Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quinta-feira, Junho 24, 2021

50 Cent e Ice Cube são os negros que garantirão a reeleição de Trump?

50 Cent e Ice Cube não representam nem o pensamento político negro difundido, nem uma carta escondida no bolso de ativismo pró-Trump entre homens negros.

por Sam Fulwood III, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

A julgar pela breve, mas furiosa, enxurrada de notícias recentes e relatórios da mídia social sobre a campanha presidencial de 2020, o destino da eleição pode muito bem ser decidido por uma onda de apoio ao presidente Donald Trump, anteriormente não detectada, por jovens negros.

Nos últimos dias da campanha, um par de artistas de hip-hop – 50 Cent e Ice Cube – chamou a atenção política ao expressar apoio a Trump ou, pelo menos, disposição de trabalhar com ele em um segundo mandato.

Especificamente 50 Cent, nascido Curtis James Jackson III, endossou a reeleição de Trump em um post no Twitter, dizendo temer que o candidato democrata à presidência, Joe Biden, aumentaria seus impostos. “Sim, eu não quero ter 20 centavos”, escreveu ele, observando que impostos mais altos sobre os ricos “é uma ideia muito, muito ruim. Eu não gosto disso.”

De sua parte, Ice Cube – nascido O’Shea Jackson – não endossou exatamente Trump. Ele reconheceu em entrevistas que conversou com funcionários da campanha de Trump sobre o interesse deles em seu Contrato com a América Negra. Ice Cube revelou seu contrato de 13 pontos em julho como uma resposta aos protestos públicos após o assassinato de George Floyd, descrevendo-o como “um projeto para alcançar justiça econômica racial” com propostas abordando reformas financeiras, policiais, de justiça criminal e educação.

Ao entreter uma conversa com a campanha sobre suas propostas, Ice Cube permitiu a abertura para um conselheiro da campanha de reeleição do presidente tweetar que o rapper estava a bordo do Team Trump, exagerando a realidade da situação.

Como um estudioso da interseção de raça, política pública, eleições, mídia e cultura popular, sei mais do que o suficiente sobre este assunto para dizer com autoridade que 50 Cent e Ice Cube não representam nem o pensamento político negro difundido, nem uma carta escondida no bolso de ativismo pró-Trump entre homens negros.

Pelo contrário. Eles são discrepantes dentro da grande comunidade eleitoral negra – que inclui jovens negros – e é improvável que afastem um número considerável de eleitores negros do candidato democrata na eleição de 3 de novembro.

 

Pequeno apoio a Trump

Em um estudo realizado no início deste verão com colegas do Centro para Estudos Presidenciais e Congressionais e Escola de Comunicações da American University, descobrimos que Trump é extremamente impopular entre os negros americanos.

Por exemplo, entre todos os 1.215 negros americanos entrevistados durante o início de julho em seis estados decisivos (Wisconsin, Michigan, Pensilvânia, Carolina do Norte, Geórgia e Flórida), apenas 7% disseram que pretendiam votar em Trump e 66% disseram que planejava votar em Biden.
Entre apenas os homens negros, 10% disseram preferir Trump, um número que é apenas ligeiramente superior ao apoio geral entre os negros americanos, mas muito menor do que os 60% dos homens negros que disseram preferir Biden. Quase um terço, 29% dos homens negros disseram que votariam em outra pessoa ou não sabiam a quem apoiariam.

Nossas descobertas são consistentes com os padrões históricos de votação dos negros. Na verdade, desde o movimento pelos direitos civis do final dos anos 1960, os candidatos presidenciais republicanos não conseguiram mais do que 13% dos votos afro-americanos.

De acordo com números coletados e analisados ​​pelo Pew Research Center, Trump coletou 8% dos votos expressos pelos negros americanos em 2016, o que foi um pouco melhor do que os 6% que foram para o candidato do Partido Republicano, Mitt Romney, em 2012.

É claro que o apoio dos negros ao candidato democrata Barack Obama estava fora das paradas. Ele tinha 91 pontos de vantagem em 2008 e 87 pontos em 2012.

Pesquisas mais contemporâneas sugerem que o apoio de Trump entre os negros americanos ficará de acordo com os precedentes históricos. Como observou um relatório recente do Gallup, é “altamente improvável” que esse padrão de votação dos negros americanos mude durante esta eleição:

A recente pesquisa do Wall Street Journal / NBC News de 13 a 16 de setembro concluiu que Biden lidera Trump entre os eleitores negros por 90% a 5%. Dados agregados da Gallup de pesquisas conduzidas de 30 de julho a 12 agosto e 31 de agosto a 13 de setembro mostram a aprovação de Trump – um substituto bruto da probabilidade de votar em Trump – com 11% entre os negros americanos, com desaprovação com 87%.

E de acordo com uma nova pesquisa CBS-BET divulgada em 25 de outubro, apenas 8% dos prováveis ​​eleitores negros dizem que votarão em Trump. No entanto, de acordo com o relatório da CBS News sobre a pesquisa, “Metade dos idosos negros dizem que estão apoiando Biden principalmente porque gostam dele, mas esse (apoio) cai para 28% entre os eleitores negros com menos de 30 anos”.

Em vez de uma oscilação total de apoio dos eleitores a Trump ou ao Partido Republicano após 50 Cent e Ice Cube, nossa pesquisa sugere que muitos afro-americanos mais jovens – com homens negros nascidos nos últimos 20 anos liderando – estão tão desiludidos com a política que podem optar por não participar na eleição.

 

Qual é o ponto?

Muitos negros americanos que são novatos ou relativamente novos na votação nos disseram em grupos de discussão que não vêem sentido em escolher entre o menor dos dois males.

Ao contrário de seus pais e avós que viveram através da segregação racial, o movimento pelos direitos civis e uma transformação radical e racial da sociedade americana, jovens negros que cresceram nos últimos 30 anos nos disseram em grupos de foco que eles têm pouco ou nada que eles podem citar como exemplos de progresso que podem ser atribuídos diretamente à política – ou ao voto.

Para ter certeza, muito do que eles experimentaram em suas vidas foram as consequências negativas do impasse político em Washington, a persistente desigualdade econômica, o aumento das disparidades de saúde que afligem suas comunidades e o esmagamento das dívidas de empréstimos estudantis que aumentam a riqueza com a compra de uma casa e estabelecimento de poupança quase impossível. E talvez o mais mortal e dramático seja o ressurgimento das ondas de racismo e violência policial dirigidas contra eles e seus entes queridos.

Não é de admirar, portanto, que alguns homens negros – especialmente aqueles que desejam desesperadamente se engajar na política para melhorar as condições para si próprios e suas comunidades – possam buscar alternativas ao status quo da política. É nesse abismo de desespero e desilusão que a campanha de Trump parece estar buscando um ponto de apoio ao fazer parecer que jovens negros estão entrando em formação com sua campanha.

Nada poderia estar mais longe da verdade. Ou como os rappers gostam de dizer: não acredite no hype.


por Sam Fulwood III, Fellow do Centro para Estudos Congressionais e Presidenciais da Universidade Americana    |   Texto original em português do Brasil com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos