Diário
Director

Independente
João de Sousa

Domingo, Julho 14, 2024

2023 – Greves

A greve é a interrupção voluntária coletiva do exercício profissional de uma atividade remunerada por tempo previamente anunciado publicamente e que se executa ao abrigo da Carta Internacional dos Direitos Humanos; da Constituição da Republica; e outros mecanismos legais; para demonstração publica de descontentamento existente dos assalariados com as suas entidades patronais por motivo diverso sendo que, a exigência do aumento do salário auferido sempre foi e continua a ser a essência da luta pela manutenção,  nuns casos, e de manutenção e melhoria das condições de vida, em regra,  levada a cabo pelos trabalhadores por conta de outrem, ao longo dos séculos.

Estes episódios sociais obrigam o Estado à salvaguarda Constitucional da prestação pelos setores grevistas dos serviços mínimos de forma a garantir a salvaguarda possível dos direitos liberdades e garantias que todos os demais cidadãos de forma a que possam continuar as suas vidas com a normalidade possível.

A greve surge na envolvente do trabalho coletivo ao serviço de outrem.

Numa primeira fase a memória da contestação coletiva usando como arma o não exercício de atividade profissional de forma organizada aparece no domínio das explorações agrícolas no auge dos latifúndios e que se agudiza com a transição do exercício de trabalho agrícola  para o trabalho nas fábricas,  ja em plena revolução industrial, com formas de luta organizada levadas a cabo por grupos de trabalhadores organizados em torno de sindicatos setoriais para conseguirem uma maior mobilização com impacto social e politico conducentes à concretização das suas reivindicações.

Nesse sentido, e para uma maior abrangência nacional e internacional internacional convergiram esforços em federações e confederações no mundo.

Curiosamente a primeira greve com registo histórico aconteceu “no ano 29 do reinado de Ramsés III (1194 – 1163 a.C.), o último dos grandes faraós do Egipto, no dia 10 do segundo mês de péret e foi levada a cabo pelos trabalhadores de Deir el-Medina.”*

Outras se sucederam em períodos distintos da História sempre com o desígnio da libertação da exploração dos povos e por  melhores condições de vida no trabalho com especial enfoque nos períodos da revolução agrária que implementou o feudalismo e a revolução industrial que criou mecanismos monopolistas de gestão da riqueza coletiva produzida pelos povos em beneficio de alguns e que agora se confrontam com a era das novas tecnologias que objetivamente visam a dispensa da mão de obra sem que os seus mentores se apercebam das contradições dantescas que ocorrerão baixando a procura por manifesta perda de rendimento e aumentando a oferta por falta da procura citada assim como a instabilidade social a que já estamos a começar a assistir.

O conhecimento entretanto adquirido sendo um bem não é um fim porque alimenta a mente mas, não enche a barriga; não evita a fome; não veste as pessoas; não trata as doenças; não garante habitação; não fornece energia; não trata da cultura; não garante futuro às crianças;

Em suma: não assegura continuidade à espécie nem à vida!

Daí que a grande greve geral ainda esteja por acontecer e as diversas classses sociais e profissionais se devam preparar para a sobrevivência ultrapassando a visão minimalista do salário em favor de uma visão macro em torno do controlo politico e social publico das reservas naturais; a sua transformação; a distribuição; para que consigam ter acesso ao consumo e, à vida!

 

Nota

*Wikipédia. Nova-Universidade de Lisboa


Por opção do autor, este artigo respeita o AO90

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -