Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Setembro 27, 2021

A direita europeia será destruída por suas ideias?

As diferenças ideológicas entre os diversos perfis de direita na França são irrelevantes em sua liberalidade e austeridade, mas tentam se afirmar assumindo pautas rejeitadas anteriormente como meio ambiente e enfatizando o personalismo de seus líderes.

por Emilien Houard-Vial, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Como a perspectiva da eleição presidencial de 2022 na França é cada vez mais sentida e as campanhas pré-eleitorais são lançadas na direita sem um desempate claramente definido, os candidatos de direita fora e dentro dos muros estão tentando afirmar sua sensibilidade ideológica particular. Xavier Bertrand, portanto, clama pelo gaullismo social , enquanto Valérie Pécresse clama por Angela Merkel e Margaret Thatcher e Eric Ciotti ocupa o nicho da “direita forte” .

No entanto, essas tentativas de distinção muitas vezes lutam para se materializar nos programas, que muitas vezes revelam apenas diferenças superficiais ou formais. Já em 2016, com exceção dos projetos de Nathalie Kosciusko-Morizet – com tom modernista – e Jean-Frédéric Poisson – com tom conservador – os candidatos às primárias de direita e de centro pareciam se destacar muito mais por seu ethos e seu curso político do que por suas ideias.

Surge então a questão de saber qual é o estado da diversidade ideológica da direita francesa em um momento em que parece mais fragmentada do que nunca desde a criação da União por um Movimento Popular (UMP, fundada em 2002), às vezes tentada pelo macronismo , às vezes por diálogo com a extrema direita, e muitas vezes presa em um incômodo intermediário estratégico do qual aguarda dias melhores. Acima de tudo, podemos realmente identificar pontos substanciais de desacordo que complicariam a manifestação tão esperada por Les Républicains?

Imigração, segurança e identidade: um acordo radical

Ainda era possível, cinco anos atrás, identificar dentro da direita diferenças significativas de apreciação dentro do tríptico de imigração-segurança-identidade que marcou os grandes dias do mandato de cinco anos de Sarkozy. O UMP, que entretanto se tornou Les Républicains (em 2015), então se destacou entre aqueles que queriam continuar e aprofundar os sotaques de direita antes encorajados por Patrick Buisson, e aqueles que viram uma deriva que levou à derrota de 2012 . É assim que vimos o surgimento do tema da “identidade feliz” realizada por Alain Juppé, enfatizando a tolerância às diferenças e a aceitação dos imigrantes – diferença certamente mais formal do que substancial, mas que suscitou duras críticas de “ingenuidade” por parte de seus oponentes da época.

Alain Juppé candidato insatisfeito para as primárias de direita em novembro de 2016, antes das eleições presidenciais de 2017

Desde então, ele deixou seu partido e sua política, e a retórica que beirava as da extrema direita sobre imigração e segurança (ou mesmo a ligação entre as duas) tornou-se uma constante entre os barões da lei. A primeira parte do projeto europeu dos republicanos, intitulado “Fronteira Europa”, propõe, assim, realocar o processamento de pedidos de asilo para fora da Europa, trazer de forma sistemática os barcos de migrantes para a África ou denunciar o Pacto de Marrakesh assinado pela França em 2018, naquele “incentiva a imigração e promove o multiculturalismo”.

Hoje, as diferenças em questões de identidade, migração ou segurança permanecem muito reduzidas, mesmo entre os executivos da franja dita “moderada”, como Valérie Pécresse, e os da franja dita “dura”, como Laurent Wauquiez. Se este último de fato incomodou muitos republicanos durante sua presidência, foi menos por suas posições sobre imigração – assunto ao qual ele rapidamente dedicou uma convenção temática – do que por sua retórica que provavelmente assustará os eleitores da extrema direita anti-Lepéniste, como ilustra o episódio do folheto “Para que a França continue a ser França”.

Além disso, sua expulsão em junho de 2019 não mudou a linha do partido neste assunto, assim como a importância dos temas de identidade nos discursos de potenciais candidatos de direita.

Um consenso cultural mais ou menos ruidoso

As questões culturais, sem dúvida, representaram um aspecto importante do discurso da direita durante o quinquênio Hollande, desde a adoção do casamento para todos às suspeitas de inclinação anti-aborto de François Fillon. A direita teve então a oportunidade de sair às ruas para se opor ferozmente aos projetos da esquerda, relembrando o apogeu da oposição ao PACS ou à lei Savary .

Esses assuntos não representam uma oportunidade para o direito à divisão, como havia sido o caso durante a votação da Lei do Véu em 1974: com algumas exceções – como os cinco deputados da LR que votaram a favor do recente projeto de lei? bioética – a direita francesa afirma-se amplamente como conservadora e não deixou de dar voz a este forte marcador de distinção em relação à esquerda.

No entanto, se o mandato de cinco anos de Emmanuel Macron foi a ocasião para uma eclosão de controvérsias na mídia sobre escrita inclusiva, “interseccionalidade” ou “islamoesquerdismo”, a questão da preservação da ordem social e moral não foi apresentada tanto pela direita, devido tanto à timidez reformista de um governo que tem em suas fileiras uma série de ex-LRs, quanto ao baixo potencial eleitoral que esses sujeitos, em última análise, representam para além do núcleo duro da direita conservadora.

A ascensão do problema ecológico

Por outro lado, a ecologia tem representado um tema cada vez mais importante para a direita, que até então tinha feito uma quantidade desprezível – se não fosse um aparte em meados dos anos 2000, entre a Carta e o Grenelle de l ‘Meio Ambiente. No entanto, seguindo a pontuação inesperada de ecologistas europeus de 2019 e as notícias climáticas cada vez mais ameaçadoras, os republicanos aceleraram sua transição programática, com duas convenções sobre ecologia em um ano (uma sobre poluição e preservação do meio ambiente, outra sobre aquecimento global) e um livreto de programa dos deputados da LR.

Jacques Chirac visita uma exposição dedicada à reciclagem de resíduos na aldeia de Ubuntu no pavilhão francês, 2 de setembro de 2002, durante a cúpula para o desenvolvimento sustentável em Joanesburgo

A verdadeira mudança está no lugar que o tema ecológico assumiu no discurso dos republicanos: tornou-se plenamente funcional quando o partido decidiu não mais “simplesmente” desafiar o monopólio dos ecologistas e, em vez disso, optou por uma abordagem mais confrontadora: defender uma ecologia razoável e fundamentada contra uma ecologia “punitiva”, “totalitária”, “esquerdista” e catastrofista. Ao opor uma ecologia de direita específica a uma ecologia de esquerda, LR pode, assim, tornar o meio ambiente um marcador de distinção a ser destacado em sua expressão pública.

O assunto é, no entanto, muito “novo” no direito a suscitar divisões internas. Talvez no futuro se oponha uma tendência “tecno-otimista”, vendo o progresso científico como saída para a crise climática, e uma tendência “conservadora-romântica” centrada na preservação da terra e na desconfiança da modernidade. Mas, por enquanto, a ecologia de direita é amplamente marcada por um consenso em torno da manutenção da energia nuclear, sobriedade energética e inovações tecnológicas, resumidas na fórmula do “crescimento verde”.

Europa, o fim do casus belli

A Europa há muito é o principal motivo de disputas ideológicas dentro do pólo de direita, dividida entre soberanistas ligados à memória do General De Gaulle, como Philippe Séguin e Charles Pasqua que lideraram a campanha contra o Tratado de Maastricht à direita, e s apoiadores da construção europeia, incluindo Valéry Giscard-d’Estaing e Edouard Balladur. A rejeição de qualquer compartilhamento de soberania e protecionismo econômico e cultural também apareceu como uma luta pela reivindicação de uma herança ideológica já amplamente enfraquecida pela virada (neo) liberal da direita pós-gaullista.

A situação parece ter mudado muito desde então. A aposentadoria política de Seguin e a aventura fracassada de uma nova versão para o RPF de Pasqua marginalizou a soberania dentro da recém-criada UMP, apoiando um Jacques Chirac agora definitivamente comprometido com a construção europeia.

O presidente da UMP, Nicolas Sarkozy, discursa em favor da União Europeia em 6 de março de 2005 em Paris.

Em 2005, 90,8% dos membros votaram a favor da moção em apoio ao Tratado que estabelece uma Constituição para a Europa, liderada pelo então euro-entusiasta Nicolas Sarkozy, que também aprovou o tratado de uma forma modificada em 2007, apesar da rejeição anterior do referendo.

É certamente difícil dizer que hoje não há cabeça à vista na questão europeia. A gestão da crise financeira pela União Europeia e as suas dissensões internas não deixaram de despertar uma certa desconfiança alimentada por Marine Le Pen quando estava à frente do FN, e o espantalho federalista não deixou de abrir o seu buraco de direita. No entanto, o partido chegou a um compromisso em 2019 em torno da dupla soberania francesa na Europa, uma forma de preservar a capacidade de ação da França sem abrir mão do projeto político europeu.

Apesar das diferenças de registo, parece improvável que a direita se desagregue na questão europeia.

Novos dados

Difícil, a priori, ser mais consensual na direita do que nas questões econômicas. Dividida nos primeiros dias da Quinta  República entre gaullistas estatistas e republicanos liberais, a direita desde então convergiu amplamente para um modelo liberal e econômico, favorável à redução da pressão fiscal e à queda da regulação estatal da economia – mesmo que a França nunca foi um dos países economicamente mais liberais. Florence Haegel explica em 2017:

“Se examinarmos as propostas programáticas dos vários candidatos às primárias presidenciais de direita, vemos não apenas que as questões econômicas não nos permitem distingui-los, mas que os pós-gaullistas às vezes acabam sendo os mais liberais.”

No entanto, as coisas mudaram desde então. Assim, a vitória de Emmanuel Macron e La République en Marche incorporou um liberalismo autoconfiante – por exemplo, conseguindo a abolição do imposto sobre a fortuna (ISF) que os governos de Fillon não haviam assumido – e forçando os republicanos a encontrar algo para se distinguir para não parecer “atrás” do governo.

Além disso, a ineficácia da estratégia da direita – que desde 2012 não conseguiu reduzir a pontuação da Frente / Rally Nacional – tem sido para alguns a prova de que a solução para recuperar seus eleitores não está apenas nas questões de imigração e segurança, mas também em respostas concretas à ansiedade social e à falta de perspectivas futuras.

A crise do coronavírus também evidenciou as consequências das políticas de austeridade postas em prática pela direita sobre os serviços públicos (em particular os hospitais) e, assim, sublinhou a fragilidade de certas populações perante os perigos.

Finalmente, o surgimento de uma nova geração de parlamentares ou executivos locais não se envolveu no desenvolvimento das ditas políticas de austeridade que a direita continuou a defender durante o quinquênio Hollande, dividindo um pouco mais as tropas.

Vimos assim o jovem secretário-geral do partido Aurélien Pradié pedir que “questionemos” o liberalismo no início da pandemia, rapidamente repelido pelo ex-ministro da Economia, Eric Woerth, que teme a tentação da “frouxidão” em questões orçamentárias.

Valerie Pecresse agradece seu apoio saindo de uma reunião em 20 de julho de 2021 com o grupo Les Republicains, antes de sua campanha eleitoral para a Presidência da República

É claro que a direita não desiste tão cedo do seu objetivo de redução da despesa pública ou do seu desejo de promover prioritariamente a atividade das empresas privadas. Nesse sentido, as propostas dos candidatos da direita “social” e da direita “liberal” variam muito pouco. No entanto, o questionamento da doxa econômica da direita, embora fragmentário, não é raro, como a proposta de aumento significativo de salários de Guillaume Peltier ou o apelo para “desistir de pensar o orçamento bruxello-neolibérale” de Julien Aubert. A direita, sem dúvida, nunca será coletivista, mas aos poucos poderá duvidar da capacidade da retidão orçamentária, da política de esforço e pelo menos do Estado em preservar sua base eleitoral.

À direita, a batalha de sensibilidades e personalidades, mais do que ideias

Assim, é altamente improvável que as questões ideológicas sejam um obstáculo para qualquer reunião de líderes de direita, principalmente se os republicanos conseguirem organizar um método de seleção baseado na reconciliação formal ou informal das diferentes “sensibilidades” da direita. , marcado por referências históricas preferenciais ou registros lexicais específicos.

Mais ainda do que em 2016, o que se avizinha é uma batalha de personalidades, cada um com a imagem pessoal que pretende destacar e os assuntos sobre os quais ouve enfatizar. Como Pascal Perrineau já escreveu em 2016 antes das primárias anteriores, “as diferenças programáticas entre os diferentes componentes da direita clássica e do centro permanecem modestas” e “os eleitorados potenciais dos vários candidatos compartilham os mesmos credos”, uma espécie de passagens obrigatórias para aqueles que desejam construir consenso dentro de sua família política.

Longe do princípio do “o vencedor leva tudo” que as primárias podem sugerir, o candidato da direita não será capaz, seja qual for a forma como for nomeado, de impor aos seus correligionários mais do que um estilo e um ethos que visam revestir um projeto ideológico já amplamente determinado, mesmo inconscientemente.


por Emilien Houard-Vial, Doutorando em ciência política, Centro de Estudos Europeus (Sciences Po), Sciences Po. O autor desenvolve sua tese sob orientação de Florence Haegel  |  Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -