Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Outubro 27, 2021

Vozes de políticos africanos do Sahel

Beatriz Lamas Oliveira
Médica Especialista em Saúde Publica e Medicina Tropical. Editora na "Escrivaninha". Autora e ilustradora.

Ou
de mal agradecidos está o inferno cheio

Kemi Seba, Mamadou Koulibaly, Oumar Mariko, Oumar Sissoko são activistas africanos que denunciam a França

Kémi Séba, nascido em de dezembro de 1981, é escritor, ativista e líder político pan-africanista e franco-beninense. Desde abril de 2013, ele é analista geopolítico em várias televisões da África Ocidental e faz conferências sobre o pan-africanismo em muitas universidades africanas. Presidente da ONG Panfrican Urgences. Arauto do orgulho negro, ele sonha em desenraizar a África dos “tentáculos do polvo ocidental”.

Mamadou Koulibaly é um político da Costa do Marfim, presidente do LIDER, um partido político liberal clássico, fundado em julho de 2011. Foi presidente da Assembleia Nacional da Costa do Marfim de 2001 a 2011, ministro do Orçamento em 2000 e ministro de Finanças. Economia e Finanças de 2000 a 2001.

Kémi Séba

Mamadou Koulibaly

Oumar Mariko é um político do Mali, médico e conhecido ativista estudantil. Secretário-Geral da Solidariedade Africana para a Democracia e a Independência, um partido político de esquerda, concorreu três vezes ao Presidente do Mali, em 2002, 2007 e 2013.

Cheick Oumar Sissoko, nascido em 1945 no Mali. Estudante em Paris, obteve um DEA em História e Sociologia Africanas e um diploma em História e Cinema na Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales. Estudou depois na Escola Nacional Louis Lumière. Quando regressou ao Mali natal  no Centro Nacional de Produção de Cinematográfica (CNPC), onde dirigiu “Seca e êxodo rural“.Em 1995, dirigiu o filme Guimba (O Tirano), que ganhou prémios especiais do júri no Festival Internacional de Cinema de Locarno, e Yennenga Stallion no Festival Pan-Africano de Televisão e Cinema de Ouagadougou). Em 1999, Genesis foi lançado, o que deu a Sissoko outro prémio de Yennenga na FESPACO. Em 2000, dirigiu Battù, baseado em um romance de Aminata Sow Fall, que ganhou o Prémio RFI de Cinema na Fespaco em 2001. Criou uma empresa de produção chamada Kora Film.

Um outro dos seus filmes que se tornou famoso é “The Garbage Boys“.

Oumar Mariko

Cheick Oumar Sissoko

Sissoko e Oumar Mariko fundaram um partido político, Solidariedade Africana para Democracia e Independência (SADI), em 1996 de que Sissoko é o presidente. Ele foi nomeado Ministro da Cultura no Governo do Primeiro Ministro Ahmed Mohamed Ag Hamani em 2002 [ e permaneceu Ministro da Cultura no Primeiro Ministro do Governo Issoufi Ousmane Maiga, nomeado em 2 de maio de 2004. ] Em 8 de agosto de 2007, após a morte do ministro da Educação Nacional Mamadou Lamine Traoré em julho, Sissoko foi nomeado ministro da Educação Nacional, enquanto permaneceu ministro da Cultura. Não foi incluído no governo nomeado em 3 de outubro de 2007.

Os sentimentos anti franceses e anti coloniais emergem na zona do Sahel.

A Operação Barkhane é uma operação anti-terrorismo em curso na região do Sahel, na África, iniciada em 1 de agosto de 2014. Consiste em uma força francesa de 4.500 soldados, com sede permanente em N’Djamena, capital do Chade.

Há cerca de uma semana Emmanuel Macron declara querer repensar Barkhane, com mais europeus ao seu lado.

E porquê?

Em 15 de novembro, na Praça da Independência, em Bamako, manifestações com fortíssimos slogans anti franceses. Organizada oficialmente para apoiar as Forças Armadas do Mali (Fama) atacadas de todos os lados no norte e no centro do país, a manifestação de alguns milhares de pessoas, tal como a da semana anterior, foi anti-francesa. No mesmo local em que, em fevereiro de 2013, poucas semanas após o início da Operação Serval,uma operação militar francesa no Mali. O objetivo da operação era expulsar militantes islâmicos do norte do Mali. François Hollande foi aclamado como salvador por uma multidão de habitantes de Bamako, portanto o símbolo é forte. Especialmente porque agora encontra eco além das fronteiras do Mali. No final de maio, uma demonstração semelhante ocorreu em Niamey, capital do Niger. Em meados de outubro, é desta vez em Ouagadougou, capital do Burkina Faso onde várias centenas de manifestantes exigem a saída da França.

Vagas de ressentimento difuso, às vezes confuso e anti-francês no Sahel. Mais intensas no Mali e no Burkina Faso, onde dezenas de soldados e civis são mortos todos os meses e regiões inteiras estão agora fora da autoridade do estado. Esses ressentimentos contra o antigo poder colonial certamente não são novos. E ainda estão longe da violência sofrida pelos franceses na Costa do Marfim.

Porque reagem mal estas populações tão apoiadas pelos franceses?

Um sonho de Macron não realizado? Em 2017 Macron reuniu-se com tropas francesas implicadas na Operação Barkhane. Esta foi sua primeira viagem fora da Europa como presidente da França

Conclusão: tire a sua!


Por opção do autor, este artigo respeita o AO90


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -