Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Setembro 20, 2021

A disputa entre EUA e Rússia pelo Ártico em derretimento

A Rússia reivindica território, reconstrói bases militares e faz testes de armas, enquanto a Groenlândia dispõe de metais e terras raras.

por Rockford Weitz, em The Conversation | Tradução de Cezar Xavier

Por décadas, o Ártico congelado foi pouco mais do que uma nota de rodapé na competição econômica global, mas isso está mudando à medida que seu gelo derrete com o aquecimento do clima.

A Rússia está agora tentando reivindicar mais do fundo do mar Ártico para seu território. Ela está reconstruindo bases militares do Ártico da era da Guerra Fria e recentemente anunciou planos para testar seu torpedo Poseidon de propulsão nuclear no Ártico. Na Groenlândia, a recente eleição marcou o início de um novo governo pró-independência que se opõe à mineração estrangeira de metais de terras raras à medida que sua camada de gelo diminui – incluindo projetos com os quais a China e os EUA contam para impulsionar a tecnologia.

A região do Ártico está aquecendo pelo menos duas vezes mais rápido que o planeta como um todo. Com o gelo marinho agora mais fino e desaparecendo mais cedo na primavera, vários países estão de olho no Ártico, tanto pelo acesso a valiosos recursos naturais, incluindo os combustíveis fósseis, cujo uso agora está causando o aquecimento global, quanto como uma rota mais curta para fins comerciais navios. Um petroleiro que transportava gás natural liquefeito do norte da Rússia para a China testou essa rota mais curta no inverno passado, atravessando a normalmente congelada Rota do Mar do Norte em fevereiro pela primeira vez com a ajuda de um quebra-gelo. A rota reduziu o tempo de envio quase pela metade.

Rotas de navegação do Ártico. Susie Harder / Conselho Ártico

A Rússia vem construindo sua frota quebra-gelo há anos para esses e outros propósitos. Enquanto isso, os EUA estão tentando se recuperar. Enquanto a Rússia tem acesso a mais de 40 desses navios hoje, a Guarda Costeira dos Estados Unidos tem dois, um deles bem depois de sua vida útil pretendida.

Como um especialista em comércio marítimo e geopolítica do Ártico, tenho acompanhado a atividade crescente e as tensões geopolíticas no Ártico. Eles ressaltam a necessidade de um novo pensamento sobre a política dos Estados Unidos para o Ártico para enfrentar a concorrência emergente na região.

O problema com a frota quebra-gelo da América

A envelhecida frota quebra-gelo da América tem sido um tema persistente de frustração em Washington.

O Congresso adiou o investimento em novos navios quebra-gelo por décadas em face de demandas mais urgentes. Agora, a falta de quebra-gelos de classe polar mina a capacidade dos Estados Unidos de operar na região do Ártico, inclusive respondendo a desastres com o aumento do transporte marítimo e da exploração mineral.

Pode parecer contra-intuitivo, mas diminuir o gelo marinho pode tornar a região mais perigosa – blocos de gelo que se separam representam riscos tanto para os navios quanto para as plataformas de petróleo, e espera-se que as águas abertas atraiam mais navios e mais exploração mineral. O US Geological Survey estima que cerca de 30% do gás natural não descoberto do mundo e 13% do petróleo não descoberto podem estar no Ártico.

O quebra-gelo Polar Star tem 45 anos e precisa ser substituído. Mariana O’Leary / Guarda Costeira dos EUA

A Guarda Costeira dos EUA tem apenas dois quebra-gelos para gerenciar esse ambiente em mudança.

Polar Star, um quebra-gelo pesado que pode romper o gelo de até 6 metros de espessura, foi encomendado em 1976. Normalmente é enviado à Antártica no inverno, mas foi enviado ao Ártico este ano para fornecer uma presença americana. A tripulação da nave envelhecida teve que combater incêndios e lidar com quedas de energia e quebras de equipamento – tudo isso enquanto estava em alguns dos locais mais inóspitos e remotos da Terra. O segundo quebra-gelo, o menor Healy, comissionado em 2000, sofreu um incêndio a bordo em agosto de 2020 e cancelou todas as operações no Ártico.

Engenheiros a bordo do Polar Star consertam uma bomba de água salgada no Mar de Bering em 28 de janeiro de 2021. Cynthia Oldham / Guarda Costeira dos EUA

O Congresso autorizou a construção de mais três quebra – gelos pesados a um custo total de cerca de US $ 2,6 bilhões e financiou dois deles até agora, mas eles levam anos para serem produzidos. Um estaleiro no Mississippi espera entregar o primeiro em 2024.

Uma solução para quebrar o gelo

Uma maneira de aumentar a frota de quebra-gelos seria fazer com que os aliados adquirissem e operassem os quebra-gelos em conjunto, enquanto cada um ainda constrói sua própria frota.

Por exemplo, a administração Biden poderia colaborar com os aliados da OTAN para criar uma parceria baseada na Capacidade de Transporte Aéreo Estratégico da OTAN para aviões C-17. O programa de transporte aéreo, iniciado em 2008, opera três grandes aviões de transporte que seus 12 países membros podem usar para transportar rapidamente tropas e equipamentos.

Um programa semelhante para quebra-gelos poderia operar uma frota sob o comando da OTAN – talvez começando com quebra-gelos contribuídos por países da OTAN, como o Canadá, ou países parceiros, como a Finlândia. Como a Capacidade de Transporte Aéreo Estratégico, cada país membro compraria uma porcentagem das horas de operação da frota compartilhada com base em suas contribuições gerais para o programa.

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, anunciou um passo em direção a mais esse tipo de colaboração em 9 de junho de 2021, com planos de estabelecer um novo Centro de Estudos de Segurança do Ártico, o sexto Centro Regional do Departamento de Defesa. Os centros se concentram em pesquisa, comunicação e colaboração com parceiros.

Usando a Lei do Mar

Outra estratégia que poderia aumentar a influência dos EUA no Ártico, tampão conflitos iminentes, e ajudar a esclarecer reivindicações fundo do mar seria para o Senado a ratificar a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar.

A Rússia abriu recentemente uma grande usina de gás natural liquefeito no Mar de Kara, acima do Círculo Polar Ártico. Mikhail Svetlov / Getty Images

A Lei do Mar entrou em vigor em 1994 e estabeleceu regras sobre como os oceanos e os recursos oceânicos são usados ​​e compartilhados. Isso inclui determinar como os países podem reivindicar partes do fundo do mar. Os EUA inicialmente objetaram sobre uma seção que limitava a mineração no fundo do mar, mas essa seção foi alterada para aliviar algumas dessas preocupações. Os presidentes Bill Clinton, George W. Bush e Barack Obama pediram que o Senado o ratificasse, mas isso ainda não aconteceu.

A ratificação daria aos EUA uma posição legal internacional mais forte em águas contestadas. Também permitiria aos EUA reivindicar mais de 386.000 milhas quadradas – uma área duas vezes o tamanho da Califórnia – do leito marinho do Ártico ao longo de sua plataforma continental estendida e evitar as reivindicações sobrepostas de qualquer outro país nessa área.

Sem a ratificação, os Estados Unidos serão forçados a confiar no direito internacional consuetudinário para buscar quaisquer reivindicações marítimas, o que enfraquece sua posição jurídica internacional em águas contestadas, incluindo o Ártico e o Mar do Sul da China.

Contando com a cooperação internacional

O Ártico geralmente tem sido uma região de cooperação internacional. O Conselho do Ártico, um organismo internacional, manteve oito países com soberania sobre as terras na região focados no frágil ecossistema do Ártico, no bem-estar de seus povos indígenas e na prevenção e resposta a emergências.

Nos últimos anos, entretanto, os países “próximos ao Ártico”, incluindo China, Japão, Coréia do Sul, Grã-Bretanha e muitos membros da União Europeia, tornaram-se mais engajados, e a Rússia tornou-se mais ativa.

Com o aumento das tensões e a expansão do interesse na região, a era do engajamento cooperativo começou a retroceder com o derretimento do gelo marinho.

Este artigo foi atualizado com o anúncio do Departamento de Defesa de planos em 9 de junho de 2021 para estabelecer um novo centro para promover a colaboração no Ártico.


Este artigo foi atualizado com o anúncio do Departamento de Defesa de planos em 9 de junho de 2021 para estabelecer um novo centro para promover a colaboração no Ártico.


por Rockford Weitz, Professor de prática e diretor, Fletcher Maritime Studies Program, The Fletcher School, Tufts University   |  Texto original em português do Brasil, com tradução de Cezar Xavier

Exclusivo Editorial PV / Tornado

The Conversation

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -