Diário
Director

Independente
João de Sousa

Segunda-feira, Janeiro 24, 2022

As opiniões de Richard Black, senador de Virgínia, fazem-me pasmar!

Beatriz Lamas Oliveira
Médica Especialista em Saúde Publica e Medicina Tropical. Editora na "Escrivaninha". Autora e ilustradora.

Senador Richard Black para ST: plano dos EUA de estabelecer uma nação curda ao norte da Síria está fadado ao fracasso

Entrevistador Basma Qaddour, Syria Times

O senador da Virgínia Richard Black espera que as forças de paz russas impeçam o combate em larga escala no norte da Síria, afirmando que os EUA podem ajudar a impedir o retorno do ISIS terminando as sanções contra a Síria. Ele fez declarações ao jornal Syria Times on line que os russos esperam separar as facções em conflito e impedir que as forças turcas atacem as tropas sírias. “Quando os americanos deixaram Manbij, o exército sírio moveu-se capturou a posição. A Turquia sempre quis conquistar Manbij, o que seria apresentada como uma grande vitória. É um centro de transporte vital, com estradas cruzando-o em todas as direções. Mas como as tropas russas estão a patrulhar Manbij, era impossível a Turquia atacar ”, afirmou o senador. Ele referiu-se ao fato de que a retomada do exército sírio da barragem de Tabqa, no rio Eufrates, vai restaurar o coração agrícola da Síria e o seu governo legítimo. “Nos próximos dias, a Síria retomará mais zonas do norte da Síria e isso é uma vitória monumental para o presidente Assad e para o povo sírio”, acrescentou o senador Black, afirmando que desta vez não há como voltar atrás na retirada das forças americanas da Síria, pois é impossível reinserir soldados americanos entre dois exércitos em presença.

O senador frisou que o presidente dos EUA Trump, está numa forte posição política para sair da Síria, porque seus apoiantes assim o desejam “Nos próximos dias, o governo sírio provavelmente assumirá o controle sobre os prisioneiros do ISIS, sobre as terras agrícolas ricas e os campos de petróleo do nordeste da Síria. Reocupar esta área enriquecerá toda a nação Síria. Os SDF estão a cooperar com as forças sírias. É apenas uma questão de tempo até que Idlib seja retomado. O senador Black acredita que o futuro é incerto, mas espera que as forças de paz russas impeçam o combate em larga escala no norte da Síria e acrescenta “Como o exército Sírio será finalmente libertado de usar as suas forças contra o bolso do Idlib, é apenas uma questão de tempo até que o Idlib seja retomado. Estes eventos sinalizam a chegada da vitória e o fim da guerra”.

Ele aconselha os curdos a serem leais à sua nação, assim como outros sírios.“Os curdos serão como todos os outros cidadãos sírios. Sempre são feitas acomodações para os costumes e práticas locais, e as preocupações especiais dos curdos receberão a devida consideração pelo Presidente e pelo Conselho Popular. Mas os curdos devem ser leais à sua nação, assim como outros sírios. É do interesse dos curdos servir a Síria lealmente, e estou confiante de que eles o farão”, declarou o senador Black. Nenhuma nação na terra foi mais responsável por espalhar o terror global do que os Estados Unidos.Quanto à razão por trás da mudança na política dos EUA, o senador sublinhou que os americanos estão cansados da guerra.“As guerras no Oriente Médio trouxeram muita morte e sofrimento às famílias americanas e às nações que atacamos. Presidentes dos EUA H.W. Bush, Bill Clinton, G.W. Bush e Barack Obama realizaram implacáveis e sangrentas guerras de agressão que para nada serviram. Destruíram os sonhos de gerações de pessoas na Sérvia, Afeganistão, Iraque, Líbia, Síria e Iémene. Todos esses presidentes violaram a Lei da Guerra Terrestre, porque nenhuma dessas nações tinha atacado os Estados Unidos. O senador continuou dizendo: “Embora nossas tropas e nosso povo acreditassem que estavam agindo de forma honrosa, nenhuma nação na Terra foi mais responsável por espalhar o terror global do que os Estados Unidos”.

De 1979 a 1989, os EUA mobilizaram um quarto de milhão de terroristas wahabi para combater a União Soviética no Afeganistão. Estes homens e mulheres foram doutrinados por clérigos radicais da Arábia Saudita. Os clérigos  ensinaram-nos a decapitar e torturar infiéis e a escravizar suas esposas e filhos. Ao patrocinar o terror jihadista no Afeganistão, a CIA deu origem à Al Qaeda, que atacou as Torres Gêmeas e o Pentágono em 11 de setembro de 2001. Embora tenham matado 3.000 americanos em 11 de setembro, a CIA continuava a  apoiar a Al Qaeda na Síria. .Em seguida, houve o ISIS. Isso nunca teria acontecido se os EUA não tivessem invadido o Iraque e a Síria. Esses países nunca permitiram que terroristas operassem lá. Foi somente depois que a OTAN e os Estados do Golfo patrocinaram revoltas secretas que o ISIS foi formado. Logo, os EUA, o Reino Unido, a Arábia Saudita e o Quatar canalizaram biliões de dólares para pagar armas, munições e salários aos terroristas na Síria. Assassinos foram recrutados de 102 países para combater o legítimo governo da Síria. Muitos juntaram-se ao al Nusra; outros juntaram-se ao ISIS. Empreendimento infrutífero. Em relação à posição dos países europeus em relação ao ataque turco à Síria, o senador pediu que a posição da Turquia fosse reavaliada. Erdogan já não é popular na Europa como foi quando susteve os refugiados sírios em campos turcos. Por esse motivo, a UE ficou irritada com o ataque da Turquia ao norte da Síria e condenou as acções militares da Turquia, e todos os 28 de seus membros foram convidados a proibir a venda de armas à Turquia. O senador Black sublinhou que os EUA O senador Black apontou que a retirada dos EUA do JCPOA estreitou os laços entre a Europa e os Estados Unidos. Com o presidente Trump ansioso para se retirar da Síria, é provável que a Europa sinta que já teve o suficiente dessa aventura infrutífera.”Devemos pressionar pelo fim das sanções.”

Em relação ao papel positivo que os EUA podem desempenhar na região, o senador destacou que os EUA podem ajudar a impedir o retorno do ISIS ao encerrar suas sanções contra a Síria. “Os sírios estão prontos para o fim da guerra; até os jihadistas mais endurecidos estão cansados da guerra. Mas as sanções bloqueiam os materiais necessários para reconstruir as cidades atingidas. A nação inteira pode unir-se em torno da reconstrução da Síria. Devemos pressionar para que as sanções terminem. Fico encorajado quando vejo o Washington Post deixar de chamar às forças armadas de “exército pró-regime” e começar a chamá-lhes “forças do governo sírio”. Isso indica uma mudança de sentimentos. Com o tempo, a pressão por sanções diminuirá ”, acrescentou. Além disso, o senador afirmou que, eventualmente, os EUA devem escolher entre negociar com a Síria ou permitir que a China o faça. “A China já sinalizou sua intenção de negociar quando as condições forem adequadas. Os EUA seriam tolos em continuar as sanções e deixar oportunidades de negociação para outras pessoas.” “Os EUA podem investir na Síria e ajudá-la a se reconstruir. No entanto, eu seria cauteloso ao permitir que ONGs entrassem na Síria. O comércio é bom, mas a Síria não precisa importar filosofias alienígenas, moral depravada ou mesmo agentes secretos de inteligência”, concluiu.

Sen. Richard Black to ST: U.S. plan to establish a Kurdish nation north of Syria is doomed to failure


Tradução Beatriz Lamas Oliveira | Por opção do tradutor, este artigo respeita o AO90



Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a Newsletter do Jornal Tornado. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

 

Receba a nossa newsletter

Contorne o cinzentismo dominante subscrevendo a nossa Newsletter. Oferecemos-lhe ângulos de visão e análise que não encontrará disponíveis na imprensa mainstream.

- Publicidade -

Outros artigos

- Publicidade -

Últimas notícias

Mais lidos

- Publicidade -