Diário
Director

Independente
João de Sousa

Quarta-feira, Maio 25, 2022

Acordo de Londres – Dívida Alemã

Rui AmaralEm 27 de Fevereiro de 1953 foi assinado o Acordo de Londres respeitante à dívida alemã.

A publicitação e divulgação deste acordo é importante, nos tempos que correm, com países a braços com dívidas insustentáveis, impagáveis e populações em sofrimento.

Os diferentes Estados devedores chegaram a esta situação por razões diversas que importa não generalisar.

O elemento detonador foi a crise da sub prime nos Estados Unidos. Esta situação de partida foi agravada pelas polítcas de austeridade seguidas pela UE, que continua em crise, mas não o foram nos EUA que atingiram resultados positivos não aderindo à austeridade.

Ao longo do percurso vários economistas de renome lançaram alertas e hoje, Instituições como o FMI e, mais recentemente, a ONU apontam no mesmo sentido: a austeridade nada resolveu e é responsável pela manutenção da crise.

Aquando da negociação com a Grécia até o Presidente Obama alertou para a necessidade de deixar a Grécia respirar. O vexame grego, marca, do meu ponto de vista, o fim da Europa solidária e foi um grave atentado aos Valores que estiveram na base da construção da União Europeia.

É neste contexto que vale a pena recordar o caso alemão.

Os Estados Unidos, que alertaram para o impossível cumprimento do Tratado de Versalhes (talvez o maior responsável pela ascenção de Hitler) foram os impulsionadores do Acordo de Londres que permitiu a recuperação económica da Alemanha, o designado milagre económico.

Este, em síntese, constata que a dívida além de impagável não permitia o desenvolvimento da economia alemã.

O Acordo visou assegurar o crescimento económico alemão e a capacidade efectiva de pagamento. Foi construido à volta das seguintes linhas mestras:

  •  perdão de cerca de 50% da dívida;
  • reescalonamento para um prazo de 30 anos e taxas de juro inferiores a 5%;
  • as amortizações seriam feitas com o excedente das exportações, poupando as reservas cambiais;
  • recusa de redução do consumo para amortização da dívida.

Os credores acordaram garantir, duradouramente, a capacidade negociadora e a fluidez económica da Alemanha, permitir um superavit da balança comercial e aceitaram o direito da esta levantar, unilateralmente, barreiras às importações que prejudicassem a sua economia.

Em caso de dificuldades havia a possibilidade de suspensão e renegociação dos pagamentos.

É curioso verificar que só em Outubro de 1990 (dois dias antes da reunificação) a Alemanha emite obrigações para pagar a dívida de 1920.

Hoje a Europa desunida (norte contra sul), intolerante intra muros (vexame grego), não solidária para com os seus membros (não hesita em celebrar tratados comerciais com países terceiros favoráveis a alguns membros e penalizantes para outros), invadida por ondas de refugiados das zonas de guerra criadas pela aventura irresponsável da invasão do Iraque (políticas de acolhimento que irão criar e agravar os problemas no futuro) caminha para uma desagregação próxima.

Atente-se na forma como a Europa cede reivindicações britânicas (muitas inaceitáveis) e esmaga as pretenções gregas (muitas justas). Recorde-se que a Grécia foi um dos países mais generosos com a Alemanha apesar dos crimes de guerra cometidos durante a ocupação.

A Alemanha destruída, derrotada e sujeita às consequências do Tratado de Versalhes é hoje motor de imposições igualmente inaceitáveis e intolerantes.

O futuro será dos euro-cépticos?

Rui G. Amaral
Gestor Reformado

Leia outros artigos de Rui Amaral

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -