Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Julho 23, 2024

Um Lula amplo e conciliador é que o Brasil precisa

João Carlos Gonçalves, Juruna, em São Paulo
João Carlos Gonçalves, Juruna, em São Paulo
Metalúrgico, sindicalista, Secretário Geral da Força Sindical, vice presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo.

Domingo, 30 de outubro, abri uma cerveja para comemorar a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva para presidência da República e pensei nos caminhos tortuosos que viabilizaram essa vitória.

Há seis anos enfrentamos perdas e retrocessos em nosso país. Perdas sustentadas pelo uso político de setores na justiça conflagrados na operação Lava Jato, pelo mau uso das redes sociais e pela intensa disseminação de notícias falsas.

Do nosso lado, do campo progressista, além de todas as dificuldades impostas por esse contexto adverso, lidamos com dilemas acerca da resistência de grupos sectários com relação à necessidade da formação de uma frente ampla. A crise política e econômica acentuou esse debate fracionando também o nosso campo.

Já em novembro de 2019, publiquei em alguns sites, junto com meu saudoso amigo Wagner Gomes (fundador e secretário geral da CTB – Central dos Trabalhadores Brasileiros), um artigo em que ressaltávamos a urgência de construir uma frente progressista heterogênea “que se alargue até o centro e que, muito importante, conte com pessoas que proporcionem um diálogo francamente amplo”.

Projetávamos, já naquela época em que ainda terminava o primeiro ano do governo Bolsonaro, uma composição política em defesa da democracia.

Não foi fácil! Nos debates entre as centrais sindicais para a construção dos 1ºs de Maio – Dia do Trabalhador, por exemplo, ainda que a maioria quisesse um evento o mais diversificado possível, com presença de partidos como o PSDB e o MDB, uma minoria barulhenta não aceitava, acusando os demais de entreguistas sem compromisso social.

Vencemos os sectários e em todos as comemorações de 1º de Maio sob o desgoverno Bolsonaro, apresentamos para a sociedade uma unidade forte e grande capacidade conciliadora ao agregar personalidades políticas como Lula, Fernando Henrique Cardoso, Marina Silva e Ciro Gomes.

Em outro artigo que assinei com o Wagner (como amigos, secretários de central, assinávamos muitos artigos juntos) e desta vez também com Álvaro Egea (secretário geral da CSB – Central de Sindicatos Brasileiros), chamado “A construção da unidade no 1º de Maio das centrais sindicais”, de maio de 2020, apontamos que: “Conseguimos furar a bolha e nos recolocamos com altivez no debate político. Transformamo-nos em um polo aglutinador de partidos, movimentos sociais e instituições democráticas”.

Foram projeções que se realizaram desde as primeiras articulações sobre a chapa lulista. E a vitória da democracia no dia 30 de outubro mostrou que estávamos certos.

Logo que apareceram, em novembro de 2021, na coluna da Mônica Bergamo (Folha de São Paulo), sinais da aproximação entre Lula e Alckmin, adversários em eleições passadas, renovaram-se as esperanças em nosso combalido campo progressista.

Tanto Lula quanto Alckmin sempre tiveram uma relação muito boa e produtiva com o movimento sindical e, por isso, entendemos que poderíamos ajudar nesta aproximação. Valemo-nos, então, da experiência que adquirimos em nossos 1ºs de Maio unitários e da postura moderada que o sindicalismo exige para dialogar com todos os trabalhadores.

Desta forma, nos unimos Força Sindical, UGT, CTB e Nova Central para incentivar essa aliança. Tivemos um encontro com Alckmin na Federação dos Químicos do Estado de São Paulo, onde deixamos que ele teria (e tem) todo nosso apoio para ser vice de Lula. Alckmin ainda se mostrava resoluto, mas deixava transparecer no enfoque nacional (não estadual) que dava às suas falas, uma simpatia pela aliança que nascia.

Em outro encontro, de Lula com sindicalistas da Força Sindical, falamos para o presidente: “Lula, vamos para essa eleição para ganhar. E não para marcar posição. Para ganhar é preciso ampliar o leque de alianças. Não podemos repetir a chapa pura de 2018”.

Hoje posso afirmar sem erro que ajudamos na formação desta poderosa coalizão.

O Wagner infelizmente nos deixou em agosto de 2021 e não pôde ver a chapa Lula e Geraldo Alckmin vencer, consagrando a frente ampla pela qual ele tanto lutou. Estamos aqui também pela memória dele e de tantos outros.

O que se viu na Avenida Paulista, após a apuração do segundo turno, Lula, Alckmin, Simone Tebet, Marina, André Janones, Randolfe Rodrigues, Paulinho da Força, em meio a uma multidão de brasileiros felizes, foi o mais belo retrato da democracia. Uma imagem que nos remete às Diretas Já, com políticos de várias matizes pedindo o fim da ditadura.

Estou certo de que o próximo governo será marcado pelo diálogo, pela defesa dos interesses dos trabalhadores e da sociedade brasileira, pelo fortalecimento das entidades sociais, principalmente sindicais, para que possam fortalecer as negociações coletivas.

Lula melhor que ninguém, poderá reconduzir o Brasil ao rumo do desenvolvimento com justiça social e modernidade. Ele foi capaz de vencer com todos. Será capaz de governar com outros. É um líder único, raro, que se compara a grandes líderes da história como Getúlio Vargas, Fidel Castro e Nelson Mandela.

É o que o Brasil precisa. Vamos em frente!


Texto em português do Brasil

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -