Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Novembro 27, 2021

Victor Klemperer: Idioma do Terceiro Reich

Jenny Farrel
Nascida na República Democrática Alemã, vive na Irlanda desde 1985; Ela é professora, escritora e editora. Ela escreveu um livro sobre o Romantismo Revolucionário Inglês e uma introdução marxista às tragédias de William Shakespeare. Ela escreve para a imprensa comunista na Irlanda, Grã-Bretanha, Estados Unidos, Alemanha, Brasil e Portugal e editou antologias de escrita da classe trabalhadora na Irlanda

Victor Klemperer é lembrado por seu estudo seminal da língua dos nazistas. Nascido filho de um rabino em 9 de outubro de 1881 (hoje: Gorzów Wielkopolski, Polônia), Klemperer cresceu em Berlim. Batizado Protestante, ele se voluntariou para a frente na Primeira Guerra Mundial. Com a ascensão do fascismo alemão, ele foi declarado judeu. Ele perdeu sua cátedra, sua casa, não tinha acesso a rádio, jornais ou bibliotecas, não podia publicar, ir ao cinema ou ao teatro.

  • Victor Klemperer: LTI: a linguagem do Terceiro Reich. Editora Contraponto, ISBN 978-85-7866-016-1
  • Os diários de Victor Klemperer. Editado no Brasil por S. Paulo: Companhia das Letras.

Os diários de Victor Klemperer. Editado no Brasil por S. Paulo: Companhia das Letras

Após a guerra, Klemperer apoiou o socialismo como um novo começo anti-fascista. Tendo fugido da Alemanha após o bombardeio de Dresden de 13/14 de fevereiro de 1945, ele voltou para Dresden ocupada pelos soviéticos após a guerra e foi reintegrado como professor. Ele se juntou ao “Partido Comunista, … porque queria terminar com os nazistas por razões políticas”.

Klemperer manteve um diário e, após a guerra, publicou LTI – Língua do Terceiro Reich, disponível em inglês. Klempererer, um estudioso de classe média, muito observador, compreendeu como a língua dos fascistas expressa sua desumanidade. No LTI anedotalmente escrito, Klemperer se concentra nos termos centrais deste Newspeak:

“Mein Kampf (…) fixou as características essenciais de sua língua. Após a ‘aquisição’ do Partido em 1933, a linguagem de um grupo … posse de todos os reinos da vida pública e privada”.

Klemperer nunca se identificou como judeu, mesmo depois de 12 anos de perseguição fascista. No entanto, o racismo fascista em relação aos judeus ocupa um lugar central. Ele destaca o que era novo:

“Incorporar o ódio aos judeus na ideia de raça. (…) Deslocar a diferença entre judeus e não-judeus para o sangue torna impossível qualquer compensação, perpetua a divisão e a legitima como querido por Deus”.

A preocupação em postular os judeus como um povo separado, suas implicações, aparecem em um registro diário de 8. 1. 1939:

“Parece-me uma loucura completa, se especificamente os estados judaicos estão agora para ser estabelecidos na Rodésia ou em algum lugar”. Isso seria deixar que os nazistas nos jogassem para trás milhares de anos”. (…) A solução da questão judaica só pode ser encontrada na libertação daqueles que a inventaram”.

Victor Klemperer: LTI: a linguagem do Terceiro Reich. Editora Contraponto

Em LTI Klemperer reflete sobre um aspecto da teoria da conspiração fascista:

“o adjetivo ‘jüdisch {judaico}’ … todos os adversários em um único inimigo: a Weltanschauung judaico-marxista, o filisteísmo judaico-bolchevista, o sistema judaico-capitalista de exploração, o aguçado interesse judaico-inglês, judaico-americano em ver a Alemanha destruída”.

Apesar de Klempererer ter sido crítico do comunismo até o final da guerra, ele teve amigos comunistas e descreve o destino dos comunistas nas mãos dos fascistas.

“O jardim de um comunista em Heidenau está escavado, supõe-se que haja uma metralhadora dentro dele. Ele o nega, (…) ele é espancado até a morte”( 15. 5. 1933)

Uma observação interessante é que Hitler e seus apoiadores apresentaram o “Führer” como o novo salvador:

“… o LTI era uma linguagem de fé porque seu objetivo era o fanatismo (…) o nacional-socialismo lutasse contra o cristianismo em geral e a Igreja Católica em particular, (…) o primeiro Natal após a usurpação da Áustria, (…) a “ressurreição do Grande Reich Alemão” e consequentemente o renascimento da luz, (…) o sol e a suástica, deixando o judeu Jesus completamente fora dela”.

A guerra está igualmente camuflada na terminologia cristã. A guerra “ficou conhecida como uma ‘cruzada’, uma ‘guerra santa’, uma ‘guerra do povo santo'”.

Ocasionalmente, Klemperer concentra-se demais na pessoa de Hitler como um “louco”. Pouco se encontra sobre a maior conexão com o sistema social, o capital e a economia.

Klemperer dá muitos exemplos da renomeação de milhares de localidades. Os paralelos com a renomeação anticomunista de lugares após a anexação da Alemanha Oriental são impressionantes. Na subcultura da Alemanha Oriental, certas ruas, praças, cidades continuam a ser usadas por seus nomes da RDA como forma de protesto: Dimitroffstraße, Leninplatz, Karl-Marx-Stadt.

As observações de Klemperer sobre a “Europa” também repercutem nos leitores contemporâneos:

“as ideias do ocidente que devem ser defendidas contra as forças da Ásia”. (…) Pois a Europa não está mais simplesmente cercada da Rússia – enquanto também reivindica grandes áreas de suas terras como parte do continente de Hitler por direito – mas está também em loggerheads com a Grã-Bretanha”.

Isto se liga à linguagem extremista de direita da Alemanha contemporânea, seus slogans sobre “Fortaleza Europa” como bastião contra a “Grande Substituição”.

Victor Klemperer

Björn Höcke (político da AFD): “A chamada política de imigração, que nada mais é do que uma revolução multicultural decretada de cima … a abolição do povo alemão”.  As dicas de Höcke sobre uma teoria da conspiração têm raízes na conspiração judaica mencionada acima. Tal “mistura de raças” destruiria, está implícito, a “civilização” e a “identidade” dos nativos. Teorias conspiratórias criam medo e apresentam uma imagem arrepiante do inimigo.

Como na linguagem nazista, os neonazistas de hoje reformulam semanticamente os termos cotidianos: “Pátria” e “cultura” recebem um tom racista. É apenas um pequeno passo para a violência racial.

Na linguística, o enquadramento é uma técnica pela qual duas coisas diferentes estão associadas. Quando os refugiados são comparados a desastres naturais, tais como “tsunami”, ou “enchente”, isto retrata os refugiados como desastres indesejáveis, em última análise ameaçadores de vida. Outro exemplo disso é o enquadramento dos refugiados com “segurança”. Trata-se, em última instância, de “nós” contra “eles”.

Algumas das estratégias lingüísticas mencionadas aqui, por exemplo, o enquadramento, são adotadas pela mídia do estabelecimento. Klemperer apontou a rapidez com que esta linguagem e, portanto, o pensamento se espalha na sociedade.


Texto em português do Brasil

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -