Diário
Director

Independente
João de Sousa

Terça-feira, Maio 28, 2024

A força das mulheres escancarada no Globo de Ouro

O primeiro grande evento de Hollywood do ano foi marcado pelos protestos das atrizes contra o assédio sexual presente na indústria cinematográfica, amplamente denunciado no ano passado por mulheres que conseguiram não se calar. Na 75ª edição do prêmio Globo de Ouro, todas vestiram preto.O preto foi escolhido como cor da solidariedade com as vítimas que tiveram a coragem de falar, e foi a cor predominante no tapete vermelho. O evento foi uma grande discussão sobre o movimento feminista que vem causando uma reviravolta na indústria do cinema, buscando o fim do assédio sexual no setor.

Somou-se ao preto broches com a frase “Time is Up” (“o tempo acabou”) e contundentes declarações para os microfones. Se há uma mensagem nessa edição do Globo de Ouro é que as mulheres de Hollywood já não sorriem e se não calam. Natalie Portman, ao anunciar o prêmio de Melhor Diretor, provocou: “E aqui estão todos os homens indicados”. A plateia masculina ficou com sorrisos amarelos frente a falta de representação feminina na disputa, especialmente da aclamada Greta Gerwig, diretora de “Lady Bird”.

O filme da diretora triunfou em comédia, conta a história de uma adolescente que deseja romper com sua família e sua cidade natal. Lady Bird é um dos filmes mais bem avaliados pela crítica popular (leia-se Rotten Tomatoes) na história. Saoirse Ronan, levou o prêmio de melhor protagonista de comédia, como informa o El País.

Oprah Winfrey, uma lenda não só por ter chegado onde chegou como mulher, mas como mulher negra, recebeu o prêmio Cecil B. De Mille pelo conjunto da carreira. Em um discurso comovente traçou um paralelismo entre o momento em que a comunidade negra decidiu se erguer contra a discriminação institucionalizada e o que está acontecendo em Hollywood com o movimento feminista Time Is Up e Me Too.

“Durante muito tempo as mulheres não eram ouvidas ou não se acreditava nelas quando se atreviam a dizer a verdade ao poder masculino, mas isso acabou”, disse Winfrey. “Quero que todas as meninas que estão me vendo hoje saibam que há um novo dia no horizonte. E quando esse dia finalmente raiar, será graças a muitas mulheres magníficas, muitas delas aqui esta noite, e alguns homens bastante fenomenais se empenhando em serem os líderes que nos levem a uma época em que ninguém mais tenha que dizer: ‘Eu também, nunca mais’”.

Confira também o discurso de Elisabeth Moss, vencedora do prêmio de melhor atriz: 

 

Margaret Atwood no Globo de Ouro

Margaret Atwood, essa é para você: Elisabeth Moss, vencedora do prêmio de Melhor atriz de série dramática no #GoldenGlobes com The Handmaid’s Tale manda um salve para autora em seu discurso: Nós somos a história.

Publicado por Mídia Ninja em Domingo, 7 de Janeiro de 2018

Texto original em português do Brasil

Exclusivo Editorial PV / Tornado

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -