Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Dezembro 9, 2021

23 de Fevereiro de 1987 Zeca deixa-nos para nunca mais nos deixar

zecaInspiração, pela recusa permanente do caminho mais fácil e da acomodação; no combate ao fascismo salazarento; na denúncia dos oportunistas, dos “vampiros” que destroçaram Abril; no canto da cidade sem muros nem ameias, do socialismo, da “Utopia”.

As suas canções decoradas por várias gerações; a maior parte dos temas de Zeca Afonso dão corpo, enquanto voz de resistência mas também como voz pura brotando das raízes do ser português, ao imaginário de um povo que durante a ditadura decorou e entoou intimamente os versos de revolta de “Vampiros” ou de “A Morte Saiu à Rua”, ou que fez de “Grândola, Vila Morena” o seu hino de utopia e libertação.

Afinal, o Zeca não nos deixou!

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -