Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Janeiro 18, 2022

A enfermagem já foi missão Humanitária

A greve é um princípio constitucional a que todos os trabalhadores por conta de outrem têm direito, com vista à reivindicação organizada por setor profissional, da melhoria das suas condições laborais: salariais e outras.

Sendo que, as salariais, tem sido as de maior predominância, por motivos óbvios.

Há inclusive quem defenda que, as grandes movimentações grevistas de reivindicação de direitos tem sido o motor do desenvolvimento e da inovação social, assim como, das revoluções políticas que tem vindo a alterar os modelos de organização das sociedades ao longo da História.

Simplesmente, o direito maior e, princípio também, da Constituição da República Portuguesa, das demais Constituições e da Carta Internacional dos Direitos Humanos tem um enfoque: A LIBERDADE!

Na sua componente dos Direitos Civis e Políticos, a liberdade expressa, nos pactos internacionalmente estabelecidos na Carta Internacional dos Direitos Humanos, redigida sob auspicio da ONU – Organização das Nações Unidas, fundada após um dos períodos mais conturbados e fratricidas da História Universal, no seu ARTIGO 1.º da Declaração Universal dos Direitos do Homem, diz o seguinte:

Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade.”

  • “devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade.”

Neste contexto, as consecutivas greves dos enfermeiros, ao colocarem em causa o espírito de fraternidade internacionalmente aceite não estão a cumprir com o seu dever profissionalmente assumido e socialmente exigido de cuidar dos seus iguais, com espírito de fraternidade, menosprezando o direito inalienável destes, aos cuidados de saúde com a dignidade necessária.

Uma violação dos direitos, liberdades e garantias inconcebível, numa classe social com formação académica suficiente para perceber que para além da fraternidade devida aos seus semelhantes, há o respeito devido a um conjunto de profissionais que fizeram da profissão, ao longo de uma vida de trabalho, missão de serviço. Como o atesta, no nosso País, o passado recente em que o exercício da função era tarefa maioritariamente exercida por religiosas, nos Hospitais e nas Missões, e o papel desempenhado por enfermeiros militares nas linhas da frente de combate na guerra colonial.

A saúde sempre foi uma das principais preocupações das comunidades por ser a sua garantia de vida. Por isso não pode ser uma entendida como sendo uma mera profissão com remuneração acima da média que se movimenta em exclusivo por um fim: ganhar dinheiro.

E, se fizer grave – não remunerada – ter financiamento equivalente a massa salarial garantida por um fundo de contornos dúbios uma vez que não é pago pela entidade promotora da movimentação. Os sindicatos.

Não se pede por isso que os atuais profissionais se acomodem, mas tão só que se comportem condignamente e com transparência.


Por opção do autor, este artigo respeita o AO90


Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante  subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

In fraudem legis

Crise avança com Bolsonaro

Clube Bilderberg

Titãs cantam: “Comida”

- Publicidade -