Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Julho 24, 2024

Perigo: a erosão do PS

João Vasco AlmeidaO Partido Socialista sofre uma erosão eleitoral há sete anos. A última votação com mais de dois milhões de votos aconteceu em 2009 com Sócrates a correr para um segundo mandato. Desde então a direita segue consistentemente à frente. O que se passa com o PS é complexo e fruto de uma riqueza que se transforma em falhanço.

A ideia de ter António José Seguro como líder não convenceu ninguém, mas era o único aparentemente disponível. Francisco Assis, que agora vem alertar para que o eleitorado PS se está a dividir entre o Bloco e a terra de ninguém, não conseguiu derrotar Seguro – o que mostra o seu valor eleitoral dentro do partido, naquele momento.

Se o PS se fartou de Sócrates, imagine-se o eleitorado. Por anos não pode sequer com a sombra do engenheiro. Enquanto pairar como morto-vivo, o PS estará sempre refém das suas idiossincrasias.  Ora aparece a votar como cara de mau ora dá entrevistas com cara de anjo…

António Costa sabe que vai na segunda derrota eleitoral consecutiva e que, sem o PSD, pouco ou nada aprovará na Assembleia que seja do agrado do bicho Europa. Por isso a vitória de Marcelo deu jeito. Costa não é burro, no entanto. O perigo eleitoral de estar na cama com todos paga-se caro, porque nas legislativas seguintes todos vão reclamar louros e os socialistas ficam entre o frenesim da direita e as mãos no peito de trotskistas, maoistas e leninistas.

António Costa e Homens da LutaPara os socialistas é urgente explicar o que defendem, para não se misturarem no ruído dos dias. A nova geração do PS é panfletária e tem os tiques de duas classes que o PS detestava: os copinhos de leite e os líderes estudantis à procura de poder. Por muito que sejam pessoas extraordinárias, as novas caras socialistas ainda não criaram empatia com o eleitorado, uma vez que são mulheres e homens de gabinete. Não andam na rua-rua, andam apenas nos “círculos” certos.

Ora, a erosão do partido faz-se aqui. Os bons presidentes de Junta e de Câmara afastaram-se da ribalta. Medina só complica com as ideias da 2ª Circular e mais ninguém se lembra de outro presidente de Câmara (ou de Junta) do PS. Tem mais peso Bernardino em Loures do que Basílio em Sintra.

Há ainda o perigo de o Partido Socialista ter medo de ir sozinho a votos. Como o eleitorado não lhe distingue a mensagem nem o propósito, com a morte de Almeida Santos e a fraca saúde de Soares, quem são as figuras de referência? Guterres, amado por Marcelo e tomado pela Igreja? Sócrates, encrencado? Constâncio, “vendido” à Europa? Jorge Coelho? Daniel Oliveira?

No PSD ainda há Manuela Ferreira Leite, Pacheco Pereira, Balsemão, Santana Lopes (!) ou mesmo Durão Barroso, Fernando Nogueira e Cavaco. E Rui Rio.

Costa. É o que resta. Depois de três eleições contra o partido, Alegre não cabe. Talvez Jaime Gama, esse eterno protagonista estilo RTP2.

Se é para renovar e afirmar, que seja agora. Senão, o caminho do PS pode ser muito complicado sem Costa e sem referências – nem valores claros que os eleitores compreendam. É tudo uma questão de solidez e comunicação.

 

PS – Marcelo sem cinto e a estacionar no lugar dos deficientes é só uma prova do seu portuguesismo. Seria grave se fosse minoria. Não é, mas também ninguém nos mandou nascer aqui e ser do contra.

Outros artigos de João Vasco Almeida

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -