Para a democracia brasileira, este falsamente “novo” Bolsonaro, que vira as costas para os bolsominions radicais, é mais perigoso que o antigo. Agora, muito à vontade no jogo, ele amplia sua influência e controle sobre o Legislativo, via Centrão, e sobre o Judiciário, movimento iniciado com a nomeação de Kassio Nunes para o STF. Que será da democracia brasileira quando Bolsonaro puder dizer que está “tudo dominado”? Este é seu projeto.

De sua posse até à prisão de Fabrício Queiroz, em 18 de junho passado, Bolsonaro manteve-se na linha de confronto, hostilizando a esquerda e todo o campo progressista, a imprensa, a ciência, os defensores do meio ambiente, os índios e também os outros dois poderes da República. Participou de muitos atos em que o fechamento do Congresso e do Supremo eram pregados pelas faixas de seus apoiadores. A bronca devia-se ao fato de que estes poderes vinham impondo limites a Bolsonaro, especialmente quando ele ameaçava pisar na Constituição e avançar com seu projeto autoritário.

A transfiguração começou com a abertura de inquéritos no STF que envolvem ele próprio ou seus filhos, tais como o que investiga ameaças a membros da corte com disseminação de fake news, o que busca identificar os organizadores e financiadores dos atos antidemocráticos e aquele derivado das denúncias de Sérgio Moro, que tem Bolsonaro como investigado. A prisão de Queirós acelerou a mudança, começando pela atração do Centrão no Congresso, pela via fisiológica que é o traço da velha política. “É dando que se recebe”, ensinou nos anos 80 o falecido deputado Cardoso Alves, do PMDB fisiológico.

Mas foi com a inusitada indicação de Kassio Nunes para o STF que Bolsonaro avançou uma casa sobre o Judiciário.  A sacramentação do desembargador apoiado pelo Centrão incluiu também uma bênção dos ministros Toffoli e Gilmar Mendes, e foi seguida de uma confraternização na casa de Toffoli neste final de semana, presente também o presidente do Senado e o futuro ministro do STF.

Os bolsominions não suportaram a indicação do desembargador nem o abraço caloroso trocado com Toffoli e entenderam o sentido da mudança. “Ele está nos descartando e trocando de aliados”. Sara Geromini chorou as pitangas contra o governo pelo qual diz ter dado a vida. E usando palavrões pesados, embora se apresente como defensora da família, fiel aliada da ministra Damares. Silas Malafaia, Allan dos Santos, Olavo de Carvalho e outros mais estão nos cascos. Bolsonaro rebateu as críticas dizendo que o escolhido está 100% alinhado com ele, inclusive na agenda dos costume. Não escondeu que a escolha foi aparelhista.

Vingando-se de Celso de Mello, pelo trato duro que lhe dispensou como relator do inquérito advindo da briga com Moro, Bolsonaro fez e publicou o ato de indicação ao Senado  sem esperar, como manda a liturgia e a delicadeza, pela aposentadoria do decano. Elegante tem sido a senadora Simone Tebet, presidente da Comissão de Constituição e Justiça: ali não ocorrerá sabatina de Kassio enquanto Celso for ministro. É isso que ensina a boa educação. Mas Celso de Mello ainda pode despedir-se do STF aprovando seu voto a favor do depoimento presencial de Bolsonaro no inquérito Moro-PF.

Tendo enfiado uma cunha no STF, Bolsonaro vai nomear em dezembro um ministro do STJ, com a aposentadoria do ministro Napoleão, e em breve um desembargador para o lugar de Kassio no TRF-1. Vai emplacar seu auxiliar Jorge Oliveira, preterido para o STF, no Tribunal de Contas da União. Já tem o Procurador Geral da República e no ano que vem nomeará um segundo ministro do STF.

Neste ritmo, dentro de algum tempo ele poderá dizer: “tá tudo dominado”. Bolsominions e ideológicos serão descartados como bucha de laranja se começarem a atrapalhar. Tendo engolido os outros dois poderes e tendo a guarda militar a seu lado, Bolsonaro poderá, talvez, realizar seu sonho autoritário, impondo-se como autocrata, embora com os poderes funcionando. Assim morrem as democracias, pela perda da essência e manutenção da aparência.


Texto original em português do Brasil



Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -