Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sexta-feira, Junho 21, 2024

A carta que não te enviei

Quando me olho no espelho e com a ponta dos dedos trilho os contornos das minhas rugas, mapeando as minhas vivências, uma dolorosa nostalgia acompanha-me, e um rio de lágrimas desagua no amargo sorriso tatuado no conformismo, aceito o efeito do tempo em mim, penteio a grisalha juba, meu coração reivindica a tua ausência, suspiro profundamente, e outra vez não me permito te querer…

E todos os dias te renego em meu fôlego

E como um pecado mortal, resistes à minha vontade.

Aqui estou eu escrevendo esta carta que certamente não a enviarei, sei que vou esmaga-la com toda a raiva e deixar que o tempo cure esta carência, e talvez ela traga para mim um novo amor em forma de balsamo milagroso.

Te busco na madrugada, quando o meu cansado querer se rende ao gritante silêncio da saudade.

Quando me isolo das penitencias que corrompem o meu desejo.

E no meu intimo, o meu querer resiste a cada tentação, fortificando a devoção.

Uns chamam de amor.

Outros de dependência.

E eu … Eu só sei que me proíbo de te querer, justificando cada regra, abafando as excepções me negando a te ter.

As lembranças de tudo que já vivemos, magoa meu ego e me nega o sossego… Decorei o meu intimo com mil motivos para te esquecer, mas quando te vejo não consigo parar de tremer.

E outra vez, as noticias na radio anunciam a subida de preços, e outra vez um criminoso absolvido… A seca continua, sem uma gota de solidariedade, o pouco que vai, desagua em outros mares… Estou aqui esperando o sinal do satélite largado na rua da vaidade, para enfeitar ambiguidades.

Talvez te querer não seja pecaminoso, mas não te ter, é certamente algo doloroso. Sobe o salário, aumentam as necessidades e quando encontramos braços dispostos a abraçar nos sentimos invadidos.


A autora escreve em PT Angola


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -