Diário
Director

Independente
João de Sousa

Sábado, Outubro 23, 2021

André Silva vai estar no Parlamento para unir

André Silva
Primeiro deputado eleito pelo PAN encara estreia no Parlamento com grande “expectativa” e “sentido de responsabilidade”. Ainda não decidiu se a cadeira que vai ocupar está à direita ou esquerda do hemiciclo, mas uma coisa é certa, quer estar na “fila da frente”.

Foi nas primeiras horas do dia 5 de Outubro que a surpresa das últimas eleições legislativas surgiu. O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) elegia o seu primeiro deputado, tornando-o talvez, a par do Bloco de Esquerda, como um dos grandes vencedores da noite eleitoral. Muitos ainda estavam a digerir os discursos pós-eleitorais e a começar a fazer contas para decidir que caminho trilhar, quando André Silva, porta-voz e deputado eleito como cabeça de lista pelo círculo eleitoral de Lisboa, tinha todos os holofotes apontados para si e aclamava um resultado inédito, com 1,39% dos votos (74.656 em território nacional), tendo conseguido mesmo ficar à frente do PDR (de António Marinho e Pinto), do Livre/Tempo de Avançar (de Rui Tavares e Ana Drago) e do Agir (de Joana Amaral Dias).

Quando os deputados eleitos para a XIII legislatura tomarem posse, o que deverá acontecer no final de Outubro, André Silva e o PAN começam uma nova fase das suas vidas. Este é um momento que “está a ser vivido com grande expectativa e com o sentido de enorme responsabilidade na ambição que temos pela frente e que os eleitores confiaram ao PAN”. Consciente de que os desafios são muitos, “uns mais fáceis outros menos fáceis”, André Silva está convicto de que “os conseguiremos ultrapassar com o apoio de todos os eleitores e de todo este movimento que nos está a apoiar”.

O deputado eleito pelo PAN assume que não vai para a Assembleia da República para “dividir a esquerda e o centro-direita, mas para nos unirmos em torno de causas que são comuns”. Com esta postura espera “ver apoiadas as causas que são comuns a todos os partidos” e garante que vai “apoiar as causas que são comuns ao que é o real bem-estar e felicidade dos portugueses, que é a protecção dos direitos e bem-estar das pessoas e animais e a preservação da natureza. Sempre que qualquer medida seja positiva ou que venha trazer algo de novo para algumas destas áreas, obviamente que o PAN estará ao lado, independentemente da cor dessa medida. Não é importante a cor da medida mas sim o seu valor intrínseco”.

As primeiras propostas que levará ao Parlamento vão dar “continuidade ao trabalho que temos vindo a fazer, como por exemplo a iniciativa legislativa de cidadãos que o PAN apresentou em Maio na Assembleia da República que visa acabar com o abate nos canis. Não é só terminar com o flagelo dos abates nos canis, mas temos que terminar com questões a montante e a jusante, desde a questão de criar regras para a criação, proibir a venda na internet e em lojas de centros de comerciais, promover a esterilização de todos os animais que entram nos centros de recolha e promover uma política de adopção eficaz”.

O PAN quer trazer para a discussão pública algumas medidas “de impacto financeiro e social”, como a “redução do horário de trabalho e o aumento de período de parentalidade partilhado entre os responsáveis parentais” e “equiparar à taxa reduzida de IVA as despesas médico-veterinárias dos animais de companhia. Na sua maioria, os portugueses consideram que os animais de companhia fazem parte do seu agregado familiar e seria uma medida que iria aliviar as despesas dos portugueses”.

Para quem pensa que o PAN é um partido que olha mais para os animais e para a natureza, André Silva responde com o programa eleitoral que levou a sufrágio. “Mais de metade do nosso programa são medidas que visam directamente a vida das pessoas. O PAN é um partido que não se revê só numa causa”. Por isso, defende “políticas integradas” para melhorar a qualidade de vida da população e critica os Governos que lideraram o país nos últimos anos, com “políticas imediatistas” que colocaram “em causa esse bem-estar a médio e longo prazo”.

Questionado se queria ocupar uma cadeira à esquerda ou direita do hemiciclo, André Silva responde que “ainda não sei. Não nos revemos na categoria de esquerda ou centro-direita”. Mas garante que se pretende sentar “na fila da frente para ter a maior visibilidade possível”.

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -